DVD traz cena musical histórica brasileira

 

Passados 36 anos das filmagens, só agora o público brasileiro terá o privilégio de ver cenas que japoneses e europeus já conhecem há tempos. Cenas que impressionam por reunir os mestres Pixinguinha, João da Baiana e Baden Powell; por reunir os então jovens Paulinho da Viola e Maria Bethânia; e por reunir Bethânia e craques do samba-jazz, como Raul de Souza e Luiz Carlos Vinhas.

 

São imagens de importância rara na música brasileira não só por mostrarem Pixinguinha e João da Baiana, cujos registros visuais são escassos. As interpretações nunca constaram de discos. O que se cantou e tocou ali não saiu em nenhum outro lugar.

 

Esse ineditismo de quase quatro décadas está sendo finalmente superado com o lançamento pelo selo Biscoito Fino do DVD “Saravah”, documentário dirigido pelo cantor e compositor francês Pierre Barouh. O DVD já havia sido lançado no Japão e na Europa.

 

Pixinguinha (1897-1973), João da Baiana (1897-1974), Baden (1937-2000), Paulinho, Bethânia e o próprio Barouh são as estrelas de “Saravah”, gravado no Rio durante três dias de fevereiro de 1969. Para o lançamento, a gravadora trouxe Barouh ao Brasil, onde participará de noite de autógrafos em São Paulo e no Rio (veja locais e horários abaixo).

 

Em entrevista à Folha ontem, Barouh relembrou as circunstâncias que o levaram a fazer o documentário. Admirador da música brasileira, o cantor havia estado aqui pela primeira vez em 1959. Na metade dos anos 60, havia morado por seis meses em uma casa na então deserta praia de Itaipu (Niterói, cidade a 15 km do Rio). Em 1966, estourara na Europa com “Saravah”, a versão em francês do “Samba da Bênção”, umas das composições célebres da parceria Baden-Vinicius de Moraes.

 

Foi por intermédio de Baden, já então seu parceiro na canção improvisada “Saudade”, que Barouh conheceu Pixinguinha e João da Baiana. Paulinho da Viola e Bethânia já eram seus amigos. Na ocasião, ele estreava como documentarista. Nunca filmara nada. Ao chegar ao Rio, procurou Baden, “que era mais do que um amigo, era um irmão”.

 

“Foi tudo de improviso. Eu tinha três dias para filmar. Não tive tempo de preparar nada”, contou.

 

O improviso fica evidente ao se assistir ao filme, de 62 minutos (mais 30 minutos de extras). A descontração e a espontaneidade são as marcas da obra.

 

Em um bar suburbano, acontece o raro encontro de três expoentes da música brasileira. Pixinguinha ao saxofone, Baden ao violão e João da Baiana conversam e interpretam “Lamentos”. A canção de Pixinguinha, com a letra de Vinicius de Moraes, também aparece no filme na interpretação de Baden e da cantora Márcia.

 

Pioneiro do samba, João da Baiana interpreta “Okekerê”, de sua autoria, e “Yaô”, de Pixinguinha e Gastão Vianna. Com Baden ao violão, ele toca prato e faca, sua marca como ritmista.

 

Bethânia, aos 22 anos, e Paulinho da Viola, aos 26, gravaram em um bar na areia de Itaipu. Ele, sem camisa. Ela, de tomara-que-caia vermelho e cabelos alisados. Juntos, cantam, de Paulinho, “Coração Vulgar”, “Minhas Madrugadas” (com Candeia) e “Coisas do Mundo Minha Nega”, mais “Pranto de Poeta” (Nelson Cavaquinho-Guilherme de Brito), “Pecadora” (Jair do Cavaquinho-Joãozinho da Pecadora), “Rosa Maria” (Aníbal Silva-Eden Silva) e “Tudo É Ilusão” (Aníbal-Eden-Tufy Lauar). Tudo intercalado por conversas e risadas.

 

Bethânia aparece ainda ao violão, acompanhando-se em “Frevo Nº 1 do Recife” (Antônio Maria) e “Pra Dizer Adeus” (Edu Lobo-Torquato Neto). Com um conjunto onde se destacam o trombonista Raul de Souza e Luiz Carlos Vinhas (1940-2001) ao piano, ela canta, do irmão Caetano Veloso, “Baby” e “Tropicália”.

 

O filme ficou pronto naquele ano. Chegou a ser exibido na TV francesa. Depois, foi esquecido até ser descoberto pelos japoneses. Barouh, que já esteve no Brasil pelo menos umas dez vezes, tem entre seus amigos o cineasta Walter Salles Júnior, o compositor Sivuca (seu parceiro em duas composições) e o escultor Franz Krajcberg. Paulinho e Bethânia ele não encontra há pelo menos 20 anos. Ele espera, desta vez, ter a oportunidade de revê-los.

 

 

Saravah (DVD)

Direção: Pierre Barouh

Lançamento: Biscoito Fino

Quanto: R$ 35 (em média)

Quando: autógrafos, dia 6, a partir das 19h, na Fnac (av. Pedroso de Moraes, 858, SP, tel. 0/ xx/ 11/4501-3000); dia 7, às 19h30, na Livraria da Travessa de Ipanema (r. Visconde de Pirajá, 572, Rio, tel. 0/xx/21/ 3205-9002)

Author: Redação

Share This Post On