‘MARTA QUIS ATIRAR EM DEUS E ACERTOU O PADRE’, DIZ MINISTRO DA CULTURA

Empossado nesta segunda-feira (12/01), como ministro da Cultura, Juca Ferreira rebateu as declarações da antecessora, a senadora Marta Suplicy(PT-SP), segundo ele motivadas por “mau humor”. “Eu sou um alvo eventual. Ela [Marta quis atirar em Deus e acabou acertando no padre de uma paróquia”, disse o ministro. “O problema dela é com o PT, com a presidente da República e com o desejo já de algum tempo de ser candidata. Ela está manifestando um mau humor.”

Juca foi acusado por Marta de ter cometido “desmandos e irregularidades” em sua primeira passagem pelo Ministério da Cultura (MinC). O novo titular da pasta disse ter se sentido “agredido” pela “irresponsabilidade” da senadora, que também fez críticas ao governo Dilma Rousseff, ao ministro da Casa Civil, Aloizio Mercadante, e ao presidente do PT, Rui Falcão. “Me senti agredido com a irresponsabilidade como ela tratou uma pessoa honesta, com quase 50 anos de vida pública e que não tem um desvio sequer”, afirmou Juca, pouco depois da cerimônia de transmissão de cargo.

Como mostrou hoje o jornal O Estado de S. Paulo, Marta enviou à Controladoria-Geral da União (CGU) documentos sobre supostas irregularidades em convênios da Cinemateca, órgão vinculado ao MinC com sede em São Paulo. O valor dos contratos soma R$ 105 milhões.
Em resposta às críticas da antecessora à sua gestão no MinC, Juca devolveu em moeda semelhante, e afirmou que Marta não foi uma ministra tão boa quanto foi prefeita de São Paulo, entre 2001 e 2004.

“Quando voltei do exílio, a Marta tinha um programa de televisão e eu fiquei fã dela pela coragem dela em defender a sexualidade feminina e o direito do orgasmo, coisa que era um tabu no Brasil. Tinha toda uma campanha contra ela, depois minha admiração cresceu quando ela foi prefeita de São Paulo, foi uma boa prefeita”, comentou Juca.

“Agora, como ministra eu não tenho uma avaliação, mas estou recebendo os resultados da comissão de transição e eu diria que não foi tão boa quanto ela foi prefeita da cidade. Ela se voltou contra mim – porque na verdade eu não estou na linha de tiro dela, vocês viram a entrevista do Estadão que não é comigo o conflito -, é porque eu fui mais aplaudido do que ela em um evento cultural”, disse Ferreira.

O ministro afirmou que não pode ser punido pela sua popularidade. “Isso (a recepção positiva) são pessoas que reconhecem o trabalho que foi feito no governo do presidente Lula e queriam que essa politica continuasse, e veem em mim uma possibilidade de continuidade. Eu não posso pagar por isso”, comentou Ferreira. Questionado se as declarações da petista não seriam uma forma de revanchismo, o ministro respondeu: “Não sei, o nome quem bota é vocês [dirigindo-se aos repórteres].”

Petistas
Os deputados petistas Jorge Bittar e Alessandro Molon, ambos do Rio de Janeiro, criticaram as declarações de Marta. Bittar afirmou que a entrevista é “um desastre total”. “As críticas que ela (Marta) faz têm muito mais a ver com a sucessão paulistana do que com os grandes temas nacionais”, disse. “Isso nos cria um problema grave pela dimensão que ela tem”.

Na entrevista, Marta chama Mercadante de “inimigo do Lula” e diz que Falcão traiu o partido. Ela também acusa Juca Ferreira, seu sucessor na pasta da Cultura, de ter promovido “desmandos e irregularidades” quando comandou o ministério pela primeira vez.

Dentro do PT, o gesto de Marta foi interpretado como uma sinalização clara de que ela pretende deixar a legenda para se candidatar à prefeitura de São Paulo em 2016. Sobre o tema, Bittar avaliou que a saída de Marta não é “inevitável”, embora os “fatos sejam muito graves”. “Espero que se possa contornar”, disse.

Para Molon, o diretório nacional do PT deveria tomar uma posição oficial em relação ao “fogo amigo” de Marta. “É importante que seja uma posição do partido, para que não sejam posições individuais”, defendeu. Ele avaliou ainda que a recondução de Juca ao cargo é “um reconhecimento dos grandes avanços” alcançados quando ele foi ministro pela primeira vez.

“Bela história”
O ministro-chefe da Casa Civil, Aloizio Mercadante, disse que o novo ministro da Cultura, Juca Ferreira, possui uma “bela história” em defesa da área e evitou rebater as declarações da senadora. “Não vou falar sobre esse assunto”, desconversou Mercadante, ao ser indagado por repórteres sobre as declarações de Marta, depois da solenidade de transmissão de cargo no Ministério da Cultura. Mercadante afirmou que o novo ministro fez um “belíssimo pronunciamento” e possui uma “bela história em defesa da cultura”. “O discurso dele (Juca) fala tudo”, comentou Mercadante.

PSDB
O governador de São Paulo, Geraldo Alckmin (PSDB), afirmou que a movimentação em torno da sucessão à Prefeitura de São Paulo, que começa a entrar em pauta com mais força depois da entrevista da senadora ao jornal O Estado de S. Paulo, não vai alterar os planos de seu partido com relação ao processo eleitoral.

Indagado se esse posicionamento de Marta poderia forçar outros partidos, como o PSDB, a antecipar as discussões sobre a sucessão municipal, Alckmin disse: “Não pressiona em nada porque cada um tem o seu tempo”.

 

Fonte

    Author: Redação

    Share This Post On

    Enviar um comentário

    O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *