MP analisa se humorista do CQC fez piada racista no Twitter

danilo-gentili“King Kong, um macaco que, depois que vai para a cidade e fica famoso, pega uma loira. Quem ele acha que é? Jogador de futebol?” A frase é de Danilo Gentili, integrante do programa CQC (Band). Postada na madrugada de sábado (25) para domingo no Twitter, a declaração se arrasta numa polêmica que deixou de ser virtual e chegou ao MPF-SP (Ministério Público Federal em São Paulo).

Segundo a assessoria de imprensa do MPF-SP, a mensagem de Gentili já foi encaminhada a um procurador, que vai apurar se houve ou não crime de racismo. A ONG Afrobras também se posicionou contra o “repórter inexperiente”. “Nos próximos dias devemos fazer uma carta de repúdio. Estamos avaliando ainda [entrar com] uma representação criminal”, diz José Vicente, presidente da ONG.

“Isso foi indevido, inoportuno, de mau gosto e desrespeitoso. Desrespeitou todos os negros brasileiros e também a democracia. Democracia é você agir com responsabilidade”, avalia Vicente.

Correção de percurso

Alguns minutos após escrever seu primeiro “tweet” sobre King Kong, Gentili tentou se justificar no microblog. “Alguém pode me dar uma explicação razoável por que posso chamar gay de veado, gordo de baleia, branco de lagartixa, mas nunca um negro de macaco?” Mais de uma vez, ele tentou se justificar. “Na piada do King Kong, não disse a cor do jogador. Disse que a loira saiu com cara porque é famoso. A cabeça de vocês que têm preconceito.”

No domingo, o integrante do CQC jogou na web uma foto em que aparece enjaulado: “Obrigado, pessoal. Vocês conseguiram me prender igual a um macaco por denúncias de racismo.” Gentili possui cerca de 165 mil seguidores na plataforma (twitter.com/danilogentili).

Nesta segunda-feira, Gentili voltou ao assunto, desta vez abrindo mão do limite de 140 caracteres oferecidos pelo Twitter. Redigiu um texto no blog, com mais de 6.500 caracteres, para defender sua posição. “Quando vejo um cara dizendo que tem orgulho em ser da raça negra eu juro que nem me passa pela cabeça chamá-lo de macaco. E sim de burro”, afirmou.

Na noite desta segunda-feira, o humorista disse estar “disposto a pedir perdão a qualquer pessoa que se ofendeu sobre qualquer assunto em qualquer coisa que eu disse”. “Quanto a apagar os tweets, não apago, não. Porque eu realmente disse aquilo. Não consigo ainda entender qual o problema com eles, mas se alguém viu problema, que me perdoe. Eu realmente disse aquilo.”

Limites do humor

Não é a primeira vez que uma declaração de um integrante do CQC gera mal-estar. Uma tirada de Rafinha Bastos num programa de abril deste ano relacionava o cantor Roberto Carlos a Aleijadinho. Indagado por Marcelo Tas se conhecia o trabalho do escultor barroco, Bastos respondeu: “Conheço Emoções, Detalhes…”

Sequer é a primeira vez que um humorista é acusado de racismo. Em novembro de 2006, Michael Richards — o Kramer da série Seinfeld — fez declarações que o obrigaram a se desculpar por meses nos Estados Unidos. Richards insultou dois negros em um clube de Los Angeles. Os jovens disseram a ele que seu show não era divertido. A resposta, em tradução livre, saiu assim: “Calem a boca! Há 50 anos penduraríamos vocês de cabeça para baixo e lhes espetaríamos o rabo com a porra de um tridente.”

Da Redação da www.brasilcultura.com.br, com informações da Folha Online

    Author: Redação

    Share This Post On