Petrobrás distribui R$ 45,5 milhões

 

A Petrobrás vai investir R$ 45,5 milhões em 171 projetos culturais selecionados entre 3.380 candidatos. Desta verba, R$ 23 milhões vão para produção e distribuição de filmes de longa-metragem, R$ 11 milhões para preservação de patrimônio, R$ 1 milhão para produção de curtas e R$ 4 milhões para produção musical e apoio a orquestras, corais e bandas. O resultado do edital foi divulgado ontem e, em comum, todas as áreas têm a preocupação de fazer circular os produtos (filmes, discos, livros, etc.) que resultarem desse patrocínio. Falta ainda sair o resultado da concorrência para artes cênicas, que terá R$ 3 milhões, e ficará a cargo da Fundação Nacional de Arte (Funarte). A empresa não informa quanto destina a cada projeto.

 

A descentralização foi o principal critério das escolhas e a gerente de patrocínio da estatal, Eliane Costa, lembrou que, dos 171 selecionados, 42% são do Rio e São Paulo e 58% de outros Estados. “Inverteu-se a equação do ano passado, quando 57% dos projetos vinham do Rio e São Paulo”, comentou ela na entrevista coletiva em que o resultado foi anunciado. Essa proporção, no entanto, se inverte na produção de longas-metragens, pois dos 24 projetos selecionados, 18 são de produtoras sediadas nas duas cidades, e os outros 6 se dividem entre Brasília, Rio Grande do Sul (2 filmes cada um), Pernambuco e Bahia (1 filme cada um).

 

“É natural, pois o mercado se concentra nas duas cidades, as salas de exibição e as pessoas que vão ao cinema também”, explicou o coordenador desta seleção, José Carlos Avellar. “Não cabe à empresa mudar as regras, mas o fato de as produtoras serem do Rio e de São Paulo não significa que os filmes serão rodados nessas cidades ou as tenham como tema ou cenário.”

 

A maioria dos longas escolhidos é de diretores com um ou mais títulos, embora todos tenham projetos que, a princípio, têm algum tipo de experimentação e/ou não perseguem as regras de mercado. É o caso de Diller Andrade, produtor dos filmes da Xuxa e dos Trapalhões, que produzirá o documentário Juízo, de Maria Augusta Ramos. No ano passado, ela lançou Justiça, que desvenda as entranhas do Fórum carioca de uma forma lancinante e original. Juízo é uma continuação, abordando a Justiça da Infância e Juventude do Rio de Janeiro. Lúcia Murat, outra contemplada, vai produzir um musical, gênero raro no País depois da era das chanchadas. Eu Prefiro a Maré é sobre dois jovens moradores da favela carioca do título.

 

Na área de música, mudou-se o foco, explicou o responsável pela área, o compositor e crítico José Miguel Wisnik. “Até aqui, nossa preocupação foi preservar a memória. Agora, fomos atrás da produção atual de artistas com trabalho consolidado, que ainda não encontram brechas no mercado. Não contemplamos os que conseguem passar essa barreira, porque a música comercial é uma indústria forte no Brasil e não precisa de patrocínio. Procuramos buscar a maior variedade de gêneros e alcançar todas as regiões, fazer mesmo uma radiografia da produção nacional. Não foi fácil escolher os 34 projetos entre mais de 500 (800 foram inscritos, mas 300 não atendiam ao regulamento). Há uma qualidade imensa na música que se faz neste país.”

 

A produção de discos ficou com R$ 3 milhões, e o leque tem da música eletroacústica de Goiás e Minas Gerais ao chorinho do carioca Maurício Carrilho, que vai gravar um disco autoral com a participação do percussionista Naná Vasconcellos. “Outra novidade deste ano é o financiamento de 31 grupos musicais (que receberão R$ 1 milhão), que vai da compra de instrumentos para orquestras e bandas a uniformes e fardamento para corais. Ao contrário do registro da produção contemporânea, este patrocínio é a longo prazo e não rende necessariamente um produto”, disse Wisnik. “A preservação da memória musical não foi esquecida. Entrou na rubrica de patrimônio material e imaterial.”

 

Esta recebe R$ 11 milhões, dos quais R$ 3 vão para a memória das artes (cênicas, plásticas, música, etc.), outro tanto para patrimônio imaterial (com predominância para o resgate da cultura indígena) e R$ 5 milhões para museus, arquivos e bibliotecas. “Nesta área, agimos em consonância com a política do Bando Nacional do Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES). a Caixa Econômica Federal (CEF), que também patrocinam a preservação de museus, e , é claro, com o Ministério da Cultura”, salientou as coordenadora, Jurema Machado, funcionária de carreira do Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (Iphan). “Não contemplamos os grandes museus porque recebem verbas de outros programas. Buscamos instituições e acervos sem a mesma visibilidade.”

 

Nessa área, também a regionalização é patente. Há desde a recuperação do acervo de Mestre Daniel, líder do Santo Daime no Acre, ao levantamento da literatura produzida em Roraima. Tal como nas outras áreas, preocupação é tornar esses trabalhos conhecidos. “É nossa próxima tarefa, criar meios para que esses conhecimentos circulem o máximo possível”, alertou Wisnik. “No caso da música, é intenção da Petrobrás criar um site que exponha os trabalhos resultantes de seu projeto cultural.”

 

Além dos selecionados em concorrência pública, a estatal reservou R$ 15 milhões para projetos convidados, que vão desde o novo filme da cineasta Suzana Amaral a grupos estáveis como Corpo (de balé) e Galpão (de teatro). Segundo Eliane Costa, o investimento total do projeto Petrobrás Cultural é de R$ 61 milhões.

    Author: Redação

    Share This Post On