O legado de Dragão do Mar, abolicionista cearense nascido há 180 anos

Nascido há 180 anos, num 15 de abril, Dragão do Mar vive em Fortaleza de diferentes formas. De um lado, o Centro Dragão do Mar de Arte e Cultura (CDMAC), uma área com mais de 14 mil m² dedicados unicamente à cultura. Mais à frente, o antigo porto da Capital, hoje Ponte Metálica, ponto de saída de homens e mulheres escravizados para as províncias do Centro-Sul.

 

Oficialmente, o legado de Francisco José do Nascimento, o Dragão do Mar, é lembrado em homenagens distintas. Da Data Magna do Ceará, em 25 de março, às efemérides e expressões populares. Neste ano, o samba-enredo da Mangueira, “História pra Ninar Gente Grande”, tratou do protagonismo popular nas lutas sociais a partir de personagens que costuram a história. “A liberdade é um dragão no mar de Aracati”, canta o enredo vencedor.

 

Mesmo com o reconhecimento em vida e de proporção nacional e internacional, Chico da Matilde morreu no ostracismo. Demorou até que seu nome voltasse a repercutir. De acordo o historiador Airton de Farias, o herói jangadeiro morreu em momento de “profundo isolamento”.

 

“A imagem dele passa a ser lembrada na era Vargas (nos idos dos anos 40 e 50). O getulismo é o primeiro momento em que ele vira memória. E há uma ressignificação do Dragão do Mar, associam ele a um jangadeiro muito humilde, muitos chegando a pensar que ele era escravo”, explica. “O uso da memória dele é posterior, pelo menos 20 anos após o óbito”.

 

A antropóloga gaúcha Vera Rodrigues, professora do Instituto de Humanidades da Universidade da Integração Internacional da Lusofonia Afro-Brasileira, percebe contradição no discurso simbólico que envolve o personagem. “Houve um legado histórico de liberdade, mas não há um legado de cidadania, de responsabilidade social. Como um Estado pode homenagear o personagem histórico e não valorizar a população que vem da origem disso?”, questiona.

 

“Mesmo com o pioneirismo, decretar abolição no papel não é decretar abolição na completude. Não houve política de reparação. Ainda se trabalha num imaginário pela mídia, pela via da história, parece que ocorreu uma liberdade concedida, o que é muito mais estranho. Liberdade não é concessão, é conquista”, pontua.

 

Para a estudante de Humanidades da Unilab e membro do Movimento Negro Unificado (MNU), Geyse Anne da Silva, há uma necessidade de continuidade do trabalho de reafirmar o lugar do negro na sociedade. “O que a gente precisa pensar, para além do simbolismo, é que o Dragão do Mar lutou contra a exploração do corpo negro. O que ele nos deixa é essa resistência. Quando a gente luta contra o racismo na escola, no trabalho, a gente coloca esse legado em prática”, opina. “Nós precisamos saber reafirmar nosso lugar na sociedade também por quem há muito tempo já lutava”.

 

 

 

Fonte: Jornal OPovo

Seja o primeiro a comentar

Faça um comentário

Seu e-mail não será publicado.


*


3 × quatro =