Bienal do Rio e suas novidades para 2019

A 19ª edição do evento virá com novos espaços e conteúdos inéditos para os diversos públicos que passarão pelo pavilhão do Riocentro entre os dias 30 de agosto e 8 de setembro.

Os leitores que forem à próxima Bienal Internacional do Livro do Rio de Janeiro 2019, de cara, verão uma novidade. A entrada, que historicamente era feita pela lateral do Riocentro, passará a ser pelo Pavilhão das Artes, que hoje abriga a maior exposição permanente indoor de arte de rua da América Latina. E essa é a primeira das novidades que o Sindicato Nacional dos Editores de Livros (SNEL) e a Fagga l GL Events Exhibitions, realizadores da Bienal, preparam para a edição do ano que vem que acontecerá entre os dias 30 de agosto e 8 de setembro.

 

A planta do festival foi redesenhada para concentrar atividades, expositores e patrocinadores afins em um mesmo ambiente. Os organizadores acreditam que, desta forma, a comunicação das marcas será ainda mais eficiente e a interação com os visitantes, mais produtiva. “Vamos trabalhar com categorias muito bem segmentadas, seguindo a lógica de criar uma bienal para cada um”, explicou Tatiana Zaccaro, diretora da Bienal. “A Bienal é um sucesso, um momento mágico de interação entre os visitantes, as editoras e os autores. E, para mantermos esse encantamento, estamos sempre investindo em inovação, atentos às novidades e transformações tanto do mercado, quanto da sociedade. Em 2019, o objetivo é oferecer várias bienais dentro de uma, com espaços bem definidos para cada perfil de público”, completou Marcos da Veiga Pereira, presidente do SNEL.

 

O pavilhão infantil, por exemplo, ocupará uma área de mais de 10 mil m² onde estarão reunidas as editoras de livros infantis, fraldário, área de alimentação especialmente focada nesse público e o maior espaço de programação cultural da Bienal que ocupará 500 m² do pavilhão.

 

Na edição de 2017, a Arena Jovem e o Café Literário ganharam relevância com significativos aumentos no número de pessoas que passaram pelos espaços. Na área dedicada aos jovens, o público foi mais de 340% maior do que na edição anterior e no Café Literário, o aumento bateu 25%. De olho nisso, a direção da Bienal garantiu que os espaços serão mantidos em 2019, mas não anunciou novidades específicas para esses auditórios.

 

O já tradicional Fórum de Educação – com programação voltada para educadores e professores – será ampliado para valorizar e promover a integração entre esses profissionais e oferecer capacitação profissional, além de proporcionar novas oportunidades de relacionamento para as editoras do segmento se aproximarem do seu público-alvo.

 

Em 2017, a Bienal reuniu mais de 300 autores e convidados em 360 horas de programação cultural e 190 sessões de autógrafos e, com isso, bateu recorde de público ao receber 640 mil visitantes, superando a estimativa inicial de 600 mil. Em pesquisa realizada no final do evento, 93% das pessoas disseram que voltariam na próxima edição.

 

A Bienal terá ainda uma nova área dedicada às pequenas editoras e um espaço cultural focado em filosofia e negócios.

 

Seja o primeiro a comentar

Faça um comentário

Seu e-mail não será publicado.


*


quinze + um =