Prêmio Loucos pela Diversidade 2009

loucos-pela-diversidade O subsecretário da Identidade e da Diversidade Cultural do Ministério da Cultura, Ricardo Lima, e a coordenadora executiva do Projeto Loucos pela Diversidade da SID/MinC, Patrícia Dorneles, participam do lançamento do edital Prêmio Loucos pela Diversidade 2009 – Edição Austregésilo Carrano. O evento ocorrerá na próxima quarta-feira, 10 de junho, às 10h30, na Sala Multiuso do Santander Cultural, em Porto Alegre (Rua Sete de Setembro, nº 1.028, Praça da Alfândega, Centro).

O Projeto é desenvolvido pela Secretaria da Identidade e da Diversidade Cultural do Ministério da Cultura (SID/MinC), em parceria com a Fundação Oswaldo Cruz do Ministério da Saúde (Fiocruz/MS), por meio do Laboratório de Estudos e Pesquisas em Saúde Mental (LAPS), e com a Caixa Econômica Federal.

Um dos objetivos da iniciativa é promover uma nova visão de política cultural e da política de saúde mental onde o respeito à identidade e à diversidade constroem um país mais democrático no sentido de incluir, socializar, descentralizar e potencializar a todos o direito à criação e à produção cultural.

A parceria entre os órgãos foi firmada em agosto de 2007, quando foi promovida a Oficina Loucos pela Diversidade, visando a construção de ações e diretrizes para as políticas públicas de cultura. Além da realização deste edital, a oficina resultou em uma publicação com o mesmo nome, da qual já foram distribuídos mais de três mil exemplares em diferentes eventos nacionais e internacionais.

Homenagem a Carrano Bueno – A cada premiação lançada pela SID/MinC, é feita uma homenagem a personalidades de destaque nos segmentos culturais em que a Secretaria atua. Neste primeiro edital de fomento à produção artístico-cultural no campo da saúde mental, o escolhido foi Austregésilo Carrano Bueno. O escritor paranaense, que faleceu no ano passado, notabilizou-se como integrante do Movimento da Luta Antimanicomial e inspirou o personagem principal do filme Bicho de Sete Cabeças, de Laís Bodanzky. Além da importância de sua mobilização, o homenageado expôs seu drama pessoal em uma obra literária, que foi transportada para o cinema e tornou pública a necessidade de construir uma sociedade sem manicômios, com a denúncia de maus tratos na cultura manicomial da psiquiatria brasileira.

 

    Author: Redação

    Share This Post On