Mate Amargo. O sabor da história!

erva mate e chimarão( carta aberta para um determinado professor)

 

Caro Professor.

 

Soube, através de meu filho, que em uma de suas aulas, o senhor teria com a severidade tão peculiar de nossos mestres, reproduzido em suas explanações os inúmeros eventos que se deram no sul do país, rotulando – os como se fazem costumeramente apenas como os “paulistas” os desbravadores e colonizadores por todo o sul, daqui ao Prata. Esquecendo que éramos nós os “paulistas do sul” ( até 1853). Escorregão. As escorregadelas de professores e historiadores sempre trazem seqüelas.

A botina da história do sul do Brasil, trás a lama dos caminhos abertos por curitibanos, caro professor. Desbravando, colonizando, enfrentando chuva, frio, geada, os índios e os castelhanos, com quem a nossa brava gente curitibana teve contato, e com quem iniciamos, da parte de Portugal, como changadores e tropeiros, a efetiva presença naquela região, onde ajudaríamos a fundar as primeiras povoações.

Partiu daqui navegando de Paranaguá, Domingos de Brito Peixoto, fundou Laguna e dali, percorrendo por terra foi até onde o mar encontra o “rio de la Plata”.

Manoel Lobo funda a Colônia do Sacramento em frente a Buenos Aires. Este pedaço da história remonta a 1680, ou seja a mais de 320 anos atrás.

Alguns historiadores teimam em escamotear . Querem nos fazer crer que a historia da colonização do sul do Brasil teria inicio ainda no século passado ou quando muito no final de 1700, esquecendo ou fazendo esquecer que foi a partir de Laguna, através de João de Magalhães, que era genro de Domingos de Brito Peixoto, aquele mesmo que como disse a instantes a trás que teria saído de Paranaguá, abrindo um caminho dali até o Prata, traria os primeiros muares lá de Sacramento. O problema é como trariam as bestas e mulas até aqui.

Por volta de 1716, vinte e um anos antes da estimulada imigração de famílias açorianas para a recém criada capitania de São Pedro do Rio Grande (1737), estes desbravadores fundam Tramandaí e na mesma época um outro membro da expedição que partira dos Campos Gerais de Corytiba, Cosme Velho se estabelece no que viria a ser o Viamão, tanto uma como outra lá no atual Rio Grande do Sul. Alias, chegando nossos irmãos curitibanos no alto da serra de Vacaria, viram os rios da planície e que teriam o formato de uma mão aberta. Daí o vi-a-mão.

Começavam os caminhos das tropas, o troperismo, de fundamental importância, na formação de nossa gente e da nossa cultura.

A partir de 1731, nossa economia centrou-se no comercio do gado que buscávamos nos campos de Sacramento e Viamão ou em Corrientes na Argentina e levávamos até Sorocaba.

Nós curitibanos, rasgamos todo o sul, abrindo estradas que saindo de Curitiba, nos ligava a Guarapuava, Palmas, Chapecó e ia diretamente a Corrientes. Sempre a cavalo, vestidos com bombacha, usando botas de couro cru e esporas de largas presilhas, às quais nós curitibanos chamávamos de “chilenas”, trazendo na cintura, a guaiaca e junto dela a faca e garrucha. Levávamos mate aos platinos e na volta trazíamos gado e muares. Levávamos nossa musica, nossa viola fandangueira atira colo nas tropiadas, a mesma musicalidade parte sonora de nossa cultura que espalhamos por todo o sul e que encantou o naturalista e escritor francês Saint Hilaire, que nos Campos Gerais de Corytiba, 1820 em uma das muitas festas que presenciou, tendo a oportunidade de ver “os convivas dançarem aos pares danças denominadas na região de anu e chula, em que os dançarinos fazem uma espécie de sapateado, dobrando os joelhos…” Bem, ai já é outra história que alguns professores e outros tantos historiadores esquecem ou fazem esquecer.

Queira desculpar o mal jeito professor, é apenas o jeito de um curitibano que busca reavivar a cultura de nossa terra e porque sabe que um povo que não tem memória não tem amanhã. E se o senhor permitir, ao sabor de nosso mate, volto ao assunto. Até logo.

 

CLÁUDIO RIBEIRO

Compositor/ Jornalista

 

 

Saiba como fazer um chimarrão

    Author: Redação

    Share This Post On

    104 Comentários

    1. Mate Amargo. O sabor da história! | Brasil Cultura

    2. Mate Amargo. O sabor da história! | Brasil Cultura

    Trackbacks/Pingbacks

    1. hWOtpXYS - hWOtpXYS... Mate Amargo. O sabor da história! | Brasil Cultura...
    2. Nike Air Max 90 - Nike Air Max 90... --...
    3. isabel marant sneakers pas cher - isabel marant sneakers pas cher... --...
    4. MULBERRY BAGS - MULBERRY BAGS... --...
    5. oakley sunglasses sale - oakley sunglasses sale... --...
    6. prada eyeglasses - prada eyeglasses... --...
    7. mulberry bags - mulberry bags... Mate Amargo. O sabor da história! | Brasil Cultura...
    8. qnEFnogs - qnEFnogs... --...
    9. eYBfimsX - eYBfimsX... --...
    10. オークリー サングラス - オークリー サングラス... --...
    11. Gucci Handbags Replica - Gucci Handbags Replica... Mate Amargo. O sabor da história! | Brasil Cultura...
    12. PRADA OUTLET - PRADA OUTLET... --...
    13. プラダ バッグ - プラダ バッグ... Mate Amargo. O sabor da história! | Brasil Cultura...
    14. cheap iphone - cheap iphone... Mate Amargo. O sabor da história! | Brasil Cultura...
    15. miohouyfuyfhgkjgj - Title... [...]please go to the web-sites we stick to, which includes this a single, as it represents our picks from the …
    16. jibujhvgydfrtdxerser - Title... [...]we came across a cool site that you could possibly enjoy. Take a search in the event you want[...]...
    17. Nationwide Transport Services - Title... [...]below you’ll discover the link to some sites that we consider it is best to visit[...]...

    Enviar um comentário

    O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *