Pesquisa resgata cultura de comunidade quilombola

comunidade quilombolaNem só da prática de subsistência e do artesanato vivem algumas comunidades quilombolas do estado do Rio de Janeiro. A do Campinho da Independência, localizada na cidade histórica de Paraty, vem buscando resgatar as práticas culturais de seus ancestrais para que as futuras gerações não percam sua identidade.

Para fortalecer esse movimento, a antropóloga Carla Dias – que à época do trabalho estava na Pontifícia Universidade Católica (PUC-Rio) e hoje é pesquisadora da Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ) – desenvolveu o projeto O caminho das coisas – Estética e cultura em uma comunidade quilombola, apoiado pela FAPERJ, por meio do Auxílio à Pesquisa (APQ 1).

O objetivo principal do trabalho foi reconhecer, entre as práticas e saberes locais, os caminhos atuais da tradição e da cultura quilombola. Este foi o foco das discussões, articulações e base de todas as ações, previamente negociadas com a Associação de Moradores do Campinho (AMOC). A estratégia assumida pela equipe foi a de utilizar as práticas construtivas e os meios de representação plástica e gráfica como instrumentos de interação social.

Para tanto, foi desenvolvida uma série de oficinas, como as de construção com bambu, desenho de observação, ilustração, animação e fotografia. Com isso, pretendia-se promover a aproximação entre os grupos, misturando pesquisadores, estagiários, integrantes da comunidade e as crianças participantes das oficinas.

Na primeira semana da pesquisa, Carla e sua equipe começaram o trabalho com uma oficina de desenho.

– Decidimos iniciar com esta atividade para conquistar a confiança dos pequenos e entender o que era significativo para eles naquele espaço. Tudo o que aparecia nos desenhos se confirmou em nossas conversas com as crianças. Quando perguntávamos sobre o local de sua moradia, por exemplo, as respostas eram “depois de uma árvore, depois da igreja”. Pudemos perceber, assim, que todos aqueles marcos territoriais estavam ligados ao que tinha muito valor para aquelas crianças – explica.

Na oficina de construção com bambu, as crianças aprenderam a erguer uma casa. Mas desconstruir também fez parte do projeto. Contudo, a oficina mais surpreendente foi a de fotografia. Com todo o grupo dividido em duplas, um ficava com a máquina e o outro com planilha e papel, para anotar tudo o que fosse fotografado. Depois de uma hora, as crianças revezavam seus papéis.

– O resultado foi maravilhoso. Elas nos surpreenderam porque aprenderam rapidamente a utilizar as máquinas digitais e todos os seus recursos. A princípio, os pesquisadores foram bastante fotografados. Depois, elas também se fotografaram, capturavam partes distintas do corpo. Achei esse detalhe importante: era como se usassem aquele recurso para se ver. Árvores, estradas e cachoeiras também foram imagens recorrentes, fotografadas de ângulos muito distintos e interessantes – entusiasma-se a antropóloga.

De acordo com a pesquisadora, depois da estada na comunidade, quando viram o resultado, todos ficaram simplesmente maravilhados com a quantidade de informações obtidas.

– Enquanto estávamos no Campinho, não pudemos ver todas as fotografias. Também não imaginávamos que encontraríamos tantos vídeos. Um aspecto curioso, que eu particularmente não esperava, foi ter encontrado tanta foto de céu aberto – conta.

Outro ponto importante que ela pode perceber foi a preocupação das crianças em mostrar seu próprio universo aos pesquisadores.

– Em um dos vídeos, havia um diálogo entre duas meninas: “Vamos correr, porque a gente precisa mostrar tudo o que temos aqui.” Achei curiosa a preocupação que as crianças tiveram em revelar, com seu olhar, tudo o que era importante para elas – detalha

A antropóloga também descreve outro trecho de vídeo que achou interessante.

– Um menino levou a máquina para casa e filmou a novela que passava na televisão. No banheiro, ele capturou o encanamento, a descarga, o vaso sanitário, a caixa-d’água. Na verdade, ele se preocupou em nos mostrar objetos que, para ele, significavam valores. E eu pude refletir sobre como objetos considerados triviais para muitos, como uma simples caixa d’água, pode ter um significado estético. Pude perceber que aquilo era de uma beleza surpreendente para aquela criança. E não é o valor em termos funcionais. Na verdade, acabamos vendo beleza em objetos que jamais imaginamos, em movimentos do corpo, na maneira desse andar, no modo de construir, no uso cotidiano das coisas e formas que eles valorizam. Tudo isso, na verdade, nos fala do significado que essas crianças atribuem às coisas – explica a pesquisadora.

Essas crianças vivem entre dois mundos diferentes. Um deles caracterizado pela vida na comunidade, carregada de histórias, heranças culturais e natureza. O outro representado pelo lado externo, pela cidade de Paraty, nas proximidades, e capturado pelas telas de televisão. Mundos diferentes, mas que, pelo menos entre as cerca de 30 crianças que participaram das oficinas, parecem não entrar em conflito. Nenhum desenho animado ou anúncio de brinquedo de última geração parece desviar a atenção dos pequenos quando o assunto é colher e comer jaca, sua brincadeira predileta.

– Um dia, caminhando com as crianças para iniciarmos mais uma oficina, uma delas avistou uma jaqueira carregada. Elas não pensaram em mais nada, inteiramente mobilizados em subir na árvore e pegar as frutas. A meninada tem uma técnica toda especial para pegar jaca. Quando eu digo que isso é brincadeira, é porque eles fazem isso juntos, rindo, conversando. E também saboreiam a fruta juntos, como se fosse uma festa. Naquela ocasião, eles comeram, por incrível que pareça, dez jacas – conta.

Da permanência da equipe na comunidade, resultou uma vasta quantidade de pinturas e desenhos animados, feitos a partir dos registros de vídeo e fotos clicadas pelas crianças e pelo grupo de pesquisadores, além dos depoimentos gravados em vídeo. Com base nesse material, foram produzidos o livro de fotografias O Olhar das Crianças da Comunidade do Campinho, com falas das crianças apresentando o lugar e sua cultura, além de um conjunto de painéis em tecido, sobre temas determinados pela associação de moradores, intitulado Movimento Quilombola, Griôs, Sustentabilidade, Cultura, Território e Nova Geração, para exposição.

http://www.abn.com.br/noticias_anteriores1.php?id=55532

    Author: Redação

    Share This Post On

    2 Comentários

    1. uHvzej Enjoyed every bit of your blog article.Thanks Again. Will read on…

    Enviar um comentário

    O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *