Cultura: mercadoria ou bem comum?

Todo o programa neoliberal, assim como o diagnóstico que levou a ele, pode ser sintetizado em um ponto: desregulamentar. O diagnóstico de por que a economia tinha parado de crescer, depois do ciclo mais longo de expansão capitalista no segundo pos-guerra, se centrou no suposto excesso de regulamentação. O capital se sentiria inibido para investir, por estar cerceado por excesso de normas, leis, políticas, que bloqueariam a “livre circulação do capital”.

Chegado ao governo, o neoliberalismo se pôs a privatizar patrimônio público, a diminuir o tamanho do Estado, a abrir as economias nacionais ao mercado internacional, a “flexibilizar” as relações de trabalho, entre tantas outras medidas padrão codificadas no chamado Consenso de Washington e colocadas em prática por governos às vezes com origens ideológicas distintas, mas todos rendidos ao “pensamento único”. Todas elas são formas de desregulamentação, de retiradas de supostos obstáculos à circulação do capital.

Quando se privatizam empresas, se está levantando obstáculos para que o capital privado se aproprie delas, se está desregulamentando o mercado de propriedade de empresas. Quando se aceita a não obediência a normas básicas da legislação do trabalho para contratar trabalhadores, se está desregulamentando o mercado de trabalho. Assim para todas as medidas do receituário neoliberal.

Promoveu-se assim, rapidamente, o maior processo de concentração de riqueza que tínhamos conhecido, tanto a nível nacional, quanto mundial. Sem proteções dos Estados, os mais frágeis, os mais pobres – a grande maioria de cada sociedade, em especial as periféricas, – se viram indefesos diante das ofensivas do capital e dos Estados centrais do capitalismo.

Direitos, como aqueles à educação e à saúde, foram deixando de ser direitos para se transformar em mercadorias, compráveis no mercado. Quem tem mais recursos, compra mais e melhor, em detrimento de quem não tem. Riquezas naturais, como a água passaram a ser mercadoras, compradas e vendidas.

O Estado, principalmente nas suas funções reguladoras – de afirmação dos direitos contra a voracidade do capital – passou a ser vítima privilegiada dos ataques neoliberais, pregando-se o “Estado mínimo” e a primazia do mercado, isto é, da concorrência feroz, em que os mais fortes e mais ricos ganham sempre.

Até a cultura foi vítima de um grande embate, para definir se se trata de uma mercadoria mais ou de um bem comum. Do ponto de vista institucional o debate se deu para definir se a cultura deveria ser objeto da Organização Mundial do Comércio (OMC) e, portanto, uma mercadoria a mais, ou no âmbito da Unesco, considerada como patrimônio da humanidade, como bem comum, com as devidas proteções. Terminou triunfando esta segunda versão – apesar da brutal oposição e pressão dos EUA, que chegaram a se retirar da Unesco.

Foi um momento muito importante de resistência ao neoliberalismo, que queria reduzir também a capacidade de cada povo, de cada nação, de cada setor da sociedade, de afirmar suas identidades específicas, dissolvidas pela globalização. Queriam desregulamentar também a cultura, deixá-la ao sabor das relações de mercado, sem proteção de regulações estatais.

Mas o embate não terminou por aí, porque o poder avassalador dos capitais privados, nacionais e internacionais, é um fluxo permanente, cotidiano, buscando expandir seu poder de mercantilização. As TVs públicas, por exemplo, se debilitam no seu papel diferenciado dos mecanismos de mercado que regem as TVs privadas, enfraquecidas pela falta de financiamento, apelam ao mercado e induzem seus mecanismos – como aconteceu tristemente com a TV Cultura de São Paulo.

Programas como o de Pontos de Cultura, do MINC, surgiram na contramão dessa lógica homogeneizadora da globalização na esfera cultural, buscando incentivar e proteger todas as formas de diversidade de cultural, de afirmação da heterogeneidade das identidades de setores sociais, étnicos, regionais, diferenciados.

Muitos outros debates atuais hoje no Brasil – o dos Commons, da propriedade intelectual, dos direitos de autor – são também objeto de duas concepções diferenciadas, uma regulamentadora – anti-neoiberal – outra desregulamentadora, neoliberal, mercantilizadora. No marco mais geral do embate entre neoliberalismo e posneoliberalismo, é que a natureza das posições fica mais clara. Por um lado, as normas protetoras que consideram a cultura como um bem comum, de outro, a desregulamentação, que a consideram uma mercadoria como outra qualquer. Do seu desenlace depende a natureza da cultura no Brasil na segunda metade do século XXI.

Postado por Emir Sader

    Author: Redação

    Share This Post On

    2 Comentários

    1. OJ5UBT Really informative blog article.Much thanks again. Cool.

    2. drT4kb Major thanks for the blog post.Really looking forward to read more. Keep writing.

    Trackbacks/Pingbacks

    1. taser - Title... [...]below you will discover the link to some web pages that we assume you should visit[...]...
    2. AirBrothers RC models Club - Title... [...]usually posts some really interesting stuff like this. If you are new to this site[...]...
    3. where to get free credit report - Title... [...]just beneath, are numerous absolutely not connected web pages to ours, even so, they are certainly worth going over[...]...
    4. tampa music schools - Title... [...]one of our guests not too long ago proposed the following website[...]...
    5. high salary tips - Title... [...]usually posts some quite intriguing stuff like this. If you’re new to this site[...]...
    6. buy YouTube views - Title... [...]Every once inside a whilst we pick out blogs that we read. Listed beneath would be the most up-to-date sites …
    7. http://bit.ly/18F9KpF - Title... [...]The NSA spies on Americans. So do Big Businesses. But so do average Americans. No ones information is safe. I …
    8. Chinese bawu flute - Title... [...]The information mentioned within the article are a few of the best readily available [...]...
    9. wordpress templates - Title... [...]the time to study or pay a visit to the material or sites we've linked to beneath the[...]...
    10. best small business ideas - Title... [...]check beneath, are some absolutely unrelated sites to ours, having said that, they may be most trustworthy sources that we …
    11. 5htp for weight loss - Title... [...]Here are several of the websites we advocate for our visitors[...]...
    12. Brustvergr��erung - Title... [...]Wonderful story, reckoned we could combine several unrelated data, nonetheless seriously really worth taking a look, whoa did a single …
    13. Peru tours - Title... [...]Here are some of the websites we advocate for our visitors[...]...
    14. Masturbation xxx videos - Title... [...]below you will discover the link to some websites that we feel you'll want to visit[...]...
    15. Tonita Pellegrini - Title... [...]Wonderful story, reckoned we could combine a handful of unrelated data, nonetheless actually worth taking a look, whoa did one …
    16. web hosting - Title... [...]very few web-sites that happen to become detailed beneath, from our point of view are undoubtedly properly really worth checking …

    Enviar um comentário

    O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *