À Procura da Beleza

 

 

 

Mais do que propriamente uma história da beleza ou um ensaio sobre estética, o livro organizado e, em parte, escrito por Umberto Eco é uma antologia crítica de textos de filósofos, historiadores e poetas, com mais de 300 ilustrações, que reconstituem o desenvolvimento da idéia de beleza ao longo dos séculos. É uma espécie de guia de artistas, obras de arte e textos que ajudaram a definir os traços característicos daquilo que chamamos de belo – uma genealogia da beleza na cultura ocidental, de suas manifestações artísticas e de seus entrelaçamentos com diferentes aspectos da vida cotidiana. Eco combina o tom simpaticamente didático do texto com uma profusão de ilustrações, que vão de figuras pré-históricas às cobiçadas imagens dos calendários da Pirelli. O nome de Umberto Eco volta a se associar assim aos estudos estéticos e semiológicos feitos pelo autor nos anos 60 e 70, em livros como “Obra Aberta” e “A Estrutura Ausente”. Pois “História da Beleza” é sobretudo uma viagem pela História do Olhar, mais do que pela História da Arte.

Eco faz uma síntese inédita e multidisciplinar que inclui não só as artes visuais, a arquitetura e o design, mas também a música, a literatura e a dança. Trata-se, portanto, não só da arte e do pensamento, mas também do comportamento como fonte de beleza. A ambição de Eco não é enciclopédica. Ainda assim, trata-se de um projeto ambicioso e difícil, já que a própria noção de beleza tem muito de vago e subjetivo. É um território de fronteiras difusas e cambiantes, determinadas social e culturalmente, que não se deixa cartografar facilmente. O belo não é uma qualidade intrínseca de um objeto ou de uma pessoa e, sim, algo que se inscreve no olho daquele que vê, na mão daquele que toca, no ouvido daquele que ouve. Eco tenta identificar os casos em que uma determinada cultura ou época histórica reconheceram que há coisas que são agradáveis quando as contemplamos, independentemente do desejo que sentimos em relação a elas.

Eco não parte, portanto, de um conceito pré-estabelecido de beleza, mas faz uma súmula das coisas que os seres humanos já consideraram belas e nos ajuda, assim, a entender o que consideramos belo hoje, isto é, os mecanismos atuais da percepção. Quadros comparativos no início do livro mostram diversas representações de Vênus e Adônis, de Jesus, de reis e rainhas, traçando uma espécie de panorama das transformações e diferentes concepções do rosto, do corpo e da beleza humanos, pontuada por trechos de obras célebres de filósofos e estetas de todas as eras. São referências que “conversam” entre si e com as obras reproduzidas: diante do leitor desfilam Eurípedes, Platão, Picasso, Kant, Andy Warhol, Nietzsche, Hegel, Kafka, Roland Barthes, Rimbaud.

Em alguns momentos, História da Beleza segue um caminho algo previsível, quase parecendo que a sua ambição é a de ser um manual para estudantes. Ainda assim, as questões que o livro propõe – O que é a Beleza? O que é a arte? O que são o gosto e a moda? – geram reflexões sempre pertinentes. No capítulo referente à Grécia Antiga, Aristóteles, o autor da Poética, o primeiro texto teórico sobre arte, é estranhamente ignorado. Eco prefere realçar a relação entre a proporção divina e a desproporção humana, evocando Platão. Sua idéia de que o belo é entre todas as formas a mais sublime e importante persiste até os nossos dias para certos pensadores, críticos e artistas.

No século 18, fica claro que não é possível construir uma lógica que permita dominar cientificamente o território do belo, isto é, que a sua percepção tem raízes numa determinada cultura e num determinado tempo. É quando se reconhece o caráter subjetivo, incontrolável e assistemático da Beleza, tanto na natureza quanto na arte. Sabe-se, pelo menos desde Kant, que a experiência do belo nada acrescenta ao nosso saber, com ela não se aumenta o capital cognitivo do sujeito, ou seja, que com o belo entra-se num jogo livre e desinteressado: “O belo é aquilo que agrada de maneira desinteressada sem ser originado por um conceito ou a ele redutível: o gosto é, por isso, a faculdade de julgar desinteressadamente um objeto (ou uma representação), mediante um prazer ou um desprazer; o objeto desse prazer é o que definimos como belo”, escreve Eco. Já para interpretar a relação entre a beleza e o desejo, Eco toma como guia Baudelaire: “O sentido da Beleza é diverso do sentido do desejo. Podemos considerar alguns seres humanos belíssimos, mesmo que não os desejemos sexualmente, ou que saibamos que nunca poderão ser nossos. Se, ao contrário, se deseja um ser humano (que além do mais poderia até ser feio) e não se pode ter com ele as relações almejadas, sofre-se”.

A viagem de Umberto Eco termina nas contradições, dificuldades e aporias do século 20: “Imaginemos um historiador de arte do futuro ou um explorador que chegue do espaço a fazer esta pergunta: Qual é a idéia de beleza que domina o século 20?”, propõe. É esta descoberta que importa fazer, levando em conta a polifonia que o belo nos nossos dias apresenta. “O nosso visitante do futuro não poderá evitar outra curiosa descoberta. Aqueles que visitam uma exposição de arte de vanguarda, que (…) estão vestidos e maquiados segundo o modelo de beleza proposto pelas revistas impressas em papel couché, pelo cinema, pela televisão, isto é, pelos mass media, seguem os ideais de beleza propostos pelo mundo do consumo comercial, aquele mesmo contra o qual se bateu a arte das vanguardas. Como interpretar esta contradição? Sem procurar explicá-la: ela é a contradição típica do século 20”. Esse visitante será obrigado a render-se diante de uma orgia de tolerância, de sincretismo total, de absoluto e irrefreável politeísmo da beleza. Diferentemente de outras épocas, em nosso tempo há uma tolerância a ideais de beleza diferentes: basta andar pelas ruas para perceber que hoje coexistem diversos ideais do belo. Mas Eco também adverte: para muitos, essa tolerância se transformou em indiferença, e nesse ponto o politeísmo da beleza pode se converter num ateísmo da beleza.

 Por Luciano Trigo

 

 

Luciano Trigo é jornalista, escritor e autor de “Engenho e Memória”, “O Globo/ Grandes Entrevistas – Os Escritores”, entre outros.

 

    Author: Redação

    Share This Post On