Aramis Millarch

Se vivo, Aramis Millarch estaria completando hoje 76 anos. Um dos mais importantes cronistas de Curitiba. Foi reconhecido jornalista, além de um dos mais famosos críticos de música popular do Brasil. Foi um dos mais importantes e reconhecido jornalista e crítico de música pupular brasileira. Começou no jornalismo em 1962 no jornal “Estado do Paraná” no qual manteve ao longo de toda sua carreira a coluna diária “Tablóide”. Também escreveu sobre cinema, além de uma coluna sobre discos. Participou dos mais importantes festivais de cultura do país. Escreveu scripts para a Rádio Cultura. Fez com Elói Zanetti o programa “Domingo sem futebol” apresentado na Rádio Ouro Verde. Foi fundador e primeiro presidente da Associação de Pesquisadores de Música Popular Brasileira. Entrevistou dezenas de personalidades da música popular brasileira. Foi o último a entrevistar, durante horas, a cantora Maysa, que faleceria dias depois. No extinto jornal “Última Hora” assinou uma coluna na qual utilizou o pseudônimo de J. Lyra de Moraes – O “J” em homenagem a João Gilberto, o Lyra a Carlos Lyra e o Moraes a Vinícius de Moraes. Deixou um acervo com milhares de itens, entre os quais 30.00 discos que constituem um dos maiores acervos sobre música e cultura do país. Seu acervo foi digitalizado e colocado à disposição do público através do “Tablóide digital”. Em 2003, seu acervo foi doado pelo filho Francisco Millachi ao Instituto Cultural Cravo Albin do Rio de Janeiro, que o homenageará em sua sede com um espaço Aramis Milacchi”. Foi um dos poucos jornalistas do Paraná a receber o Prêmio Esso de Jornalismo.

12/7/1943 Curitiba, PR
13/7/1992 Curitiba, PR

Seja o primeiro a comentar

Faça um comentário

Seu e-mail não será publicado.


*


um × 4 =