Secretário Sérgio Mamberti patrono do Festival de Dança

Entre os dias 8 a 17 de abril foi realizado em Berlim/Alemanha o 2º Festival da Dança Contemporânea Brasileira o “Move Berlim” onde a primeira representação do Ministério da Cultura aconteceu em 2003, com o atual Ministro Gilberto Gil como patrono do Festival acompanhado do Secretário Sérgio Mamberti quando ainda Secretário de Música e Artes Cênicas. Devido ao sucesso obtido na 1ª edição do “Move Berlim” o Secretário representou o Ministro Gilberto Gil como patrono da 2ª edição do Festival agora como Secretário da Identidade e da Diversidade Cultural do Ministério da Cultura.

O 2º Festival de Dança Contemporânea Brasileira “Move Berlim”, conquistou a atenção do público e da crítica, repetindo o sucesso da sua última edição, em 2003.

Sete coreógrafos e companhias de dança brasileiros (Wagner Schwartz, Luiz de Abreu, CIA. Balé de Rua, Grupo Cena 11 e Leonel Brum) apresentaram-se no teatro “Hebbel am Ufer”, um dos mais prestigiosos de Berlim. O público lotou a casa durante os nove dia do Festival.

Em 8 de abril. Discursaram, na ocasião o Secretário da Identidade e Diversidade Cultural Minc e patrono do Festival, Sérgio Mamberti, os diretores artísticos do evento, Wagner Carvalho e Björn Schlüter, e a representante do Senado de Cultura, Pesquisa e Ciência de Berlim, Adrianne Goehler. A Sra. Goehler, também Curadora do Fundo de Cultura da capital Alemã, foi responsável por significativo aporte de recursos por parte do governo da cidade, e mostrou-se grande entusiasta do projeto desde 2003.

A Repercussão do “Move Berlim” na imprenssa local foi ampla e, em geral muito positiva. Todos os principais jornais de Berlim, bem como as revistas de programação cultural da cidade, publicaram críticas e matérias informativas sobre o Festival, com destaque para o diário “Dia Tageszeitung” (tiragem de 60 mil de exemplares), que cobriu algumas das apresentação separadamente. No artigo “Não sem Nudez” (12/04), o jornal entrevista o Sr. Carvalho e avalia muito positivamente a idéia de “jogar com o olhar colonizador, combinando o exótico com o erótico”; “o sucesso de público do primeiro Festival deveu-se não só às apresentações mas ao fato de que aqui nada se sabe sobre a dança no Brasil”. O artigo “Serenidade e Euforia” (15/04) é um efusivo elogio à Cia. De Dança Balé de Rua, de Uberlândia, cuja apresentação “logo contagiou o público, que não conseguiu mais ficar quieto em suas cadeiras,”

O programa das duas primeiras noites inclui os polêmicos solos de Wangner Schwartz e Luiz de Abreu, que despertaram reações opostas na imprensa: ao lado das críticas favoráveis dos diários berlinenses “Berliner Morgenpost” e “Tagesspiegel” (tiragens de cerca de 150 mil), o crítico Oliver Gehrs, do “Frankfurter Rundschau” (tiragem: 190 mil), atacou o evento de abertura em seu artigo “Corra, Lula, Corra” numa alusão ao filme de Tom Tykwer e aos discursos, que “pareciam a apoteose de uma campanha eleitoral”. Por outro lado, o artigo “Silhuetas Negras”, no “Tagesspiegel” de Domingo,10/04, declarou não se poder imaginar uma “estréia mais feliz, mais programática e mais política” protagonizada por “dois solos furiosos, impetuosos” . O “Berliner Morgenpost”, em sua crítica “ A Carne Mais Barata é a Carne Negra” (10/04), trata sobretudo da “politização” do segundo Festival, chamado a apresentação de Luiz de Abreu de “samba contra o racismo” e referindo-se ao Secretário Sérgio Mambert como “mais um grande performaer no palco”. O importante “Berliner Zeitung” também publicou longo artigo de apresentação do Festival, anterior à estréia.

O Sr. Wagner Carvalho informou à Embaixada já estar em contato com instituições públicas e privadas além, tendo em vista o 3º “Move Berlim”, em 2007. Afirmou, ainda que o apoio do MinC ao projeto, na forma de 60 passagens aéreas para os artistas, foi indispensável para realização do Festival, inclusive porque o governo de Berlim exigiu contrapartida do setor público brasileiro para liberar seu patrimônio.

Em sua volta o Secretário Mamberti foi agraciado pelo Governador Aécio Neves (Minas Gerais) com a grande Medália da Inconfidência a mais alta comenda do Estado de Minas Gerais. Em cerimônia realizada na Praça Central de Ouro Preto, ao lado de autoridades como o Ministro da Fazenda Antonio Paloci, Secretário Geral da República Luíz Dulci e o Governador Geraldo Alckimin entre outros.

 

    Author: Redação

    Share This Post On