Rosinha de todo o Brasil

 

Rafael Andrade Maria Bethânia e Miúcha

Bethânia e Miúcha: disco para Rosinha e sofrimento com a doença da amiga

Falecida em 11 de junho após 12 anos em coma, em decorrência de lesão cerebral provocada por parada cardíaca, a violonista e compositora Rosinha de Valença começa a receber as primeiras homenagens desde que partiu, aos 62 anos. O período foi doloroso para amigos, fãs e parentes da artista nascida em Valença, no interior do estado. Nos últimos tempos, Maria Bethânia não teve forças para visitar a amiga e companheira de palco, tamanho o sofrimento. Mas sua admiração por Rosinha está entranhada em cada faixa de Namorando a Rosa, produzido por Bethânia, que reúne amigos da violonista como Martinho da Vila, Dona Ivone Lara, Alcione e Miúcha, a co-produtora.

“Rosinha era uma amiga muito próxima. Mais tímida só a Cássia Eller. Nos finais de tarde ela gostava de tocar violão com radinho de pilha ligado fazendo torresminho. Tinha uma relação interiorana e isso nos aproximou muito porque também sou do interior. Em seus últimos anos de vida, Miúcha estava mais perto dela do que eu. Logo no princípio, eu fiquei muito próxima, mas depois… Foram 12 anos… Eu nunca mais tive coragem” – diz Bethânia, que lança o CD por seu selo, Quitanda.

Miúcha demorou a visitar a amiga em Valença, mas se emocionou quando o fez. Convencida pela violonista Célia Vaz, que participa do disco, a cantora resolveu levar a versão de Bethânia para Cabocla Jurema, que Miúcha já havia tocado em shows com a violonista, para Rosinha escutar.

“Já tinham me falado que ela reagia com música. Eu botei Cabocla Jurema, Rosinha abriu o olho e aí eu vi que tinha uma lágrima escorrendo no rosto. Eu disse: Rosa, se lembra”?, conta Miúcha.

Bethânia afirma que optou por mostrar o lado mais brejeiro da violonista, uma amante das modas de viola caipira. Por isso, ela pescou a maioria das canções presentes em Namorando a Rosa do LP Cheiro de mato (1976). Além dos supracitados, figuram ainda no álbum Caetano Veloso, Chico Buarque, Joanna, Bebel Gilberto, Hermeto Pascoal, Turíbio Santos e Yamandú Costa. Miúcha descreve o resultado:

“É um disco dos mais emocionantes. No estúdio, a cada momento as pessoas reviviam sua relação com Rosinha. Havia mesmo afeto”.

Rosinha reclamava da falta de prestígio do músico brasileiro. Cultuada no meio artístico, ela não conseguia repetir o mesmo sucesso conquistado no exterior. Começou muito bem, em 1963, depois que veio para o Rio disposta a inscrever-se num concurso da Prefeitura para um cargo de datilógrafa. Quando chegou, não havia mais vagas e logo foi levada pelo jornalista Sérgio Porto, impressionado com o talento da moça, para a boate Au Bon Gourmet. Baden Powell, habitué do lugar, viu e aprovou, como reza a lenda: “Não é possível! Parece que sou eu que estou tocando!”

Anos depois, em 1972, a violonista comentou, em entrevista ao JB, as dificuldades do começo, época em que tocava escondido da família. Não foi nada fácil para uma mulher do interior, de pouco mais de 20 anos, desbravar horizontes: “Eu era uma mulher que precisava de sorte, porque era a única contra um número enorme de violonistas, um bando de homens que não estava a fim de me ceder um lugar. Precisava quase arrancar as cordas do violão para que as pessoas compreendessem que eu sabia tocar. Quantas vezes fazia acordes fortíssimos para acordar as pessoas, para que calassem um pouco a boca e prestassem atenção: quando um artista toca ele tem que ser ouvido. Não importa que esteja de saia ou de cuecas”.

Em 1964, um ano depois de ter seu talento descoberto no Rio, Rosinha de Valença já estava excursionando com o pianista Sérgio Mendes pelos Estados Unidos. Logo iria também à Europa, destacada como novo ícone da bossa nova. Ao longo dos anos 60, 70 e 80, a violonista gravou mais de dez discos. Fez também turnês em países como Israel, Portugal, África do Sul, Estados Unidos e França, onde chegou a morar.

No Brasil, Rosinha integrou a banda de Martinho da Vila e fez shows com Nana Caymmi, Dona Ivone Lara, Miúcha e João Donato. Bethânia comenta a carreira que não chegou a deslanchar junto ao grande público, mas que deixa saudades:

“Quando eu fazia um show com Rosinha, tinha uma hora que ela tocava umas músicas sem mim. A platéia delirava, mas em shows solo ela não tinha o mesmo efeito. Como é que pode? Talvez hoje fosse diferente, porque o Brasil tem uma leitura diferente do instrumentista. Era uma carreira que oscilava muito, mas ela estava sempre tão feliz com a música que superava qualquer dificuldade”.

Dona Ivone Lara batia ponto nas muitas residências que Rosinha firmou em Copacabana. Juntas elas fizeram shows em lugares como Angola e Argentina. Foi a violonista quem a apresentou a Miúcha e Bethânia.

“Rosinha telefonava para eu ir comer torresmo na casa dela e toda tarde eu estava lá. Eu chegava e ela dizia: quais são as novidades? Ela tocava violão e eu então cantava as novidades. Nossa amizade era muito grande”.

 

 

Leia mais aqui…

Rosinha de Valença

 

Author: Redação

Share This Post On