XII Bienal Internacional do Livro

 

 

 

 

 

A história secreta da espionagem brasileira

Jornalista lança na Bienal do Livro uma pesquisa sobre o serviço secreto no Brasil, de Washington Luís a Lula

Nelson Gobbi

Uma história que reúne espionagem, crimes e mais de 70 anos de atividades ilegais de agentes secretos no Brasil. Ingredientes próprios das narrativas de ficção, na melhor tradição das aventuras encartadas em livros de bolso. Mas é tudo parte de “Ministério do Silêncio – A história do serviço secreto brasileiro de Washington Luís a Lula”, escrito pelo jornalista mineiro Lucas Figueiredo após sete anos de pesquisa.

Presente à XII Bienal Internacional do Livro do Rio para o lançamento de sua segunda obra, Lucas revelou detalhes da investigação na qual acumulou 26 quilos de documentos sigilosos e mais de 100 horas de entrevistas, concedidas principalmente por agentes secretos aposentados e da ativa. O jornalista, que também é autor de “Morcegos negros – PC Farias, Collor, máfias e a história que o Brasil não conheceu”, começou a se interessar pela história da espionagem nacional em 1998, quando era correspondente da Folha de São Paulo em Brasília:

“Na Capital conheci muitas fontes ligadas ao serviço secreto, que estavam dispostas a falar. Como percebi que havia uma carência de informações sobre o tema, decidi fazer o livro”, recorda-se.

A pesquisa de Lucas revelou fatos ignorados pela grande maioria da sociedade, que ainda continua relacionando a espionagem no Brasil ao Serviço Nacional de Informações, o temido SNI dos Anos de Chumbo após o golpe militar de 1964. Mergulhando no tema, o jornalista descobriu que a gênese do serviço secreto tupiniquim data de 1927, no governo Washington Luís.

“Entre 1927 e 1956 houve um período de gestação de um órgão público com a função de investigar cidadãos e fornecer informações sigilosas. Em 1946 foi criado o Sfici, o Serviço Federal de Informações e Contra-Informação, um órgão civil subordinado aos militares. Em 1956 o presidente Juscelino Kubitschek, cedendo às pressões de Washington, enviou uma missão aos Estados Unidos para montar um serviço secreto nos moldes da CIA, que daria origem ao SNI”, explica o jornalista.

Com a ditadura militar a espionagem brasileira chega ao auge, principalmente após a instituição do AI-5, em 1968.

“O serviço secreto já estava pronto para a repressão que aconteceria no período. E todo o presidente que assumia o governo era seduzido pela possibilidade de controlar e eliminar os adversários do regime”, diz o escritor.

Para Lucas, as principais diferenças entre o serviço secreto brasileiro e de países desenvolvidos como os EUA, a Alemanha e o Japão é a área de atuação. Segundo o jornalista, enquanto os espiões do primeiro mundo atuam fora de suas fronteiras, os agentes brasileiros priorizam os alvos domésticos:

“A CIA, por exemplo, comete barbaridades mundo afora, mas dentro da América não tem poder para investigar nenhum cidadão. Já no Brasil o serviço secreto é usado para investigações internas, principalmente de adversários políticos dos governantes de plantão. Essa é uma característica própria da espionagem dos países em desenvolvimento. Para os agentes, todo brasileiro é um inimigo em potencial e deve ser vigiado”.

Mesmo com o fim da ditadura o serviço secreto permaneceu, graças a sua autonomia em relação ao governo federal. O jornalista não vê motivos para a manutenção da Abin (Agência Brasileira de Inteligência) nos moldes em que se encontra:

“Se a Abin for extinta não fará falta nenhuma, porque não está voltada para os inimigos externos da nação. Acho inacreditável que exista um órgão federal com um orçamento anual de US$ 40 milhões e cerca de 1,7 mil funcionários para espionar cidadãos brasileiros”. .

 

Leia aqui mais sobre a Bienal do Livro…. 

 

Livraria Pontes: eldorado do futebol na Bienal
Jornalista lança na Bienal do Livro uma pesquisa sobre o serviço secreto no Brasil, de Washington Luís a Lula Pequenas notáveis na Bienal
Com bons títulos e criatividade, editoras menores tentam se destacar na feira

Editoras.gov
Estandes do Senado, da Biblioteca do Exército, do IBGE e do Centro de Documentação da Marinha se destacam na Bienal com livros baratos e de alto nível

Sobre Columbine, caipirinhas e capivaras
Na Bienal, o australiano DBC Pierre mostra desenvoltura com temas espinhosos Sonhos de criança
Três dos maiores escritores infantis juntos em coleção ilustrada por Ziraldo
Caio passarinho
Primeiro volume da obra completa do escritor gaúcho revela uma literatura que almejava à transcendência cósmicaNostalgia da luz
Ensaios discutem papel da imagemPennac na conexão Brasil-França
Um olhar estrangeiro nada convencional sobre o paísA música pode destruir o mundo
Romance de Lolita Pille narra o sonho da fama Marcelo Nóbrega O livro do infinito árabe
Edição brasileira diretamente de antigos manuscritos entra para a história das ‘Mil e uma noites’, um dos principais lançamentos da Bienal do Rio
Começa a festa da literatura
Sotaque francês e críticas ao governo na abertura da XII Bienal do LivroNo Rio, o papa do novo jornalismo
Tom Wolfe chega para a Bienal do Livro e diz que pensa em escrever um livro sobre a cultura brasileiraVamos aos livros
Maior feira de livros do país abre hoje no Rio a sua programação de debates, leituras, conferências e encontros com autoresVive les livres!
Expandida, a Bienal do Livro do Rio chega à 12ª edição e homenageia a FrançaIncorreto, amargo e ácido
Romance “Mamíferos”, do escritor francês Pierre Mérot, trata da experiência de ser homemInspiração verde-amarela
Entrevista: Jean-Christophe RufinEscritos de chegada e de partida
O angolano José Eduardo Agualusa lança seu primeiro livro de contos no BrasilRepresentação e transformismo Ficção salva a realidade em Bagdá
Ali Babá e Simbad se unem em sociedade internacional de resgate à fantasiaFonte: JB Online.

    Author: Redação

    Share This Post On