Música instrumental na Rede

 

A música instrumental brasileira ganha um canal de divulgação, a exemplo da Brasil Cultura, com o lançamento oficial do site www.ateliercultural.com.br, que acontecerá durante o Encontro Carioca da Música Instrumental, no Teatro Arte SESC, do SESC Flamengo, do Rio de Janeiro. Criação do pianista Marcos Souza, de 33 anos, que desde criança acompanha o desenvolvimento do gênero, graças ao pai, o violonista Chico Mário, o site inteiramente dedicado ao instrumental já possui um banco de dados com biografia e endereço eletrônico de 450 artistas do Brasil, Portugal e mundo, com links de gravadoras, lojas, rádios, festivais, escolas, associações e outros sites.

“Desde a criação da e Associação de Produtores Independentes de Discos (Apid) a idéia de criar uma rede de informação da música instrumental me ficou na cabeça”, recorda Marcos Souza que, então menino, viu o movimento liderado pelo pai ao lado de músicos como Antônio Adolfo e Joyce, se multiplicar nacionalmente. Ex-integrante do grupo Conversa de Cordas, há cinco anos ele se tornou coordenador do projeto Rio SESC Instrumental que, da capital carioca, acabou se expandindo para todo o Estado do Rio, através de um circuito por dez espaços nos quais se apresentam, anualmente, seis instrumentistas.

Na convivência com o meio, o pianista foi colecionando contatos recorridos agora para a formatação do ateliercultural.com.br que, em futuro próximo, também vai abrigar espaço exclusivo para as artes plásticas. Autor e produtor de trilhas sonoras de filmes como Evandro Teixeira – Instantâneos da realidade, de Paulo Fontenelle, e Brilhante, de Conceição Gema, Marcos Souza aproveitou para também abrir espaço ao gênero no site. A concepção do site é da designer Adriane Schreiner que, além de casada com o pianista, é sua parceira no Atelier Cultural, com sede no Rio de Janeiro.

“O site que estamos lançando é o primeiro que se propõe a ser instrumental, realmente, com as buscas sendo feitas por nome e instrumento”, diz Marcos Souza, que digitou pessoalmente a maioria dos nomes presentes no banco de dados inicial. A opção em separar Brasil de Portugal se deve ao fato de, além de terem os nomes parecidos, os brasileiros pouco conhecerem da música instrumental portuguesa. “Conhecemos no máximo o Madredeus, enquanto nomes como Carlos Paredes, que revolucionou o fado com a sua guitarra, continua ignorado por aqui”, lamenta o pianista que morou naquele país por alguns meses.

Na opinião de Marcos Souza, São Paulo, que há 15 anos mantém projetos como o Instrumental SESC Brasil, e o Rio de Janeiro, com a revitalização do choro nos bares da Lapa, são os principais estados para o gênero. “Mas Minas Gerais também é especial, com uma produção instrumental muito própria”, elogia o pianista, salientando eventos como o Prêmio BDMG-Instrumental e os festivais de jazz de Ouro Preto e de Ibitipoca, na Zona da Mata.

    Author: Redação

    Share This Post On