Cassinos no cinema: cinco dicas para assistir

 

A cena é clássica. O protagonista, invariavelmente bem-vestido – num smoking, talvez – entra no luxuoso cassino. Lá, uma sensual mulher vai encontrá-lo. Ela pode ser uma femme fatale, ou talvez sua cúmplice. Seja como for, você está grudando na cadeira, porque sabe que vem uma sequência emocionante.

Com seu ambiente sofisticado e as luzes brilhantes dos jogos de slot, o cassino é um cenário perfeito para ambientar grandes filmes e mexer com nossa imaginação. Se você gosta de roletas e cartas na tela, veja aqui cinco boas dicas de obras inspiradas nesse universo.

007 Cassino Royale

A franquia do agente secreto inglês tem, na verdade, dois filmes com este nome, ambos livremente adaptados do livro homônimo de Ian Fleming. O primeiro, de 1967, já é mais objeto de estudo do que entretenimento. Então, a recomendação é a nova versão, de 2006. Foi a primeira obra que teve Daniel Craig no papel de James Bond – um pequeno escândalo, já que Craig é loiro, e o Bond tradicional é moreno. Superada a aparência, o longa é muito bom. O cassino aparece com discrição – apenas o bar e a mesa de poker, já que, pela trama, tratava-se de uma partida muito reservada. A curiosidade é que toda a sequência do jogo, que supostamente acontece em Montenegro, foi na verdade gravada na cidade de Karlovy Vary, na República Tcheca.

Cassino

Nesta produção de 1995, o tema do filme é o cassino Tangiers, em Las Vegas, e a disputa entre seu administrador e um membro da máfia. No meio de tudo, uma sensual socialite. Com uma produção cuidadosa, o título foi dirigido por Martin Scorcese, um especialista em filmes de máfia e que raramente erra. Ainda menos com o elenco fantástico – Robert De Niro, Sharon Stone e Joe Pesci. Boa escolha, que traz de brinde toda a estética glamourosa dos anos 90 do século XX.

Onze homens e um segredo

O primeiro filme da trilogia estrelada por George Clooney e Brad Pitt traz um grupo de sofisticados ladrões que planejam roubar três cassinos de Las Vegas (Andy Garcia). No meio do caminho, porém, existem vários obstáculos. Divertido e magnético, é impossível não torcer pelos bandidos. No terceiro título da franquia, a gangue volta a Las Vegas e aplica um novo rombo, desta vez em um dono de cassino incrivelmente parecido com um ex-presidente americano.

Quebrando a banca

Antes de ser cancelado, em 2008, Kevin Spacey fez este filme no qual ele é um professor universitário que recruta e treina alunos para dar golpes em cassinos de Las Vegas. O esquema funciona bem, até que não mais. A grande curiosidade é que a história é baseada em fatos reais e, na verdade, o método utilizado na obra – ou parte dele – não é ilegal.

Maverick

Para terminar, um filme antigo – de 1994, olha aí o glamour novamente. Estrelado por Mel Gibson pós Máquina Mortífera e pré Paixão de Cristo e Jodie Foster mocinha, roubando o papel que seria de Meg Ryan. Gibson é um jogador-trambiqueiro que tenta participar de uma mão de poker milionária, que pode resolver seus problemas para sempre. Jodie, por sua vez, é outra trambiqueira com sua própria agenda e, quando dois malandros se juntam… O cassino da história é dos mais curiosos – um barco a vapor, daqueles com enormes rodas de madeira na popa. O que não é ficção, porque estes barcos-cassino realmente existem.

E um brinde…

As cinco dicas acima têm o cassino como tema central. Mas há um filme que, embora não se passe no estabelecimento, está bem próximo. Se beber não case (2009) é uma deliciosa comédia de erros ambientada em Las Vegas. Tigres, bebês, dentes arrancados e um amigo sumido são algumas das desventuras de um grupo de amigos que decide realizar uma despedida de solteiro na “cidade do pecado”. Participação especial de Mike Tyson no papel dele mesmo. Difícil não rir com as desgraças alheias, ainda mais em um lindo cenário repleto de luzes de neon.

 

Seja o primeiro a comentar

Faça um comentário

Seu e-mail não será publicado.


*


dois × quatro =