Produção musical sergipana

Secretária de Estado da Cultura, Eloísa Galdino

Secretária de Estado da Cultura, Eloísa Galdino

Sergipe é um celeiro de grandes artistas. Com foco na potencialidade da produção musical sergipana, o Governo de Sergipe, através da Secretaria de Estado da Cultura (Secult), vem desenvolvendo ações que proporcionam aos músicos do Estado a oportunidade de ter seus trabalhos reconhecidos em Sergipe e além fronteiras. São projetos sólidos, cujos investimentos ultrapassam R$ 1,3 milhão.

 

Muitos projetos têm sido implementados pelo Governo nos últimos anos com o objetivo de aumentar a cadeia produtiva da música, não apenas nos palcos, mas também por trás das cortinas. Projetos como o Música (in) Formação, o Sergipe Exporta Som, a Arena Multicultural e o Balaio Cultural, por exemplo, captaram investimentos de aproximadamente R$ 700 mil.

 

Além disso, novos projetos como o ‘Liras Sergipanas’ e o Festival das Novas Composições de Forró, irão representar uma soma de R$ 260 mil na área. Nos festejos juninos, o investimento é ainda maior. Para valorizar o trabalho de quem mantém viva a tradição do forró, a soma dos cachês dos forrozeiros que se apresentam no Arraiá do Povo, Centro de Criatividade e Gonzagão (eventos organizados pelo Governo do Estado), é de aproximadamente R$ 400 mil.

 

Para a secretária de Estado da Cultura, Eloísa Galdino, o maior objetivo da Secult com os investimentos na área é valorizar o os músicos sergipanos. “Sergipe é um Estado de muitas riquezas culturais e na área da música não é diferente. Temos muitos artistas de qualidade e nosso objetivo é justamente mostrar este talento, não apenas para nossa população sergipana, mas para o mundo. Entendemos que é papel do poder público fomentar e estimular a cena musical sergipana, criando condiçoes para que os artistas possam se enxergar como parte de uma cadeia produtiva, entendendo a necessidade  de gerenciar suas carreiras. Esse é o nosso maior desafio.”, destacou a gestora.

 

Eloísa lembrou ainda que grupos sergipanos estarão esta semana em Madri, na Espanha, representando o país em um dos festivais mais importantes de música brasileira no mundo. “Café Pequeno, Cobra Verde e Patrícia Polayne estarão no Tensamba, um dos mais importantes eventos de música brasileira no mundo. É importante ressaltar que o convite partiu da organização do Festival, após ter acesso a uma coletânea desenvolvida pela Secult em parceria com a Fundação Aperipê, que leva os selos da Disco de Barro e Astronave (PE), onde estão trabalhos de dezenas de artistas do nosso estado. Após o convite, nós conseguimos apoiar essa participação através de uma parceria com o Sebrae/SE”, exemplificou.

 

Ações já realizadas

 

Muitas ações foram realizadas em prol da música sergipana. Oficinas de capacitação e editais para apresentações são alguns dos projetos que mais atraíram a classe. Entre essas ações está o projeto ‘Música (in) formação’, que capacitou mais de 100 agentes da área, através de oficinas de qualificação técnica para áudio, iluminação, roadagem, produção de música eletrônica, produção musical em software livre, entre outros temas, proporcionando a inserção de técnicos no mercado de trabalho.

 

O cineasta Raphael Borges, que atua tanto na área de cinema como na música, participou da oficina de iluminação do projeto e destacou que a iniciativa foi muito proveitosa e que conseguiu extrair o máximo de conhecimento. “Para mim a oficina foi fundamental, pois quanto mais conhecimento na área de iluminação, seja de palco, de teatro ou de música, unindo com o que eu já conheço de vídeo, consigo uma bagagem mais sólida, o que é essencial em uma carreira artística”, frisou.

 

E se a música sergipana ganha, hoje, destaque internacional, isso se dá, além do talento natural dos artistas, através de outro projeto exitoso: o ‘Sergipe Exporta Som’. A ação, que foi uma realização da Secult e Fundação Aperipê, em parceria com Sebrae-SE,  criou um verdadeiro plano de trabalho para a exportação da música sergipana, através de ações como oficinas de capacitação para o mercado nacional e internacional; realização de seminários com produtores, músicos e artistas; investimento em circulação de artistas e confecção de coletâneas promocionais, como os CDs Sergipe’s Finest (parceria com a Disco de Barro) e Music From Sergipe (que leva o selo da Disco de Barro e da Astronave, de Pernambuco), que divulgam os trabalhos de dezenas de artistas sergipanos em rodas de negócios em eventos como a Feira Música Brasil, a maior da área.

 

Arena Multicultural: mais público para a música sergipana

 

A música sergipana de qualidade também está na Arena Multicultural, projeto atrelado ao Verão Sergipe e que é desenvolvido desde o ano passado. O objeto da Arena é promover um espaço exclusivo aos artistas sergipanos, buscando valorizar o artista dentro do eixo de incentivo à circulação dos músicos. As bandas que se apresentam no local, são escolhidas através de edital, em um processo seletivo construído de forma democrática com a sociedade, formatada com os representantes da classe artística musical, através do Fórum Música Sergipe.

 

Cerca de vinte bandas sergipanas, já passaram pelo palco da Arena Multicultural. Entre elas está a banda Lacertae que se apresentou no Verão Sergipe 2011. Natural da cidade de Lagarto, o grupo que trabalha diferentes ritmos do rock, estava muito realizado com a participação no evento. “Cada festival tem sua marca, e o Verão Sergipe remete a esse cuidado que há com os músicos locais, então, para nós da Lacertae, que estivemos presentes na programação de 2011 foi um prazer imenso. Ficamos muito felizes com o acolhimento do público e pela estrutura da festa. Espero voltar muitas outras vezes àquele palco”, enfatizou o vocalista da banda, Deon Costa.

 

Novos projetos

 

As ações na música não param, e para o primeiro semestre de 2011 dois novos projetos devem aquecer ainda mais área. O primeiro deles é o Projeto ‘Liras Sergipanas’, um projeto abrangente que compreende várias ações na área da música instrumental. O primeiro deles diz respeito à retomada do projeto ‘Pra ver a Banda Tocar’, que acontecia em frente ao Palácio Olimpio Campos, todas as sextas-feiras à tarde. A nova versão prevê apresentações quinzenais, também as sextas-feiras, a partir deste mês.

 

O público que passa diariamente pelo local poderá assistir às apresentações de diversas bandas filarmônicas da capital e do interior. A nova iniciativa contempla cerca de 40 bandas filarmônicas da capital e interior do estado, fomentando a formação de platéia para as bandas beneficiadas.

 

Forró

 

Outro projeto que promete dinamizar ainda mais a área é o Festival das Novas Composições de Forró, previsto para ocorrer em junho. A iniciativa é uma realização da Secult e Aperipê, que visa revelar novos talentos e fortalecer a cena do forró em Sergipe.

 

O processo se dará através de uma seleção de trinta compositores selecionados para as mostras competitivas. Quatro categorias serão premiadas: Melhor canção letra e música; melhor musica instrumental; melhor intérprete e melhor instrumentista.

 

Eloísa Galdino destaca que as novas ações desempenham um papel fundamental no incentivo à produção e a formação de plateia para a música local. “Temos muitos projetos na área da música e nosso esforço é justamente para angariar parcerias para realizar todos eles. Com o Projeto das Liras Sergipanas e Festival de Novas Composições iremos fomentar a formação de plateia e garantir espaço no cotidiano do sergipano, para que ele possa se identificar com a música que é produzida em Sergipe”, afirmou.

 

São João 2011

 

E não tem como pensar em música e não falar dos festejos juninos. A menos de dois meses do São João, a Secult já se prepara para uma das mais vibrantes temporadas do ano, onde diversas manifestações artísticas e folclóricas se unem, encantando sergipanos e turistas.

 

Entre quadrilhas, forrozeiros e grupos folclóricos, a programação do Arraiá do Povo, Centro de Criatividade e Gonzagão terão mais de 200 atrações, todas sergipanas, como garante Eloísa Galdino. “Ouvimos os artistas e mais uma vez formatamos uma programação voltada para a cultura local, com bandas e trios do Estado. A música sergipana tem o muito que mostrar, e nosso papel é este: fomentar ações que divulguem nossa cultura para o povo sergipano”, finalizou a secretária.

    Author: Redação

    Share This Post On

    1 comentário

    1. 6dgBP2 Im grateful for the article post.Really looking forward to read more. Keep writing.

    Enviar um comentário

    O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *