Morre o poeta Décio Pignatari

Aos 85 anos, o poeta Décio Pignatari morreu na manhã deste domingo (2) depois de ter insuficiência respiratória e pneumonia aspirativa.
Segundo a assessoria de imprensa do Hospital Universitário da USP, onde ele
estava internado, o quadro não teve evolução porque ele havia dado entrada na
unidade hospitalar na sexta-feira (30). Ele também sofria de mal de Alzheimer.

O enterro acontece nesta segunda-feira às 12h no cemitério do Morumbi

Além de poeta, Décio era ensaísta, tradutor e um dos grandes nomes da poesia concreta, ao lado de Augusto e Haroldo de Campos. O seu sucesso iniciou nos anos 50 com recursos
visuais, fragmentação das palavras para suas obra e publicou seu primeiro livro “Carrossel”.

Em 1965, editou a as revistas Noigandres e Invenção e publicou a “Teoria da Poesia Concreta”. Já em 1968, traduziu obras de Marshall McLuhan e publicou o ensaio “Informação,
Linguagem e Comunicação”. Como tradutor, também fez obras de Dante Alighieri,
Goethe e Shakespeare, entre outros, reunidas em “Retrato do Amor quando
Jovem”.

Em 1983 e 1987, o poeta foi colunista da Folha. No ano seguinte, publicou “O Rosto da Memória” . Já em 1992, fez o romance “Panteros” (1992), além de uma obra para o teatro, “Céu de Lona” Em 2009, lançou “Bili com Limão Verde na Mão”.

Author: Redação

Share This Post On

Enviar um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

4 × 2 =