Há cem anos, voto feminino era atacado como absurdo. Veja charges

aa1

Cem anos atrás, as mulheres dos Estados Unidos conseguiram direito ao voto. Foi a vitória das chamadas “sufragistas”, que de certa maneira foram as primeiras feministas do século vinte. Assim como acontecia em outros países, elas protestavam para conseguir igualdade de cidadania.

 

 

Há cem anos, voto feminino era atacado como absurdo. “Enfim, paz”, diz a charge estampada no jornal da época.Há cem anos, voto feminino era atacado como absurdo. “Enfim, paz”, diz a charge estampada no jornal da época. A “universalização” da cidadania, prometida desde a Revolução Francesa, sempre tinha sido pela metade: só para os homens. Mas no início do século 20, principalmente depois da Primeira Guerra, quando as mulheres foram chamadas a assumir tantas outras funções, isso deixou de fazer sentido.

 

No entanto, o conservadorismo atacava o movimento das “sufragettes” com violência. As charges abaixo, recolhidas pelo Old Pics Archive, mostram como o machismo via as militantes.

 

a1

“Aos 15, um amor. Aos 20, uma coquete. Aos 40, ainda não se casou. Aos 50, uma sufragista.

 

a2

“Quem falou em divórcio?”

 

 

a3

“Enfim, paz”

 

a4

“Dia de eleição!”

 

 

a5

“A mulher masculina

Ela é masculina do chapéu ao sapato

Casaco, camisa de colarinho e gravata.

Ela usaria calças na rua

Para completar a figura

Mas sabe que a lei não toleraria.”

 

a6

 

 

“Não se preocupe. O pior está por vir.”

 

a7

“Minha mulher entrou para o movimento sufragista. (Tenho sofrido desde então!)”

 

 

a8

“A vida é um problema depois do outro.” Na parede, um cartaz diz: “O que é um lar sem uma sufragista?”

 

a9

“O lugar da mulher é na casa dela.”

 

a10

“O que eu faria com as sufragistas.”

a11

“Quebra-cabeça: encontre o chefe da casa.”

a12

“Ninguém me ama – acho que vou ser sufragista.”

 

a13

“Sufragistas que nunca foram beijadas.”

a14

“Sufragistas atacando um policial.”

 

 

 

 

Fonte: Gazeta do Povo

 

    Author: Braisil Cultura

    Share This Post On

    Enviar um comentário

    O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *