Festival terá 44 Espetáculos

 

Artistas exclusivos: Kurt Masur, regência; Beaux Arts Trio, música de câmera; Manuel Barrueco, violão. Só o peso destes três nomes já serviria para avaliar a importância da 36ª edição do Festival Internacional de Inverno de Campos do Jordão.

 

Ao todo, são 44 espetáculos em 23 dias, incluindo ainda nomes brasileiros de destaque, como os pianistas Arnaldo Cohen e Jean Louis Steuerman, o Quarteto Amazônia e as principais orquestras paulistas.

 

Os astros não apenas vão se apresentar no âmbito do evento, como ainda ministram aulas aos 180 bolsistas selecionados, bem como master classes abertas ao público em geral.

 

“Eu tive essa chance quando jovem e gostaria que os estudantes de hoje tivessem a mesma oportunidade”, diz o maestro Roberto Minczuk, que foi bolsista em Campos do Jordão nos anos 80, e assumiu a direção artística do evento no ano passado.

 

“Todo mundo que trabalhou com os grandes se orgulha disso. Imagine o que representa para um dos bolsistas da Orquestra Acadêmica tocar sob regência de um Kurt Masur”, diz o maestro.

 

Masur conhece Minczuk desde os tempos em que este, ainda trompista, tocou na Orquestra Gewandhaus, de Leipzig, que ficou sob o comando do regente germânico por mais de duas décadas.

 

“Ele é requisitado por todos os grandes festivais do mundo, e desmarcou coisas em sua agenda para vir ao Brasil”, diz o diretor artístico do festival.

Por meio de gravações, Masur selecionou os sete alunos de regência com os quais vai trabalhar ao longo do evento.

 

Música das Américas

Minczuk manteve algumas características da edição 2004, como a escolha de um compositor residente (neste ano, Almeida Prado) e de um eixo temático. Se, no ano passado, o festival enfocou a música do mestre do classicismo vienense Joseph Haydn, desta vez o tema é a Música das Américas.

 

“Claro que nós nunca vamos deixar de fazer Beethoven, Schubert e os grandes”, explica. “Mas nós temos um legado muito rico no Novo Mundo, com compositores como Copland, Villa-Lobos e Ginastera, entre muitos outros. Com a escolha de um tema, a gente pode concentrar esforços em depurar essa música e dar aos alunos um conhecimento desses autores que eles normalmente não teriam.”

 

Uma novidade deste ano é a utilização do Espaço Cultural Cinema Dr. Além para a encenação da ópera “A Queda da Casa de Usher”, do compositor minimalista norte-americano Philip Glass, a partir de história homônima de Edgard Allan Poe, no horário alternativo da meia-noite.

 

“Glass é um autor representativo da música das Américas”, diz Minczuk. “A encenação envolve a projeção de filme, o que faz com que o espaço seja muito adequado.”

    Author: Redação

    Share This Post On