Gil chora e diz: “quero ficar no governo”.

 

 

 

 

O ministro Gilberto Gil (Cultura) disse que gostaria de permanecer no cargo no próximo governo, mas observou que essa é uma decisão do presidente Luiz Inácio Lula da Silva. O ministro se emocionou nesta quarta-feira ao fazer um balanço do seu trabalho nos últimos quatro anos, durante cerimônia, no Palácio do Planalto, de entrega da Ordem do Mérito Cultural a personalidades do meio artístico.

 

“Emprestei meu corpo, minha voz e minha alma para estas realizações”, disse, aos gritos de “fica, fica” dos presentes. Após a solenidade, Gil admitiu que tem vontade de permanecer no cargo. “Não há decisão a ser tomada. Cargo de ministro é do presidente da República. Gostaria de continuar ainda que possa não continuar”, disse.

 

Mais tarde, Gil disse que chorou no discurso porque é “gente” e se emociona com a vida, não porque se tratava de uma despedida.

 

O ministro pediu que “não especulem” sobre sua permanência no cargo. “Esperem, sejam generosos com o tempo, com a história, sejam generosos com a vida, esperem que as coisas se decidam”, disse. “Há apelos dentro de mim mesmo para ficar e para sair.”

 

Gil ressaltou que sua vida profissional não terá nenhum peso sobre sua decisão de ficar ou não no ministério. “Não é a necessidade de voltar a fazer música que me preocupa. [Se decidir não permanecer] é mais para estar em casa com o meu silêncio”, afirmou. O ministro disse que nos últimos quatro anos fez apenas duas músicas.

 

Aos 64 anos, Gil observou que não precisa mais trabalhar, que “poderia estar aposentado”, e que a questão da sobrevivência não está mais em pauta na sua vida. Segundo ele, seus filhos poderão sustentá-lo se precisar com o trabalho deles. O presidente Lula, que estava na cerimônia, não fez nenhuma sinalização sobre se Gil permanecerá no cargo.

 

    Author: Redação

    Share This Post On