Reunião dos Músicos do PR – FPMPR

A reunião do Fórum Permanente de Música do Paraná, contou com intensa participação da classe musical. Realizado na noite de quinta-feira, no TUC, em Curitiba, o encontro contou com a participação de vários agentes, que deram sugestões para a melhoria e a consolidação do organismo de classe.

Além da numerosa participação de cantores, compositores, instrumentistas, jornalistas e produtores, a reunião se destacou pela representatividade. Estiveram presentes representantes de associações, entidades e produtoras –o Sindicato dos Músicos Profissionais, Associação dos Compositores, Fórum das Entidades entre outros. Também participaram do evento músicos de várias gerações e de trabalhos de diferentes estéticas, discutindo perspectivas em comum. Nomes importantes do cancioneiro popular paranaense coloriram o encontro.

Zé Geraldo, coordenador executivo do Fórum, e Fernando Tupan, também da coordenação, expuseram detalhes sobre a trajetória da entidade, e comentaram críticas e sugestões para a melhoria do trabalho de quem representa a música do Paraná. As contribuições de cada participante serão sistematizadas e analisadas para a definição da próxima reunião, buscando o aperfeiçoamento da iniciativa. O produtor cultural Paulo Costa, sugeriu que fosse feito uma moção de apoio à atual coordenação para que ela possa dar prosseguimento nos trabalhos para o desenvolvimento e crescimento da musica, “objeto primeiro do FPM, evitando-se perda de tempo precioso com debates desnecessários”. Houve a confirmação da classe dos nomes de Osvaldo Aranha e de Paulo Costa para o Conselho do Teatro Guaira.

O escritor e historiador Manoel Neto declarou que irá se afastar do FPM por motivos de saúde por um período de 90 dias e que fará apenas comunicados na condição de membro do CNPC. Desta forma não houve a nescessidade e encaminhamento de uma punição contra o este representante. Assumindo assim o compromisso de não mais enviar acusações, difamações, polemicas no ambiente virtual do FPM.

A cantora Rogéria Holtz disse que “a mobilização foi histórica por reunir a classe artística musical em geral e não apenas os músicos”. Segundo Mara Fontoura, cantora e produtora, “a reunião mostra que a classe está mobilizada e não pode deixar que a causa da música do Paraná morra”.

Um ponto importante que também foi definido trata da revisão completa do estatuto para que contemple de forma mais clara os pleitos dos integrantes da organização. Sendo sugerido ainda pelo advogado e músico André Alves, reafirmando a proposta de Ribeiro, que passe a constar no estatuto o impedimento para ocupação de cargo de coordenação do FPM em caso de acumulo de cargo em comissão em organismo público.

Veterano de tantos movimentos politico-musicais, o compositor e jornalista Cláudio Ribeiro cobra o apoio da mídia na divulgação da produção local e diz “que há muito o que fazer para aperfeiçoar o movimento da Música Paranaense e torná-lo cada vez mais eficiente, mas o passo mais importante é a união de quem cria e produz no Paraná como um todo, capital e interior”.

Além da avaliação do trabalho desenvolvido, a reunião teve como encaminhamento consensual a necessidade de maior e mais organizada articulação da classe musical. Apontando essa articulação como ponto principal, os presentes adiantam que haverá novos encontros, com regularidade, para discutir temas de interesse comum da classe, como a representatividade da cena musical nas discussões do Conselho Municipal de Cultura e do Plano Municipal de Cultura, a reafirmação da criação do Conselho Estadual de Cultura e do Conselho da Rádio e Televisão Educativa do Paraná.

Author: Redação

Share This Post On

Enviar um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

16 − 13 =