Comuna de Paris: Para virar as armas contra você, por Jenny Farrel

 

A trama desenvolvida em “Os dias de Comuna”, de Bertold Brecht, mostra os passos que os comunas dão para começar uma nova vida.

Ao comemorarmos o 150º aniversário da heróica primeira luta do proletariado francês para instalar La Commune em Paris, vamos examinar a interpretação de Brecht deste grande evento em sua peça “Os dias da Comuna”.

A Comuna surgiu espontaneamente em 18 de março de 1871. A guerra com a Alemanha, as dificuldades, o desemprego e a raiva contra as classes altas, entre outras coisas, levaram a população de Paris à revolução e colocaram o poder nas mãos da classe trabalhadora e da pequena burguesia que se juntou a ela.

No entanto, somente o proletariado francês estava ao lado de seu governo; abandonado por seus aliados, a Comuna estava condenada. A burguesia francesa se uniu em uma coalizão apoiada por Bismarck. Em 21 de maio, o exército invadiu Paris e matou milhares. Em 28 de maio de 1871, o exército havia derrotado a Comuna.

Em 1948/49 Brecht adaptou uma peça de teatro, “A Derrota”, que tratava do mesmo assunto e foi escrita pelo poeta norueguês Nordahl Grieg em seu retorno da Guerra Civil espanhola. Tendo a situação política mudado significativamente após a rendição da Alemanha nazista, Brecht quis focalizar as lições da derrota da Comuna de Paris.

Brecht conta a história da comunidade em torno da costureira Madame Cabet, que se envolve na revolução simplesmente para sobreviver. As pessoas dentro da Comuna experimentam brevemente uma nova forma de existência social. A trama revela tanto as conquistas quanto os erros da revolução. As pessoas ao redor do Madame Cabet perecem com a comunidade. O novo modo de vida é destruído pelo uso do terror impiedoso da burguesia, que a comuna hesitou em usar contra seu inimigo.

A peça de Brecht começa com a situação antes do aumento, em 22 de janeiro de 1871. Tijolo “Papa”, o relojoeiro Coco e o seminarista François percebem que a burguesia está lucrando com o aumento dos preços, enquanto os guardas nacionais estão morrendo defendendo Paris dos prussianos. O conflito social que exige que o proletariado assuma o Estado torna-se óbvio.

A trama mostra os passos que os comunas dão para começar uma nova vida. Um canhão adquirido dos estoques do exército para defender os bairros populares torna-se um símbolo da classe trabalhadora armada. Madame Cabet, na Rue Pigalle, se encarrega disso. A comunidade a protege contra as tentativas de retirá-la deles.

Após a eleição da Comuna, “papai” e outros estão convencidos de que o povo triunfou. Em sua primeira reunião, a Comuna proclama os princípios de seu trabalho futuro: a substituição do exército permanente pelo povo armado, a separação da igreja do Estado, nenhum trabalho noturno em padarias, todas as fábricas, que haviam sido abandonadas por seus proprietários, para serem entregues aos trabalhadores, os salários dos funcionários públicos para não exceder o salário médio de trabalho. Mas falta à Comuna a resolução de marchar sobre Versalhes ou de ocupar o Banco da França, os bastiões simbólicos do poder e do capital. Eles não compreendem totalmente a necessidade de fazê-lo. E assim Versalhes desencadeia uma guerra civil contra as comunas. Na Rue Pigalle, o bairro constrói uma barricada para defender suas vidas e a Comuna.

Cenas envolvendo a comunidade da Rue Pigalle estão no centro da trama. Elas mostram a velha ordem substituída por novas relações humanas, mas estressantes: “Nunca esperem mais da Comuna do que vocês esperam de vocês mesmos”. O trabalho e a diversão não são mais divorciados. O povo como legislador se vê a si mesmo como trabalhando e desfrutando da vida; eles adotaram uma nova atitude em relação à vida. Pão e rosas também.

Os comunas, que não conheceram nada além de violência e exploração, desejam a paz. Eles poupam seu inimigo, porque a nova era parece incompatível com o terror. No entanto, a história exige a assunção inequívoca do poder político sob pena de derrota. As comunas são confrontadas com esta contradição, e Brecht mostra como elas se debatem com ela e como são destruídas.

Esta peça dificilmente poderia ser mais atual agora do que foi quando o mundo socialista se formou no rescaldo da Segunda Guerra Mundial. Foi imensamente significativa em 1970 na Tanzânia, onde meu pai Jack Mitchell estudou e interpretou o drama com seus alunos, menos de dez anos após a independência. E hoje, testemunhamos o ataque total e freqüentemente militar do complexo industrial militar ao pacífico povo trabalhador do mundo. Como disse Brecht: “O útero é fértil, mas de onde se origina esse crepúsculo”. (o rebento ainda é fértil, do qual se arrastava)

Seja o primeiro a comentar

Faça um comentário

Seu e-mail não será publicado.


*


9 − 3 =