Carlos Drummond de Andrade: O poeta Quintana

Lago Burnett atribuiu-me a criação do neologismo “quintanares”, alusivo aos poemas de Mário Quintana. Infelizmente não fui eu, foi Cecília Meireles que cunhou a palavra. Bem que eu gostaria não só de ter batizado como de ter escrito os quintanares de Quintana.

 

Por Carlos Drummond de Andrade, no Correio da Manhã (31/07/1966)

* Monumento a Carlos Drummond de Andrade e a Mário Quintana, na Praça da Alfândega, em Porto Alegre (RS)

Por outro lado, sei que não me seria possível escrevê-los. Só o Quintana tem a fórmula, direi melhor, a ausência de fórmula dessas cantigas: ora soneto, ora trova, ora verso livre, ora prosa enganadora, por fora; por dentro, o imponderável de um achado poético não procurado, porque foi ele, achado, que achou o achador. Não me faço entender? Não faz mal. Remeto o leitor à Antologia Poética de Mário Quintana, que a Editora do Autor acaba de publicar, com o melhor de sua produção, tirado de cinco livros, além de 60 poemas inéditos.

 

Gaúcho de Alegrete, Quintana imagina-se a cavalo no campo, deixando que o poema, “esse estranho animal”, encontre o rumo. “Ele não quer saber de querências, de nada, / E só descobre estranhos descaminhos…” Acaba topando com os Três Reis Magos, que perguntam ao poeta se viu a Estrela. Também lhe acontece topar com D. Quixote, o Espantalho Desconhecido, Jack o Estripador, até Jesus Cristo com o Menino Jesus ao colo.

 

Há encontros menores, nem por isso menos provocadores de poemas. Basta-lhe um guarda-chuva perdido, que vai formar anel em Saturno; ou um grilo, um ovo. Mitos, pessoas, coisas, situações vêm ao encontro de Mário Quintana com a naturalidade de velhos camaradas de diferentes meios que têm um amigo em comum. O poeta acolhe-os com a mesma cortesia afetuosa. Disto se faz a lírica de MQ: é uma tradução, para o simples, de muitos mistérios.

 

Poderia chamá-lo intérprete. Pois aqueles dos risos, o da velhinha e o da garota, nós bem os percebemos e distinguimos, sem saber defini-los. Temos de recorrer a Quintana: o riso da vovó “é um riso de cobre – surdo, velho, azinhavrado – um riso que sai custoso, aos vinténs”, ao passo que a menina “lhe dá o troco em pratinhas novas”. Há casos em que o poeta nos explica o objeto pelo objeto, em sua essencialidade:

 

Um lampião de esquina

Só pode ser comparado a um lampião de esquina,

De tal maneira ele é ele mesmo

na sua ardente solidão!

 

Também nos dá a chave de sublimes compensações gratuitas:

 

Não é preciso um verso… nem

Uma oração…

Basta que digas a palavra anêmona

E tudo esquecerás, enredado na sua

Fantasmagórica palpitação.

 

A simplicidade de meios, a cantante sequência de versos que, mesmo se esquivando ao metro fixo, estão sempre banhados numa atmosfera de música surdinada, o poder de extrair de um incidente mínimo de vida a centelha de poesia que ilumina uma extensão ilimitada, eis alguns dos segredos de bolso de Mário Quintana. Porque o segredo grande, este não se revela.

 

O segredo de ser o poeta que ele é, e não outro, sem embargo das influências que agiram em sua formação e das afinidades que o ligam a uma família de espíritos; a organização especial, o jeito quintanar e único, a arte de aprofundar sua experiência convertendo sua poesia num bem geral de tantos que nunca o viram e que entretanto o amam à fé destes versos. Pois esta é uma poesia que, “na sua ardente solidão”, provoca imediata empatia, e se faz objeto de amor.

 

* Carlos Drummond de Andrade (1902-1987), escritor modernista, é considerado o maior poeta brasileiro do século 20. Este artigo de sua autoria foi publicado originalmente em Carlos Drummond Andrade – Autorretrato e Outras Crônicas (Editora Record)

Seja o primeiro a comentar

Faça um comentário

Seu e-mail não será publicado.


*


14 + oito =