Por uma consciência de classe.

Por uma consciência de classe.

Feito o levantamento dos principais problemas com que se debate a classe dos músicos no Paraná e no Brasil, está marcado para o dia 10 de fevereiro, na Biblioteca Pública do Paraná, uma Assembléia estadual destinada a apurar, antes de mais, a expressão do descontentamento e da vontade de lutar por melhores condições e, depois, as linhas de atuação mais eficazes com a criação do Fórum de Musica do Paraná, visando o processo de implementação da câmara setorial de música.

 

            O Fórum de Musica do Paraná, contando com a presença de Glorinha Cunha representando o Fórum de Musica de São Paulo, reforçou a NECESSIDADE DA AMPLA MOBILIZAÇÃO NACIONAL DOS MÚSICOS COMO ÚNICA FORMA DE GARANTIR CONQUISTAS EM CARÁTER NACIONAL. Esta mobilização tem a finalidade de difundir e democratizar as decisões que dizem respeito a todos os músicos do país, das mais variadas tendências, formações, vocações e atuações reiterando o texto/manifesto do Fórum Social Mundial.

 

            Tendo como base, portanto, os princípios da democratização, da livre expressão política e artística, bem como da efetiva mobilização da categoria, encaminhamos as seguintes propostas para o Encontro Nacional de Música:

 

1)      Que seja realizado na cidade de Belo Horizonte (MG), considerando a facilidade de acesso a todos os recantos do país bem como a rotatividade dos locais de discussão, evitando a centralização das discussões.

 

2)     Que seja o mais aberto e representativo dos fóruns organizados e de suas bases de sustentação. Propõe-se que cada fórum organizado disponha de no mínimo dois delegados, com direito de voz e voto, podendo designar mais delegados, também com direito de voz e voto, de acordo com a proporcionalidade de músicos presentes nas Assembléias Gerais convocadas para esta finalidade. Sugerimos o caráter aberto do encontro a todos os interessados que atuariam na categoria de participantes com direito a voz, mas sem direito a voto.

 

3)     Que a vídeoconferência do dia 23/02/2005, contenha como foco prioritário de sua pauta a definição da proporcionalidade de delegados. Entendemos que, para que o Encontro Nacional tenha representatividade efetiva, exista o pressuposto da mobilização da categoria para a escolha dos delegados e o caráter de base do movimento, e não apenas contando com a presença das coordenações locais.

 

4)     Que o auxílio do Ministério da Cultura (Minc) seja contabilizado em espécie, num sistema de cotas por fórum, a fim de que cada fórum organizado tenha autonomia para realizar seu deslocamento e alojamento, da forma que entender mais vantajosa.

 

5)     Pela criação imediata do Fórum Nacional de Música, a fim de mobilizar a categoria e fomentar estratégias de organização e representação de classe. Este fórum ocorrerá virtualmente em rede com o endereço forumdamusicadoparana@brasilcultura.com.br e será aberto a todos os participantes de fóruns do país.

 

6)     Pelo encaminhamento nacional da proposta da Rede de TV da Música Brasileira – aprovada no eixo Comunicação do Fórum Social Mundial, encaminhada pelo Gt de mídia e tecnologia de São Paulo.

Apresentado, em reunião no Sated, por alguns dos membros da comissão organizadora, que emana de varias reuniões de música ocorrida durante o ano de 2004, o Fórum será estruturado a partir de dois temas genéricos: «Política de Cultura na Área da Musica» e «Organizações representativas dos músicos com estratégias para a sua Manifestação».

O primeiro abrange questões que se prendem com a situação econômica e social do músico, as suas fontes estruturais de rendimento, a educação e a formação, a mobilidade dos músicos no espaço paranaense e  brasileiro e a defesa da tradição musical paranaense; o segundo prevê a discussão sobre as associações profissionais de músicos e outras organizações existentes, Ecad, distribuição e divulgação, a reconstituição da classe, o trabalho conjunto com entidades congêneres de diferentes áreas artísticas, o desenvolvimento de um lobby poderoso e aspectos financeiros relativos à atividades das organizações.

Deste projeto, que envolve personalidades ligadas a todos os setores da música (Waltel Branco, Sergio Albach, Ronald Magalhães, Gauco Souter, Osvaldo Rios, Lídio Roberto, Raymundo Rolim, Eliane Bastos, Álvaro Colaço, Manoel Neto, Cremildes Ferreira Bahr, André Alves Wlodarczyk, Rafael Gustavo, Cláudio Ribeiro, Marcio Santos, Ivo Meyer, Gerson Bientines, Ulisses Galleto, Ivan Graciano, Osvaldo Aranha, Rogério Gulim, Daniel Faria, Bernardo Pellegrini, Suzi Monteserrat, João Bello, Rubens Rolim, Gogó de Ouro, Nilo Santos, João Gilberto Tatara, Elisabet Serafim, Marilene Millarch, Maria Amélia, Daniela Gramani, Cassiano Cordoni, Vadeco, Gabriel Teixeira, Fabrício, Roberto de Mello( Abramos), Frederico Lemos (UBC), Marcos Vinício,  Marcelo Miguel (UBE), entre outros ), resultará, na criação de uma estrutura estadual, na qual marcariam presença entidades como a Associação de Compositores do Paraná, Fórum de Entidades de Cultura e o Fórum Permanente de Cultura do Paraná, cujo apoio à causa foi nesta reunião reiterado pelos próprios coordenadores, Raymundo Rolim, Eliane Berger e Cláudio Ribeiro, respectivamente. Alem do Museu da Imagem e do Som, Rádio Brasil Cultura, Escola de Musica e Belas Artes do Paraná, Sindicato dos Músicos do Paraná, Camerata Antiqua de Curitiba, Associação de Produtores Independentes da Música, Ong. Situação, Umbigo Casa de Cultura e Centro de Pesquisa de Musica Paranaense  e a Biblioteca Pública do Paraná.

Combater a desorganização do tecido musical paranaense e brasileiro, de forma a que os profissionais que o integram sejam vistos como tal e se consciencializem de que têm direitos a reivindicar e merecem estruturas de apoio capazes de marcar posição junto do poder político, é o objetivo mobilizador do Fórum de Musica do Paraná.

 

e-mail – forumdemusicadoparana@brasilcultura.com.br

site – radio – www.brasilcultura.com.br

 

 

    Author: Redação

    Share This Post On