Incentivo para a criação

 


 

Música, literatura, jornalismo cultural e pesquisa em gestão cultural são as quatro áreas contempladas com novos editais no programa Rumos Itaú Cultural, que comemora 10 anos de mapeamento, fomento e divulgação da produção artística e intelectual do país. O processo de seleção começa hoje, com a abertura das inscrições, que vão até 31 de julho, pelo site www.itaucultural.org.br/rumos2007. Ao longo do ano, o programa terá editais em andamento nas áreas de artes visuais, cinema e vídeo, educação, cultura e arte, arte cibernética e dança, cuja mostra, iniciadano fim de semana, surpreendeu pelo sucesso de público. São 20 anos de existência do Itaú Cultural, que acumula louros em números. As iniciativas da instituição conquistaram cerca de 4,3 milhões de pessoas, média de 215 mil por ano. Foram produzidos mais de 2 mil eventos, entre shows, mostras de vídeo, espetáculos de teatro e dança. Além disso, o Itaú Cultural investiu em 796 exposições de artes visuais, 160 programas Jogos de Idéias, e publicou 366 títulos, entre CDs, DVDs, CD-Roms, vídeos, livros e enciclopédias virtuais. “O Rumos é o programa mais importante e de maior relevância para o Itaú Cultural”, atesta Eduardo Saron, gerente de atividades culturais. Para 2007, o investimento somará R$ 7,5 milhões, R$ 3 milhões a mais do que no ano passado. O montante previsto para as ações do instituto é de R$ 34 milhões. Uma das características da entidade (sem fins lucrativos) é promover iniciativas de acesso gratuito. “Damos ênfase ao processo, não ao evento, resultado da estratégia, não o objetivo”, afirmou Eduardo, em entrevista coletiva, ontem, antes do lançamento dos editais. “O consagrado tem suas luzes prontas.”

O grande mérito doRumos é estimular a reflexão nas áreas e no próprio programa, que busca incentivar setores que necessitem de apoio para conquistar um lugar ao sol. São trabalhos que envolvem eventos, workshops, produtos a serem distribuídos para divulgar os artistas etc. Na área de música, o edital prevêatividades até 2009, enquanto as outras seguem até 2008. Os seminários, fundamentais no processo, intercalam explicações sobre o Rumos, intercâmbio de informações e aprimoramento no próprio programa. Um deles deve desembarcar em Brasília durante a Feira da Música Independente Internacional, em maio. “Propomos refletir sobre a infra-estrutura da música e não falar sobre a questão da estética”, explica Edson Natale, gerente do núcleo de música, a respeito dos seminários em mais de 50 locais pelo país. “Na edição de 2004, tivemos 110 pessoas viajando e somente eu do Itaú Cultural.”

Ousadia Eduardo Saron explica que a proposta do Itaú Cultural é apostar em riscos. Um dos grupos da Mostra Rumos Itaú Cultural Dança, no domingo, mostrou que ousadia e público podem encontrar espaço incomum. Após a apresentação de Deslimites, de Cara Trigo, e OP1, de Lali Krotoszynski, Desmundos, de Luis Ferron, foi ovacionado por uma platéia sensibilizada pela interpretação dramática que desnudou corpos estranhos ao padrão preestabelecido e aceito pela sociedade. Ainda que usando clichês como a inabilidade do homem “perfeito” para manusear uma cadeira de rodas e o deficiente conhecedor de seu meio de locomoção, o espetáculo comoveu a platéia ao unir dor e prazer, belo e grotesco em qualquer forma – seja na dissecação de um cadáver, na exposição de corpos ou nos movimentos. Um espetáculo que provocou reflexão sob o signo de um programa que não teme seguir as direções da contemporaneidade.

09/03/2007

    Author: Redação

    Share This Post On