Uma Noite de Emoções e Críticas: Minha Experiência nos Desfiles das Escolas de Samba de Curitiba

 

Sob o comando de Alexandre Vieira na apresentação em conjunto com Stela Bella, participei de uma cobertura extraordinária dos desfiles das escolas de samba de Curitiba ontem sábado  dia 10 de janeiro.

Encontro com amigos, emoções à flor da pele e uma reflexão sobre o Carnaval curitibano. Lembrei tanto dos amigios e parceiros Bola e Homero Réboli.

Ao lado de Carolina Blum, Leonardo da Cruz e Tamy Mocelim, tive o privilégio de fazer parte da equipe de comentaristas da cobertura dos desfiles das escolas de samba de Curitiba, proporcionada pelo grupo Gruta Carnaval. Nas reportagens, contamos com o talento de Roque Mundini e Bruno Basilio, com os trabalhos técnicos de Carlos Oroshi, e a contribuição essencial do Portal Brasil Cultura, representado por Rafael Ribeiro.

Revendo velhos amigos, compartilhando histórias com conhecidos sambistas e desfrutando da companhia de colegas da imprensa, fui lembrado de que o Carnaval é mais do que uma simples festa: é um momento de conexão, de celebração da cultura e da identidade.

Apesar das emoções vividas durante os desfiles, desde a empolgação contagiante da plateia até o esforço incansável das escolas de samba, algumas questões merecem ser registradas.

Sim, Curitiba tem carnaval!

Como bem disse Vinicius de Moraes em sua música imortal, “A felicidade do pobre parece a grande ilusão do carnaval.” O carnaval é uma manifestação de alegria, de efemeridade, onde nos entregamos aos sonhos e fantasias, sabendo que tudo se desvanecerá na quarta-feira de cinzas. Mas, para minha consternação, por duas vezes as luzes da avenida foram apagadas, interrompendo a transmissão e frustrando a energia do momento.

É uma ironia cruel falar que o povo de Curitiba não gosta de Carnaval, quando as arquibancadas e as ruas estavam repletas de foliões apaixonados. É um tapa na cara da diversidade cultural da cidade e um puxão de orelha na Prefeitura.

Um puxão de orelha na Prefeitura

O tratamento seletivo do Orçamento é inaceitável. O Carnaval não é apenas uma festa das escolas de samba; é uma celebração que demanda segurança, estrutura adequada e respeito aos profissionais da imprensa que fazem a cobertura do evento. A falta de investimentos reflete uma priorização equivocada dos recursos públicos, ignorando a pluralidade de interesses da população.

É imprescindível respeitar a diversidade quando se elabora o Orçamento Público, garantindo que todos os cidadãos, independentemente de sua origem ou status socioeconômico, tenham seus direitos atendidos. É tempo de reconhecer que o Carnaval é parte integrante da identidade cultural de Curitiba e merece ser tratado com o devido valor e respeito.

 

As escolas de samba

DEIXA FALAR
Enredo: Desde que o samba é samba, é assim

Quem abriu o o desfile, às 20h10, foi a Deixa Falar, que ano passado conquistou vaga para o grupo especial. A escola contará a epopeia do samba, fazendo um recorte de uma história cheia de personagens, de momentos e de riqueza cultural. As melodias mais marcantes, os sambas-enredos mais populares, as grandes escolas de samba do Rio de Janeiro, os desfiles inesquecíveis foram exaltados pela escola durante o desfile na Marechal Deodoro.

IMPERATRIZ DA LIBERDADE
Enredo: Para sobreviver tem que ser malandro! Salve a malandragem, saravá seu Zé!

A Imperatriz da Liberdade escolheu para compor o seu enredo a história de Zé Pelintra, uma entidade de cultos afro-brasileiros, especialmente a umbanda. Ele teria nascido em Pernambuco, mas na juventude foi para o Rio de Janeiro e logo passou a ser conhecido nas áreas boêmias da cidade. Assassinado pelas costas, o Malandro, como chamavam, passou a ser cultuado como uma entidade que ajuda as pessoas que passam por necessidades. Bonito desfile.

ENAMORADOS DO SAMBA
Café: Rota de ricas histórias, cultura e desenvolvimento

A Enamorados do Samba contou a história do café, rota de ricas histórias, cultura e desenvolvimento. O enredo é uma viagem pela cultura paranaense, pelo desenvolvimento do Estado do Paraná e pelo prazer do paladar. Ao falar sobre o ciclo do café, a escola também homenageia os Irmãos Rebouças, considerados os primeiros afrodescendentes brasileiros a cursar uma universidade. A dupla de engenheiros foi responsável pela construção da Estrada de Ferro Curitiba-Paranaguá. Samba bom e magnificamente cantado pela Amanda, Parabéns para presidente Marise, Amauri (ex jogador do Athetico), seu filho Ewerton mestre de bateria e ao Casinha diretor de harmonia.

ACADÊMICOS DA REALEZA
Enredo: Ecos de Zumbi!

O desfile da Escola de Samba Acadêmicos da Realeza exalta Zumbi dos Palmares como líder e inspiração. Ecos de Zumbi celebra a cultura, a liberdade e o protagonismo do povo preto, retratando presença e resistência. Empolgante desfile da escola de samba do presidente Paulo, que é meu dentista,

MOCIDADE AZUL
Enredo: Curitiba tem carnaval!  E a Mocidade Azul vai provar

A última escola a desfilar na Marechal é a campeã do Carnaval de 2023, Mocidade Azul, que levou para a avenida do samba a história do Carnaval de Curitiba, suas escolas e sua evolução, desde o início do século 20 até a atualidade. A escola mostrou que, apesar de muitas vezes negado ou ignorado, o Carnaval de Curitiba, de origem humilde, preta e periférica, sempre existiu, me emocionei com o primeiro carro abre alas trazendo a figura do Maé da Cuica, meu parceiro e amigo. Registro a presença de Marcia e Marcelo, filhos do saudosos Charrão e Celia

 

Cláudio Ribeiro

Jornalista – compositor

Ex coordenador e apresentador do carnaval de Curitiba

 

Compartilhar:

Seja o primeiro a comentar

Faça um comentário

Seu e-mail não será publicado.


*


cinco × cinco =