Indicações para a Ordem do Mérito Cultural 2008

 

 

 

 

O Ministério da Cultura informa que está aberto o prazo para a inscrição das propostas de indicação à Ordem do Mérito Cultural para o ano de 2008. O tema central da celebração desta edição será a homenagem a Machado de Assis, para assinalar o centenário da morte do escritor, um dos maiores expoentes da literatura nacional.

 

Criada em 1995, pelo Ministério da Cultura, a Ordem do Mérito Cultural é o reconhecimento do Governo Federal a personalidades, grupos artísticos, iniciativas e instituições que se destacaram por suas contribuições à Cultura brasileira.

 

As condecorações são entregues, anualmente, por ocasião do Dia Nacional da Cultura (5 de novembro). Desde a criação da homenagem, já foram agraciadas cerca de trezentas e cinqüenta personalidades nacionais e estrangeiras e mais de cinqüenta instituições, públicas e privadas.

 

As propostas de admissão e promoção deverão ser apresentadas até o dia 28 de maio, por meio de formulário específico. O documento poderá ser enviado pela própria página do Ministério da Cultura, ou então, após download (txt), ser preenchido e encaminhado para o seguinte endereço:

 

Ordem do Mérito Cultural 2008

Ao Sr. Márcio Bueno

Assessor Especial do Ministro da Cultura e coordenador-executivo da OMC

Ministério da Cultura

Assessoria de Comunicação Social

Esplanada dos Ministérios, Bloco B, 4º andar

CEP 70068-900 Brasília – Distrito Federal

 

Dúvidas e informações: ordemdomerito2008@minc.gov.br, (61) 3316-2309 ou 3316-2366, com Zuleide Pereira.

 

Indicações

 

As indicações podem ser feitas por quaisquer pessoas, e os indicados – personalidades, grupos, iniciativas e instituições que tenham contribuído para a Cultura brasileira – serão avaliados pela Comissão Técnica, constituída por gestores das Secretarias do Ministério da Cultura, que emitirá parecer conclusivo antes de encaminhá-lo à consideração do Conselho da Ordem do Mérito Cultural.

 

Integram o Conselho da OMC o Ministro de Estado da Cultura, que o preside na qualidade de Chanceler, os Ministros de Estado das Relações Exteriores, da Educação e da Ciência e Tecnologia.

 

Temas

 

O Ministério da Cultura tem conferido à Ordem do Mérito Cultural uma ampla abrangência temática, de forma a contemplar áreas do saber e do fazer que tornam marcantes nossa cultura, dentro e fora do país, e que sejam representativas da imensa riqueza da diversidade cultural brasileira. Por isso, além de Machado de Assis, nosso principal homenageado, esta 14ª edição do evento prestará homenagens a outras personalidades e a vários setores do mundo cultural.

 

Tema de 2008: Homenagem a Machado de Assis

 

Este ano marca o centenário da morte do escritor, o que motivou a assinatura de Lei, pelo presidente da República, Luiz Inácio Lula da Silva, e pelo ministro da Cultura, Gilberto Gil, instituindo 2008 como o Ano Nacional Machado de Assis.

 

O escritor é considerado por críticos literários do Brasil e do exterior como o maior expoente das letras nacionais e um dos maiores de língua portuguesa. Exprimiu seu talento por meio de vários gêneros literários: romances, contos, crônicas, poesias, peças de teatro e crítica literária.

 

Machado foi generoso com os amantes da literatura até o fim. Morreu em setembro de 1908, poucos meses após ter nascido um outro personagem de talento extraordinário voltado para as letras: Guimarães Rosa. É como se Machado tivesse se despedido da vida somente depois de surgir alguém a quem pudesse passar o bastão da genialidade no campo das letras.

 

Por ter sido autor de peças teatrais, Machado terá sua homenagem estendida ao Teatro Brasileiro. O ano de 2008 marca o bicentenário de nascimento de uma das figuras mais expressivas das artes teatrais do Brasil: João Caetano. Assinala, também, o centenário de morte de Artur Azevedo, tido como o pai do nosso teatro. E é, ainda, o ano em que se celebra o centenário de nascimento de outras três figuras que deixaram marcas indeléveis no mundo teatral: Solano Trindade, Dulcina de Moraes e Zbigniew Ziembinski.

 

Solano Trindade foi criador do Teatro Experimental do Negro, do Teatro Folclórico e do Teatro Popular Brasileiro, além de ter sido pesquisador, cineasta, ator, coreógrafo, artista plástico, pintor e um batalhador pela igualdade racial no país. Dulcina foi atriz, diretora, produtora e educadora. Criou a Fundação Brasileira de Teatro e a primeira faculdade de artes cênicas autorizada e reconhecida no país. E Ziembinski, ator e diretor polonês que chegou ao Brasil em 1941 fugindo do nazismo, foi o diretor de Vestido de Noiva, de Nelson Rodrigues, espetáculo que se tornou um marco revolucionário nas artes teatrais no Brasil.

 

Este ano, também celebra-se o cinqüentenário da Bossa Nova, gênero renovador da música brasileira, que se revelou ao mundo em 1958, com o lançamento do disco Canção do Amor Demais, e com a gravação, por João Gilberto, de Chega de Saudade. Na área musical, é impossível não lembrarmos, ainda, do centenário de nascimento de Sílvio Caldas e de Angenor de Oliveira, o genial Cartola.

 

E há exatamente quarenta anos, artistas e fazedores de arte e cultura de vários gêneros foram às ruas, correndo todos os riscos, para juntarem-se a outros segmentos da sociedade e bradar contra a ditadura e contra a censura. Graças a todos os que lutaram, este ano podemos celebrar os trinta anos do fim da censura.

 

Imprensa também é Cultura. Há exatos duzentos anos surgiam os dois primeiros jornais brasileiros: o Correio Braziliense, editado em Londres, e a Gazeta do Rio de Janeiro. E em 1908, portanto há cem anos, era fundada a Associação Brasileira de Imprensa, instituição sempre comprometida com as liberdades, à qual prestamos nossa homenagem.

 

Queremos lembrar, ainda, os cem anos de nascimento de um brasileiro que foi um batalhador contra a fome de alimentos e também contra a fome de conhecimento e de liberdade: o médico e cientista consagrado internacionalmente Josué de Castro.

 

    Author: Redação

    Share This Post On