Mocidade Azul campeã do carnaval de Curitiba.

A Mocidade Azul ficou com o título de campeã do Grupo Especial. E ficou com o título de campeã novamente: desde os anos 80, nos tempos do “Afunfa” antigo dirigente da agremiação.

Última escola do grupo especial a entrar na avenida, no último sábado, com o enredo “Carnaval é Ubuntu”, uma referência à “Mãe África”, berço da humanidade. Ubuntu significa coletividade, comunidade, generosidade, e a escola procurou mostrar que o carnaval é um exemplo desse espírito “ubuntu” no mundo ocidental. “Numa época de grandes manifestações, onde grupos se vestem de diversas cores e símbolos para defender e lutar por suas causas, a Mocidade Azul se veste de África para defender e propagar essa linda filosofia”, disse o carnavalesco da escola, Ric Garanhani.

 

“Esse título vai para nossa vice-presidente Nena Teixeira, que nos deixou depois de iniciar esse lindo trabalho. Nosso espírito é de muita alegria por ganhar esse pentacampeonato, mas também de agradecimento a ela. Foi muito empenho, que agora foi reconhecido”, disse o presidente da Mocidade Azul, Altamir Jorge Lemos.

 

A vice-campeã Acadêmicos da Realeza recebeu 179 pontos pela apresentação do enredo que conta a história da cachaça. O terceiro lugar ficou com a Enamorados do Samba, que totalizou 175,50 pontos

 

A apuração começou por volta das 17 horas, com as notas do grupo de acesso. Foram avaliados os quesitos bateria, fantasia, samba-enredo, alegorias e adereços, mestre-sala e porta-bandeira, comissão de frente, enredo, harmonia e conjunto.

 

O corpo de jurados foi formado por 18 personalidades do meio cultural: Vitor Mendes Rodrigues, Lourival Ferreira, Gilmar Carlos da Silva, Paulo César Maia Bitture, Nemésio Xavier França Filho, Edwin Ricardo Pitre Vasquez, Maria Cristina Assis Yamada Zambenedetti, Anne Brasil de Araújo, Maristela Reinehr, Olinto Alves Simões, Eliane Inakilevich Berger, Cláudio Fontan, Diogo Cavazotti Aires, Geslline Giovana Braga, Ademir Nelson Pereira da Silva, Leandro de Souza Leal, Luiza Aparecida Ferreira e Sonia Maria Estansk.

Notas Tristes

Uma das notas tristes do carnaval das escolas, foi o rebaixamento da Leões da Mocidade. A Escola homenageou lindamente o grande Mestre Waltel Branco.

Considerada uma das favoritas após os desfiles do Grupo Especial, a Enamorados do Samba acabou se complicandona apuração. É que um dos jurados teria pedido para que a porta-bandeira da escola girasse mais e, ao fazer isso, ela caiu, fazendo também baixar a nota da escola, que até entrou com recurso, mas teve o pedido indeferido e assim recebeu duas notas de 8,5 e 9, pontos que foram cruciais para deixá-la fora do páreo.

Seja o primeiro a comentar

Faça um comentário

Seu e-mail não será publicado.


*


oito − três =