Bienal do Livro chega ao Amazonas

De 27 de abril a 6 de maio Manaus recebe sua primeira edição da Bienal do Livro. O evento, que integra o programa ‘Mania de Ler’ do Governo do Estado do Amazonas, acontece no Studio 5 – Centro de Convenções. A 1ª Bienal do Livro Amazonas tem patrocínio da Secretaria de Estado de Cultura do Amazonas (SEC), patrocínio da Visitação Escolar da ELETROBRAS, apoio cultural da Secretaria de Estado de Educação do Amazonas (SEDUC), apoio institucional do Sindicato Nacional dos Editores de Livros (SNEL), e realização da Fagga | GL exhibitions.

Manaus será a quinta cidade no País a sediar um evento deste porte e a primeira na região Norte.

A expectativa dos organizadores é que 200 mil pessoas visitem a Bienal em dez dias de evento. O público vai encontrar uma vasta programação cultural que visa atender desde crianças até leitores maduros, além de 60 expositores que trarão para Manaus os lançamentos de suas editoras.

A Bienal do Livro trabalha dentro de um formato que é sucesso desde 1985 quando aconteceu a primeira edição no Rio de Janeiro. Contudo, para o Amazonas, a feira adaptou suas programações culturais para uma melhor identificação com a cultura do Norte do país.

Cada uma das quatro atividades culturais tem sido pensada para atender a expectativa do público local. Os assuntos abordados nas sessões serão globais, mas também de interesse regional, valorizando os temas que estão no dia a dia do manauara.

Um exemplo disso é a atividade Café Literário, que nesta Bienal está sendo chamado de Tacacá Literário, uma alusão a um dos mais famosos itens culinários do Estado. Os cenários também são planejados buscando a identificação com a cultura local.

A Bienal do Livro Amazonas abrirá suas portas na sexta-feira, dia 27 de abril, a partir das 12h. O horário de funcionamento será das 10h às 22h. As entradas custarão R$2,00 (inteira) e R$1,00 (meia-entrada para estudantes e idosos).

AUTORES INTERNACIONAIS

O angolano valter hugo mãe é um dos destaques internacional da Bienal do Livro Amazonas. Vencedor do Prêmio Literário José Saramago em 2007, valter hugo mãe desembarcará na 1ª Bienal do Livro Amazonas para participar de um diálogo aberto com o público, ao trazer relatos, experiências e opiniões que o elevaram a principal expoente da literatura portuguesa na última década.

Andrés Neuman, jovem escritor nascido na Argentina, mas criado na Espanha, é outra presença internacional confirmada na 1ª Bienal do Livro Amazonas. “O viajante do século”, seu primeiro livro publicado no Brasil, recebeu em 2009 o Prêmio Alfaguara e o Prêmio da Crítica, na Espanha. Traduzido para 11 línguas, recentemente o autor foi incluído na edição da revista inglesa Granta entre os melhores jovens escritores de língua espanhola. A obra de Neuman é avaliada por críticos e especialistas como pertencente a uma temática vasta e diversificada. E o autor, como um dos escritores latino-americanos recentes que tomou a Europa como cenário e campo de reflexões.

PROGRAMAÇÃO CULTURAL

Além de concentrar em um mesmo ambiente, livrarias, editoras e distribuidoras que comercializam seus títulos diretamente ao público nos estandes, a 1ª Bienal do Livro Amazonas oferece uma vasta programação cultural. Para a edição no Amazonas, as atividades da programação cultural serão distribuídas entre: Tacacá Literário, Livro Encenado, Floresta de Livros e Território Livre. Neles, os visitantes terão acesso aos convidados, lançamentos e debates, todos voltados à literatura.

Tacacá Literário

O Tacacá Literário é uma releitura do Café Literário existente em outras Bienais do Livro que, para a edição do Amazonas, recebeu este nome no intuito de valorizar a cultura local. A atividade, carro-chefe da 1ª Bienal do Livro Amazonas, apresenta discussão de temas sobre o livro, a leitura e a literatura. Ao todo, serão 21 encontros com dois escritores e um mediador por vez. Cada sessão terá duração de 90 minutos, onde será conduzida uma entrevista seguida de perguntas feitas pelo público.

Tacacá Literário reunirá importantes nomes da literatura atual. No dia 29 de abril, o escritor angolano valter hugo mãe participará da mesa “Português: Desafios de uma Escrita”, enquanto o argentino Andrés Neuman, na segunda-feira, dia 30 de abril, estará na mesa “Um Continente, Muitas Vozes”, que vai abordar a riqueza da literatura latino-americana.

Entre os destaques nacionais estão confirmados para a Bienal Amazonas a autora chilena, radicada no Brasil, Carola Saavedra, convidada da mesa “O Poder do Escritor” e o gaúcho Carpinejar, escolhido pela revista Época como uma das 27 personalidades mais influentes na internet, que estará na mesa “No Meio do Caminho Tinha um Verso”.

A primeira sessão do Tacacá Literário, dia 27 de abril, às 18 horas, terá dois destaques da literatura brasileira e amazonense. Marcio Souza e Thiago de Melo integram a mesa “Conversa de Mestres” e vão dialogar sobre a importância da leitura no fortalecimento da cidadania.

Livro Encenado

Um banquinho, um ator e um livro para ler, como uma conversa ao pé do ouvido. Assim, em tom intimista, será o Livro Encenado, uma das quatro atividades que integram a programação cultural da 1a Bienal do Livro Amazonas. Cada sessão terá 50 minutos de duração tendo o público como espectador e o ator como mensageiro do principal protagonista do espaço: o livro.

Atores convidados irão narrar trechos de livros como “Suíte para os habitantes da noite”, de Aníbal Beça; “Relato de um certo Oriente”, de Milton Hatoum; “Gente dos Seringais” e de Álvaro Maia” e Dom Casmurro”, de Machado de Assis.

Floresta de Livros

Um mundo encantando onde o fantástico é a regra. Assim, contando histórias que se perpetuaram no boca a boca, sem constar em livros ou ter autores definidos, o espaço Floresta de Livros promete oferecer uma programação lúdica para crianças com idade até 12 anos.

Com cenário de floresta, palco em formato de semiarena e arquibancada, a Floresta de Livros irá apresentar 57 sessões com quatro histórias diferentes. Todas ricamente ilustradas com recursos visuais, diferentes a cada apresentação. No palco, as histórias serão contadas e encenadas pelo grupo amazonense de teatro ArtCena.

Os contos têm origem em diferentes partes do mundo, como Europa e África, além do Brasil. É o caso do clássico europeu “O Sapo e A Princesinha” e do conto africano “Ananse e O Baú de Histórias”, que narra o surgimento de todas as histórias. Ainda constam na programação da Floresta de Livros os brasileiros como “A Casa do Coelho” e “Juca e A Serpente”.

A Floresta de Livros é a atividade que abre oficialmente a Bienal do Livro Amazonas. A sessão inaugural terá “A Casa do Coelho” e “Ananse e O Baú de Histórias” e acontecerá às 12h30, de sexta-feira, dia 27 de abril.

Território Livre

Do Bullying ao Mundo Sustentável, passando pelas redes sociais. Temas diversos como num balaio de assuntos, prometem fazer do Território Livre o espaço mais democrático da 1ª Bienal do Livro Amazonas. A arena de debates vai trazer assuntos da atualidade, especialmente, de interesse do público jovem. O formato é simples: primeiro uma exposição do assunto e depois abre-se espaço para as perguntas do público. Cada uma das 11 sessões terá uma hora de duração.

No centro do debate estarão nomes como o jornalista e escritor Guilherme Fiúza como palestrante do tema “Drogas e Violência”. Guilherme é o autor do livro “Meu Nome Não É Johnny”, que inspirou o filme homônimo de 2008, e João Estrella o personagem principal. O ator e escritor Antonio Calloni será presença no debate “Encontro Marcado com a Poesia”. O deputado estadual no Rio de Janeiro, Marcelo Freixo, vai discutir “As Eleições e a Lei da Ficha Limpa: Novos Personagens para Velhos Conhecidos”.

CURADORES

Rogério Pereira – O Tacacá Literário, carro-chefe dos espaços culturais da 1ª Bienal do Livro Amazonas, tem como curador o jornalista paranaense Rogério Pereira. Formado em Jornalismo pela Pontifícia Universidade Católica do Paraná (PUC-PR) e com pós-graduação pela Universidad Complutense de Madrid, Rogério Pereira é um participante ativo e debatedor de diversos eventos literários por todo o País. Atualmente é diretor da Biblioteca Pública do Paraná. Como curador, Rogério Pereira atuou no evento Curitiba Literária (PR), em 2007; na Feira de Livros do SESC Paraná, em 2009, e na 1ª Bienal do Livro do Paraná, em 2010. Para 2012, além da Bienal do Livro Amazonas, Rogério fará a curadoria da Semana Literária do SESC/PR, que acontecerá em setembro, em Curitiba.

Socorro Andrade – Um dos principais nomes do teatro amazonense, a empresária, produtora e atriz Socorro Andrade foi o talento local destacado para integrar o quadro de curadores da 1ª Bienal do Livro Amazonas. Socorro Andrade será a curadora do espaço “Livro Encenado. Dentre os projetos criados e desenvolvidos por Socorro Andrade, destacam-se o “Livro Vivo”, que disseminou arte e cultura na capital amazonense. A encenação foi apresentada na 10º Bienal Internacional do Livro, no Rio de Janeiro, em 2001. Em conjunto com a Secretaria de Estado de Cultura do Amazonas, criou, dirigiu e coordenou “A Trupe da Alegria”. O projeto contribuiu para a humanização do sistema hospitalar com apresentações de 30 palhaços em 19 unidades de saúde da capital do Amazonas.

Daniela Chindler – Autora de livros infantis, produtora cultural e contadora de histórias, Daniela Chindler é a curadora da “Floresta de Livros. A curadora é formada em Letras pela PUC/RJ e possui no currículo apresentações como contadora de histórias e também elaboração e desenvolvimento de projetos culturais em todo o País. Atualmente Daniela Chindler é coordenadora do projeto CCBB Educativo de Arte Educação do Centro Cultural Banco do Brasil – Rio de Janeiro e São Paulo. Como produtora e pesquisadora, Daniela Chindler realizou trabalhos como “Uma viagem ao Patrimônio Mundial Brasileiro”, o projeto “Oficina de histórias”, na favela do Vidigal, no Rio de Janeiro, e coordenou a exposição “Fernando Pessoa: Plural como o Universo”.

Na Bienal do Rio em 2009, espetáculo “A Palavra Mágica”, criado por Daniela Chindler teve 25 mil espectadores. Na literatura, é autora da coleção “Por Aí a Fora”, da editora Rocco, com os livros “O Hambúrguer Era de Carneiro – Diário da Índia” e “Espetinho de Gafanhoto, nem pensar!”, sobre os relatos de suas viagens pelo Vietnã e Tailândia e lançado na Bienal do Rio de 2011.

Suzana Vargas – Poeta, autora de livros infantis, ensaísta, produtora cultural e professora de literatura, a gaúcha Suzana Vargas é a curadora do Território Livre. Morando no Rio de Janeiro (RJ) desde 1973, é formada em Letras, com Mestrado em Teoria Literária pela Universidade Federal do Rio de Janeiro. Em 1985, Suzana Vargas iniciou projeto de oficinas de poesia e leitura em universidades e entidades culturais por todo o Brasil, países da América Latina, além de Alemanha, França, Espanha e Portugal.

Atualmente, Suzana Vargas está à frente da Estação das Letras – espaço que há mais de 15 anos oferece cursos que abrangem o universo da escrita e do programa de televisão “Livros na Mesa” (Canal 06 – TV Comunitária), onde produz e entrevista autores e destaques da literatura brasileira.

No campo literário, Suzana Vargas co-editou por 10 anos consecutivos, a revista “Poesia Sempre”, da Fundação Biblioteca Nacional ao lado de nomes como Ferreira Gullar, Antonio Carlos Secchin e Ivan Junqueira. Possui 16 livros publicados entre poesia, literatura infantil e ensaio, além de colaborações freqüentes em diversas publicações como o jornal “O Globo” e o “Jornal do Brasil”. Seus poemas já foram traduzidos e publicados na Itália, Estados Unidos, Argentina, Espanha, Alemanha e França.

VISITAÇÃO ESCOLAR

A “Visitação Escolar” é um programa realizado em todas as edições da Bienal do Livro e que para a Bienal do Livro em Manaus é destinado a alunos de escolas públicas e demais escolas de todo o Estado do Amazonas.

São esperados 50 mil alunos nas idades de 7 a 17 anos, durante os sete dias reservados para esta atividade. As inscrições para a Visitação Escolar ainda podem ser feitas através do site oficial da Bienal do Livro Amazonas (www.bienaldolivroamazonas.com.br).

Incluso no projeto da Visitação Escolar estão os benefícios da ‘Nota Bienal’ e ‘Vale Professor’ apoiados pela Secretaria de Estado de Educação do Amazonas (SEDUC).

A Visitação Escolar da 1ª Bienal do Livro Amazonas tem o patrocínio da ELETROBRAS e acontecerá nas seguintes datas: 27/abr, sexta-feira – 13h às 17h; 28/abr, sábado – 10h às 13h; 30/abr, segunda-feira- 10h às 17h; 02/mai, quarta-feira – 10h às 17h; 03/mai, quinta-feira – 10h às 17h. 04/mai, sexta-feira – 10h às 17h; 05/mai, sábado – 10h às 13h.

PROFISSIONAIS DO LIVRO

Professores e Bibliotecários também terão acesso gratuito à Bienal do Livro Amazonas. O objetivo é proporcionar a estes profissionais, matéria-prima que possa ser utilizada na oportunidade de dinamizar as aulas e incentivar o hábito da leitura nos alunos, propiciando um contato mais íntimo com o livro fora do ambiente escolar. O pré-credenciamento pode ser feito pelo site oficial www.bienaldolivro.com.br

ACOMPANHE

Site: www.bienaldolivroamazonas.com.br
Facebook: /bienalamazonas
Twitter: @bienalamazonas
Flickr: /bienalamazonas

SERVIÇO:
O QUE: 1ª Bienal do Livro Amazonas
QUANDO: de 27 de abril a 6 de maio
HORÁRIO: 10h às 22h (com exceção do dia 27, quando abrirá as portas a partir das 12h)
ONDE: Studio 5 – Centro de Convenções (Av. Rodrigo Otávio, 3.555, Distrito Industrial)

Author: Redação

Share This Post On

Enviar um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *