FERA em Curitiba

 

A forte chuva, que aconteceu no dia da abertura e também no domingo (03), prejudicou um pouco a organização das oficinas, que foram adaptadas para serem realizadas nos alojamentos, mas em nenhum momento os alunos pararam de viver a arte.

O aluno Anton Franz Altemburger, do Colégio Estadual Colônia Malhada, de São José dos Pinhais, fez a oficina de Sensibilização Musical e volta para casa já sabendo tocar algumas músicas. Para ele, a experiência foi proveitosa principalmente porque lhe permitiu perceber a importância da sensibilidade artística na educação. “Saio daqui entendendo que a arte na sala de aula é fundamental, pois pode facilitar a aprendizagem”, afirmou.

Já Willian Souza da Cruz, do Colégio Dirce Celestino do Amaral, de Curitiba, lamentou que a chuva tenha atrapalhado as atividades, mas adorou poder aprender mímica na oficina de teatro. “Adorei a experiência. Acho, inclusive, que deveria haver um intercâmbio entre os Feras, para que o pessoal de uma região possa mostrar a sua arte para as outras”, sugeriu.

A programação do último dia foi adaptada para os alunos de Curitiba se apresentarem. No período da tarde todos poderão prestigiar as apresentações profissionais da Orquestra Filarmônica Antonienese e do grupo de música “Mimar Você”. Após às 17 horas, haverá o desfile do Garota e Garota Fera.

Estatuto do Professor – As professoras e professores que fizeram a oficina “A vida e a arte no corpo do professor”, coordenada por Cláudia Gutierrez, fizeram uma reflexão sobre a prática pedagógica e a importância da arte e do corpo no ensino. Dessa reflexão, surgiu a proposta de um estatuto sobre a prática do professor, fazendo uma brincadeira séria de como deve ser o comportamento pedagógico para que a arte seja incluída na educação.

Em um dos artigos eles decretam que será obrigatório para todo professor a formação em arte. Em outro artigo, o estatuto determina que o professor deverá olhar dentro dos olhos de cada aluno e fazer com que esse brilho se faça cada vez mais forte. A idéia, segundo os professores, é, principalmente, que os educadores expressem a sua criatividade e se tornem, bem como a seus alunos, “loucos pela vida, loucos pela arte”.

    Author: Redação

    Share This Post On