Encontro em Vitória debate isolamento cultural

 

 

A cooperação cultural e o intercâmbio de produtos e experiências são a melhor forma de os países periféricos enfrentarem a hegemonia cultural. Mas é preciso proteger e incentivar as manifestações locais sem prejudicar a livre circulação de idéias e produtos. Essas são as principais teses do 2.º Fórum de Cooperação Cultural Internacional, que termina hoje em Vitória, no Espírito Santo, com a participação de 31 países – alguns disseminadores dos padrões culturais, como França e Canadá, e outros se esforçando para transformar sua riqueza cultural em econômica, como o próprio Brasil, o Peru e o México.

 

O Espírito Santo está entre esses últimos e sofre esse isolamento até dentro do Brasil. Com uma história que remonta ao descobrimento, tradições consolidadas que se estendem à culinária, festas populares e folclore e um patrimônio edificado que vem do século 16, tem dificuldade de mostrar seus produtos ou atrair visitantes que lhe tragam divisas. Pouco ajudou a Unesco ter escolhido a técnica de fazer panelas de barro capixaba como primeiro item de patrimônio cultural imaterial a ser tombado mundialmente.

 

“Num mundo de desigualdades, a cultura é uma das janelas de oportunidades que os povos têm para superar os entraves ao seu crescimento”, disse o governador capixaba, Paulo Hartung, no discurso de abertura, na noite de quarta-feira, no Teatro Carlos Gomes, centenária construção no centro da cidade, que estava lotado. “Esses debates nos permitem encontrar os melhores caminhos para sair do isolamento. O Espírito Santo sempre viveu essa situação, embora fique no coração da Região Sudeste, e precisa superá-la.”

 

O governador do Ceará, Lúcio Alcântara, que recebeu a primeira edição do Fórum no início do ano passado, lembrou que o evento rende frutos até hoje, com a divulgação da literatura, folclore, música, culinária pela América Latina e África. Mas o embaixador da França, Jean de Gliniasty, lembrou que a chave da questão é manter o equilíbrio entre a proteção e o subsídio às atividades culturais, sem ferir as regras do livre comércio.

 

O coordenador das Nações Unidas no Brasil, o português Carlos Lopes, veio a Vitória para lembrar que o problema do incentivo à cultura é a dificuldade em medir numérica ou financeiramente os resultados culturais, quando a linguagem econômica se baseia nesses dados. “A questão se resume em dizer qual o preço da cultura, num mundo em que os medidores, mesmo os econômicos, são cada vez menos numéricos.”

 

O ministro da Cultura, Gilberto Gil não compareceu e mandou seu secretário de Identidade e Diversidade Cultura, Sérgio Mamberti, que relacionou os feitos da pasta nestes dois anos e meio de governo. Ontem à tarde ia expor o assessor especial do MinC, Sérgio Sá Leitão, e hoje, falariam o secretário de Fomento, Sérgio Xavier, e o do Audiovisual, Orlando Senna.

 

Também hoje deve ser decidido o local do próximo encontro, a se realizar em 2006. “Esse tipo de discussão sempre privilegiou o Rio e São Paulo e, algumas vezes, Minas Gerais. É bom que aconteça em Estados que têm mais dificuldades de se tornarem visíveis”, sugeriu na abertura, o governador do Ceará, Lúcio Alcântara.

    Author: Redação

    Share This Post On