Gil recebe críticas e elogios em seminário em Oxford

Gil foi criticado pela forma com que vem conduzindo os projetos culturais no Brasil, mas também apareceu no seminário como um dos principais promotores da “diáspora negra tão característica da cultura brasileira, cujo trabalho pode ser comparado talvez ao de Bob Marley”, disse Robert Stam professor de estudos de cinema da Universidade de Nova York, um dos participantes do encontro.

Tendo como principal objetivo encontrar meios de melhor promover a cultura brasileira no exterior, os acadêmicos – a convite do Centro de Estudos Brasileiros da Universidade de Oxford – concordaram que as políticas culturais de Gil e Lula não condizem com o discurso do presidente de que o Brasil deve se tornar uma potência mundial.

“O que nós notamos no Brasil é uma insistência maior do governo de nacionalizar a cultura financiando projetos voltados para o próprio umbigo do país. Mas não podemos esquecer que a cultura é um cartão de visitas do país. Os Estados Unidos só viraram a potência que são porque sua cultura, muito financiada pelo governo, se espalhou para o mundo”, disse José Teixeira Coelho Neto, professor da Universidade de São Paulo e consultor de gerenciamento cultural da Unesco.

Potência

Segundo Coelho Neto, o governo não pode deixar a promoção internacional de lado se o país não quiser ser visto como uma potência regional.

“Indústria não dá cara ao país, a cultura sim.”

Leslie Bethell, diretor do Centro de Estudos Brasileiros da Universidade de Oxford, concorda.

“Antes de ser ministro, Gil visitou o centro aqui em Oxford e apoiou nosso trabalho. Depois que se tornou ministro, conversei com ele, e ele me perguntou: ‘Para que serve um centro brasileiro em Oxford? Serve para alguma coisa?’”, contou.

“Eu disse: Serve para ensinar aos interioranos ingleses um pouco de samba”, disse, num tom sarcástico.

Tropicália

Mas não foram apenas críticas que derem o tom ao encontro. As dezenas de pessoas (na maioria estrangeiros) que foram ao centro e ficaram lá das 10h às 19h, certamente ouviram de Robert Stam como a Tropicália de Gil e Caetano Veloso influenciou os movimentos sociais do Brasil e como o som da periferia (do funk aos Racionais, de São Paulo) alertam o mundo para os problemas sociais do Brasil – bem como cinema, em alta depois de Cidade de Deus.

Nelson Motta, outro palestrante, teceu um panorama da música dos anos 20 aos dia de hoje.

Segundo ele, a música vive hoje, um “marco histórico” com a mistura de hip hop e samba de Marcelo D2, de acordo com sua previsão, deve estourar em breve no mercado internacional.

Motta não falou mal de Gil, apenas bem de sua música.

Para a pesquisadora de mercado cultural argentina Ana Rosa Hopkins, que já trabalhou em diversos órgãos culturais do Brasil, mas hoje é baseada em Oxford, o seminário foi importante como um primeiro passo para os estrangeiros entenderem a complexidade da cultura brasileira para, quem sabe, consumi-la melhor.

“Mas para isso ser mais eficaz é preciso o governo se voltar para as culturas fora do eixo Rio-São Paulo, financiando não apenas os Walter Salles e as Conspiração Filmes da vida, mas os cineastas de Brasília, os artistas de Minas Gerais. Quem sabe assim, nós não nos livramos de estereótipos que às vezes acabam danificando a percepção cultural do Brasil no exterior”, disse.

    Author: Redação

    Share This Post On