29 de março nascia João de Barro

 

Carlos Alberto Ferreira Braga, Braguinha, João de Barro (Rio de Janeiro, RJ, 1907 – Idem, 2006). Compositor, cantor e produtor. É conhecido principalmente por suas marchinhas carnavalescas, mas também compôs músicas infantis, canções para festas juninas e sambas. Sua infância e adolescência são vividas no bairro de Vila Isabel, posteriormente, reside na Gávea, em Botafogo e em Copacabana. Não tem instrução formal em música, aprende com Henrique Brito, um colega do Colégio Batista, noções básicas de violão. Com esse professor e mais três colegas formam um conjunto musical, cujas apresentações são realizadas no colégio, em clubes e casas de amigos. O milionário Eduardo Dale, diretor da casa Pratt, que vendia máquinas de escrever, vê o conjunto tocando no Colégio onde a filha estudava e os convida para tocar em sua residência, uma mansão que se chamava Flor do Tempo, nome que também, batiza o conjunto de Braguinha.

Posteriormente, Henrique Foréis Domingues, o Almirante, integra o Flor do Tempo, substituindo o pandeirista. A partir de 1929, o grupo se amplia e assume, por sugestão de Braguinha, o nome de Bando de Tangarás. Essa nova formação conta com Henrique Brito, Álvaro Miranda, Almirante, Noel Rosa e Carlos Braga. Braguinha propõe ainda que cada membro adote o nome de um pássaro, mas ele é o único que passa a usar o pseudônimo de João de Barro, que também é referência ao curso de Arquitetura, freqüentado por ele na Escola Nacional de Belas Artes e que abandona em 1931 para dedicar-se exclusivamente à música.

O Bando de Tangarás dura até 1933, e seus integrantes seguem em carreira solo ou passam a trabalhar com novos parceiros. O compositor começa a compor uma série de marchinhas carnavalescas. Em 1938, lança Pastorinhas, parceria com Noel Rosa, e Touradas em Madri e Yes! Nós Temos Banana, com Alberto Ribeiro , marchinhas que praticamente o consagram nesse gênero.

Apesar da variedade de parceiros, a partir de 1935, João de Barro compõe mais constantemente com Alberto Ribeiro da Vinha. Os dois se conhecem por intermédio do diretor da Loja Melodia, Vicente Mangione, a quem costumam apresentar suas composições. Por conta do convite de Mangione, ambos começam a trabalhar juntos para produções cinematográficas do americano Wallace Downey.  Neste mesmo ano, lançam Deixa a Lua Sossegada que, gravada por Almirante, foi a primeira de uma série de composições e sucessos da dupla.  Tem gato na tuba (1947), Chiquita Bacana (1949).

Seu trabalho não se resume à produção fonográfica, sendo relevante sua participação no cinema brasileiro. Além das composições para filmes, trabalha como roteirista e produtor, a exemplo da comédia musical, dirigida por Ruy Costa, Banana da Terra de 1939, na qual divide o roteiro com Mário Lago. No cinema, também é criador de versões musicais para filmes infantis a exemplo de Branca de Neve e os Sete AnõesPinóquioDumbo. Seus trabalhos na dublagem desses filmes da Disney receberam o reconhecimento pessoal do próprio Walt Disney. Mas esta faceta de sua arte é pouco conhecida, sendo incontestavelmente as suas marchinhas e sambas a parcela mais lembrada de sua obra.

Ao longo de sua trajetória dedica-se à luta pelos direitos autorais dos artistas, tomando parte na fundação da Associação Brasileira de Compositores e Autores (ABCA). Em 24 de Dezembro de 2006, falece no Rio de Janeiro, e deixa uma extensa obra que ultrapassa 400 títulos.

 

Comentário crítico

Carlos Alberto Ferreira Braga, o João de Barro ou Braguinha, é autor de uma das mais significativas musicografias da produção popular no Brasil. Sua obra atravessa gerações de interpretes, com gravações dos cantores da era do rádio aos contemporâneos, como por exemplo, Andaluzia, lançada por Silvio Caldas em 1946 e por Maria Bethânia em 1965; Fim de Semana em Paquetá (com Alberto Ribeiro), gravada por Nuno Roland em 1947 e Wilson Simonal, em 1967; A Saudade Mata a Gente, uma parceria com Antonio Almeida, gravada por Dick Farney em 1948 e por Nara Leão em 1975, além de Nelson Gonçalves e Milton Nascimento em 1987 e Emílio Santiago em 1995.

 

Seja o primeiro a comentar

Faça um comentário

Seu e-mail não será publicado.


*


oito + um =