Na ditadura, Taiguara citou mais-valia de forma lírica e metafórica

 

Música com referência ao famoso conceito marxista é exemplo do modo como o compositor driblava a censura

Mais valia eu ter-te amado
Que ter-te explorado tanto
Mais valia o meu passado a teu lado
Do que mais luxo e mais encanto

Fiz capital, te explorando
Fiz o mal, nos separando
E hoje aqui estou derrotado,
Um ladrão desalmado
Que acabou chorando

(Mais Valia, de Taiguara)

Taiguara (1945-1996) foi um dos artistas mais censurados pela ditadura militar brasileira (1964-1985). No entanto, ele se utilizava da criatividade para driblar as imposições do regime, como afirmou o pesquisador Omar Jubran no programa Olhar Brasileiro, da Rádio USP (93,7 MHz), transmitido no dia 22 passado, que apresentou a obra desse cantor e compositor nascido em Montevidéu, no Uruguai, e radicado no Brasil desde os 4 anos de idade.

Um exemplo dessa criatividade é a música Mais Valia, que de forma lírica e metafórica faz referência a um dos mais conhecidos conceitos elaborados pelo pensador alemão Karl Marx (1818-1883), criador do chamado socialismo científico – o conceito de mais-valia, que se refere à diferença entre o valor final de uma mercadoria e a soma do valor do trabalho e dos meios de produção necessários para a produção daquela mercadoria, que é a fonte do lucro.

Além de Mais Valia, outras composições de Taiguara foram apresentadas em Olhar Brasileiro, como Teu Sonho Não AcabouUniverso no Teu CorpoHojeViagemQue as Crianças Cantem Livres Voz do Leste.

Ouça nos links abaixo a íntegra do programa.

https://jornal.usp.br/wp-content/uploads/2020/11/OLHAR-BRASILEIRO_22-e-24_NOVEMBRO_Bloco_01.mp3\

https://jornal.usp.br/wp-content/uploads/2020/11/OLHAR-BRASILEIRO_22-e-24_NOVEMBRO_Bloco_02.mp3

https://jornal.usp.br/wp-content/uploads/2020/11/OLHAR-BRASILEIRO_22-e-24_NOVEMBRO_Bloco_03.mp3

Seja o primeiro a comentar

Faça um comentário

Seu e-mail não será publicado.


*


17 − 7 =