Navigation Menu

23 de outubro de 1906, o brasileiro Alberto Santos Dumont voa com 14-bis

Em 23 de outubro de 1906, o brasileiro Alberto Santos Dumont voa o 14-bis.
O primeiro voo teste do 14-bis foi em 19 de julho de 1906, conectado ao balão de número 14.
Em 23 de agosto, o 14-bis foi finalmente testado sem estar acoplado ao balão. Após realizar a primeira corrida sem decolar, na segunda tentativa o primeiro avião elevou-se do chão e voou. Entretanto a sua estabilidade não agradou a Santos Dumont, que mesmo assim declarou-se satisfeito.
Santos Dumont sabia que precisava de mais potência para o avião 14-bis voar e instalou o motor náutico Antoinette de 50 CV no lugar do de 24 CV.
No dia 13 de setembro de 1906, o 14-bis voou por 11 metros, mas fez um pouso brusco, quebrando as rodas, danificando a estrutura e interrompendo os testes.
Santos-Dumont fez novas modificações no avião: envernizou a seda das asas para aumentar a sustentação, retirou a roda traseira, por atrapalhar a decolagem, e cortou a estrutura portadora da hélice.
Em 23 de outubro de 1906, no campo de Bagatelle, em Paris, o 14-bis, após várias tentativas, percorreu 70 metros em sete segundos, a uma altura de aproximadamente dois metros, perante mais de mil espectadores.
O feito foi registrado pela companhia cinematográfica Pathé.
Santos Dumont ganhou o Prêmio Archdeacon.
Esteve presente a Comissão Oficial do Aeroclube da França, entidade reconhecida internacionalmente e autorizada a homologar qualquer evento significante, tanto no campo dos aeróstatos como no dos “mais pesado que o ar”.
Novamente, porém, o pouso brusco danificou as rodas do avião. O 14-bis ainda não era totalmente controlável, mas por ter saído do chão por seus próprios meios, era um feito inédito na aviação.
Em 12 de novembro de 1906, Santos Dumont fez algumas modificações no 14-bis. O avião percorreu 220 metros em 21,5 segundos, estabelecendo o recorde de distância da época.
O feito foi registrado pelo Aeroclube da França, sendo preservado com um monumento no Campo de Bagatelle.
Em 14 de abril de 1907 o 14 bis realizou seu último voo.
Após tentativas frustradas de estabilizar a aeronave, Santos-Dumont perdeu o controle e bateu contra o chão. Ao invés de reparar o avião, Santos Dumont preferiu canibalizar as peças do 14-bis em outros projetos, seu motor equipou os projetos 15, 16 e 18. Infelizmente a história do primeiro avião a voar por meios próprios não foi preservada.
O Demoiselle, segundo avião projetado e construído por Santos Dumont, menos conhecido que o 14 Bis, mas de excepcional estrutura, influenciou toda a indústria da aviação no começo do século XX. Santos Dumont não patenteava seus inventos que se tornaram públicos difundindo o início da aviação.
O desenhos do Demoiselle foram publicados na revista Mecânica Popular de 1910, e de cópias das plantas estão no Musée de L´Air et de L´Espace, de Paris.
Atualmente pequenas adaptações foram feitas apenas para aumentar a segurança. O avião original, em bambu, deu lugar a réplicas construídas com alumínio. Algumas medidas foram alteradas para se adequar ao tamanho dos pilotos, já que Santos-Dumont tinha 1,52 m e pesava apenas 50 kg.
Santos Dumont construiu 22 equipamentos voadores.
O primeiro foi o Balão Brasil, com apenas seis metros de diâmetro e 30 quilos, o mais compacto da época. Em 1901, o primeiro grande feito: com o dirigível nº 6, Santos Dumont percorreu 11 quilômetros e deu uma volta na Torre Eiffel em menos de 30 minutos. Assim, provou que o voo controlado (contra e a favor do vento) era possível, e venceu o Prêmio Deutsch, de 100 mil francos, uma fortuna na época.
Um dos grandes momentos da Cerimônia de abertura das Olimpíadas no Rio de Janeiro, foi a aparição de uma réplica do 14-bis. Foi um dos grandes momentos da cerimônia,
A cena reacendeu uma rixa histórica de Santos Dumont com os irmãos Wright.
O gênio criou muitos inventos que poucas pessoas conhecem, entre eles um canhão para salvar pessoas se afogando.
Um destes inventos, bilhões de pessoas utilizam todo o dia, o relógio de pulso.
Alberto Santos Dumont nasceu em Palmira/MG em 20 de julho de 1873 (atualmente é Santos Dumont em homenagem ao filho ilustre). Por coincidência do destino, no dia 20 de julho de 1969, o homem pisava na Lua pela primeira vez, na histórica missão Apollo 11.
A 15º Assembléia Geral da União Aeronáutica Internacional (IAU), realizada na Austrália em 1973, por unanimidade aprovou o nome de Santos Dumont para a cratera Hadley-B.
A aviadora brasileira Anésia Machado promovia a imagem de Santos-Dumont entre nós e por todo o mundo !
Ela era uma das primeiras aviadoras e foi condecorada no reide aéreo SP-Rio, recebendo uma carta e medalha do próprio Santos Dumont.
Árdua defensora do Pai da Aviação, Anésia Machado ouviu com lágrimas nos olhos a proclamação feita pelo Astronauta e atual diretor do museu Museu do Ar e do Espaço na cidade de Washington, Michael Collins: “Lá está o nome de um brasileiro que hoje pertence a toda a humanidade, Sera o reconhecimento do mundo a contribuição do gênio inventivo de Santos Dumont ao desenvolvimento e progresso aero-espacial contemporâneo.”
Em 20 de julho de 1973 (dia do Centenário de aniversário de Santos Dumont, e do pouso da Apollo 11 na Lua), no auditório do National Air and Space Museum do Smithsonian Institution (Washington/D.C./USA), com a presença de seu diretor, o ex-astronauta da Apollo 11, Michael Collins, a IAU (International Astronomical Union) foi concedida ao “Pai da Aviação” uma eterna e universal homenagem, rebatizando a cratera Hadley B.
A cratera Santos Dumont tem 9 Km de diâmetro e 2,6 Km de profundidade máxima, e está localizada a cerca de 30 Km a nordeste da montanha Mons Hadley, que também compõe os Montes Apenninus.
A cratera Santos Dumont está localizada próxima das grandes crateras Archimedes e Autolycus.
A cratera Santos Dumont tem formato circular de “tigela” (bowl shape), piso arredondado e encostas internas íngremes, está localizada na extremidade Norte dos Montes Apeninos, nas coordenadas 4.8º Leste/27.8º Norte.
Vale observar que não existe cratera, Irmãos Wright na Lua !
A missão Apollo 15 (módulo Falcon) alunissou a 60 km da cratera Santos Dumont em 10 de julho de 1971.
Próxima da cratera santos Dumont também repousa em solo lunar a sonda soviética Luna 2, Esta nave soviética foi a primeira nave espacial a alcançar a superfície da Lua, se tornando também o primeiro objeto feito pelo homem a atingir um outro corpo celeste, pousando na Lua em 13 de setembro de 1959.
Um observador pode ver facilmente a cratera Santos Dumont no telescópio. Observe-a alguns dias antes da fase quarto crescente da Lua, quando o terminador (região dia/noite) ficar próximo a ela.
Santos Dumont foi um dos maiores gênios da humanidade, apesar de medir somente 1,50 mt de altura.
Santos Dumont não patenteou neuma de suas invenções, dando a oportunidade que as pessoas pudessem ter o sonho de voar.
O local de nascimento de Santos Dumont foi a Fazenda Cabangu, atual Museu de Cabangu, que está distante 16 Km da cidade de Santos Dumont/MG.
O Museu é dedicado à memória do Santos Dumont, o Pai da Aviação.
Conserva-se ainda no sítio onde nasceu Alberto Santos Dumont, a casa onde o gênio nasceu, objetos pessoais, fotos e o museu da aviação. No Museu estão depositadas também as cinzas da aviadora Anésia Pinheiro Machado.
A outra cratera lunar com nome de um brasileiro é a De Moraes, alusiva ao astrônomo Abraão de Moraes (1916-1970), emérito diretor do Observatório Astronômico e Geofísico da USP.
O nome foi aprovado pela IAU em 1979.
A cratera de impacto com 3,5 km de profundidade está localizada nas coordenadas selenográficas 49.38° N e 143° L, fica na face oculta da Lua, portanto não pode ser observada por nós.
Somente 24 humanos das missões Apollo observaram a face oculta da Lua.

Be Sociable, Share!

Author: Redação

Share This Post On

Enviar um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

quatro × dois =