Velha-Guarda emociona a avenida

 

Integrantes da Portela são festejados no Desfle das Campeãs. Tijuca é recebida como vencedora do carnaval

 

 

 

 

Homenagens à Velha-Guarda da Portela e à vice-campeã, Unidos da Tijuca, marcaram o sábado de Desfile das Campeãs no Sambódromo. Convidados a participar da apresentação comemorativa na escola vencedora do carnaval deste ano, a Beija-Flor de Nilópolis, os componentes mais tradicionais da escola de Madureira, impedidos de entrar na passarela do samba na segunda-feira, foram recebidos com reverência pelos demais sambistas e pelo público da Marquês de Sapucaí. O clima de confraternização, no entanto, não abalou o orgulho portelense de compositores e pastoras.

– Eu preferia passar com a minha escola. Mas foi bom desfilar com a Beija-Flor, de quem a Portela é madrinha – disse Tia Surica, 64, ao fim do desfile.

O Desfile das Campeãs também foi especial para a Velha-Guarda da Mangueira, primeira escola da noite. Apesar do desfile com número reduzido de componentes, a emoção do desfile da verde-e-rosa foi garantida pela atitude dos 12 veteranos da Estação Primeira, que deixaram a comissão de frente e se deslocaram ao fim do desfile para ver toda a escola passar na avenida.

A Grande Rio, que ficou em terceiro lugar no Grupo Especial, também desfilou desfalcada. Já a Imperatriz Leopoldinense repetiu a boa apresentação, com elogios para as fantasias e alegorias. No Salgueiro, segunda escola a entrar na avenida ontem e quinta colocada no resultado final, as atenções foram divididas entre a musa Carol Castro, à frente da bateria, e a polêmica sobre a homenagem aos bicheiros Waldemir Paes Garcia, o Miro, e seu filho, Waldomiro Paes Garcia, o Maninho, mortos no ano passado. O telão com imagens dos dois ficou fora do desfile, já que o Ministério Público estadual investiga se houve apologia ao crime com a exibição de antigos desfiles dos dois contraventores. O filho de 16 anos de Maninho, quase impedido de desfilar, acabou entrando na avenida graças a uma liminar que derrubou a determinação para que ele não voltasse ao desfile. Ele veio ao lado da mãe, Sabrina Garcia – condição imposta pela Justiça.

A maior euforia da noite ficou por conta da vice-campeã. A Unidos da Tijuca, que ficou apenas um décimo atrás da Beija-Flor, foi recebida aos gritos de ”é campeã” e seu carnavalesco, Paulo Barros, foi saudado ao longo de todo o desfile. Barros não confirmou a informação de que recebeu convite de outra escola para o próximo carnaval.

– Até este momento, estou na Tijuca – despistou.

O presidente da Beija-Flor, Farid Abrahão David, não se surpreendeu com o apoio do público do Sambódromo à escola tijucana e disse que a Beija-Flor tem estrutura e vai ”lutar pelo tetra”. Farid é irmão de Anísio Abrahão David, presidente de honra da Beija-Flor, atual presidente do conselho da Liesa e já condenado por participação no jogo do bicho.

 

    Author: Redação

    Share This Post On