Patativa do Assaré

patativa do assareAntônio Gonçalves da Silva, dito Patativa do Assaré, nasceu a 5 de março de 1909 na Serra de Santana, pequena propriedade rural, no município de Assaré, no Sul do Ceará. É o segundo filho de Pedro Gonçalves da Silva e Maria Pereira da Silva. Foi casado com D. Belinha, de cujo consórcio nasceram nove filhos. Publicou Inspiração Nordestina, em 1956,  Cantos de Patativa, em 1966. Em 1970, Figueiredo Filho publicou seus poemas comentados Patativa do Assaré. Tem inúmeros folhetos de cordel e poemas publicados em revistas e jornais. Está sendo estudado na Sorbonne, na cadeira da Literatura Popular Universal, sob a regência do Professor Raymond Cantel. Patativa do Assaré era unanimidade no papel de poeta mais popular do Brasil. Para chegar onde chegou, tinha uma receita prosaica: dizia que para ser poeta não era preciso ser professor. ‘Basta, no mês de maio, recolher um poema em cada flor brotada nas árvores do seu sertão’, declamava.
   Cresceu ouvindo histórias, os ponteios da viola e folhetos de cordel. Em pouco tempo, a fama de menino violeiro se espalhou. Com oito anos trocou uma ovelha do pai por uma viola. Dez anos depois, viajou para o Pará e enfrentou muita peleja com cantadores. Quando voltou, estava consagrado: era o Patativa do Assaré. Nessa época os poetas populares vicejavam e muitos eram chamados de ‘patativas’ porque viviam cantando versos. Ele era apenas um deles. Para ser melhor identificado, adotou o nome de sua cidade.
   Filho de pequenos proprietários rurais, Patativa, nascido Antônio Gonçalves da Silva em Assaré, a 490 quilômetros de Fortaleza, inspirou músicos da velha e da nova geração e rendeu livros, biografias, estudos em universidades estrangeiras e peças de teatro. Também pudera. Ninguém soube tão bem
cantar em verso e prosa os contrastes do sertão nordestino e a beleza de sua natureza. Talvez por isso, Patativa ainda influencie a arte feita hoje. O grupo pernambucano da nova geração ‘Cordel do Fogo Encantado’ bebe na fonte do poeta para compor suas letras. Luiz Gonzaga gravou muitas músicas dele, entre elas a que lançou Patativa comercialmente, ‘A triste partida’. Há até quem compare as rimas e maneira de descrever as diferenças sociais do Brasil com as músicas do rapper carioca Gabriel Pensador. No teatro, sua vida foi tema da peça infantil ‘Patativa do Assaré – o cearense do século’, de Gilmar de Carvalho, e seu poema ‘Meu querido jumento’, do espetáculo de mesmo nome de Amir Haddad. Sobre sua vida, a obra mais recente é ‘Poeta do Povo – Vida e obra de Patativa do Assaré’ (Ed. CPC-Umes/2000), assinada pelo jornalista e pesquisador Assis Angelo, que reúne, além de obras inéditas, um ensaio fotográfico e um CD.
  Como todo bom sertanejo, Patativa começou a trabalhar duro na enxada ainda menino, mesmo tendo perdido um olho aos 4 anos. No livro ‘Cante lá que eu canto cá’, o poeta dizia que no sertão enfrentava a fome, a dor e a miséria, e que para ‘ser poeta de vera é preciso ter sofrimento’.
  Patativa só passou seis meses na escola. Isso não o impediu de ser Doutor Honoris Causa de pelo menos três universidades. Não teve estudo, mas discutia com maestria a arte de versejar. Desde os 91 anos de idade com a saúde abalada por uma queda e a memória começando a faltar, Patativa dizia que não escrevia mais porque, ao longo de sua vida, ‘já disse tudo que tinha de dizer’. Patativa morreu em 08 de julho de 2002 na cidade que lhe emprestava o nome.

 

  •  
    •  
        O BURRO

 
                      Vai ele a trote, pelo chão da serra,
                      Com a vista espantada e penetrante,
                      E ninguém nota em seu marchar volante,
                      A estupidez que este animal encerra.
 
                      Muitas vezes, manhoso, ele se emperra,
                      Sem dar uma passada para diante,
                      Outras vezes, pinota, revoltante,
                      E sacode o seu dono sobre a terra.
 
                      Mas contudo! Este bruto sem noção,
                      Que é capaz de fazer uma traição,
                      A quem quer que lhe venha na defesa,
 
                      É mais manso e tem mais inteligência
                      Do que o sábio que trata de ciência
                      E não crê no Senhor da Natureza.

 

Aos poetas clássicos

PATATIVA DO ASSARÉ

                                    Poetas niversitário,
                                    Poetas de Cademia,
                                    De rico vocabularo
                                    Cheio de mitologia;
                                    Se a gente canta o que pensa,
                                    Eu quero pedir licença,
                                    Pois mesmo sem português
                                    Neste livrinho apresento
                                    O prazê e o sofrimento
                                    De um poeta camponês.
                                     Eu nasci aqui no mato,
                                    Vivi sempre a trabaiá,
                                    Neste meu pobre recato,
                                    Eu não pude estudá.
                                    No verdô de minha idade,
                                    Só tive a felicidade
                                    De dá um pequeno insaio
                                    In dois livro do iscritô,
                                    O famoso professô
                                    Filisberto de Carvaio.
 

                                    No premêro livro havia
                                    Belas figuras na capa,
                                    E no começo se lia:
                                    A pá — O dedo do Papa,
                                    Papa, pia, dedo, dado,
                                    Pua, o pote de melado,
                                    Dá-me o dado, a fera é má
                                    E tantas coisa bonita,
                                    Qui o meu coração parpita
                                    Quando eu pego a rescordá.
 

                                    Foi os livro de valô
                                    Mais maió que vi no mundo,
                                    Apenas daquele autô
                                    Li o premêro e o segundo;
                                    Mas, porém, esta leitura,
                                    Me tirô da treva escura,
                                    Mostrando o caminho certo,
                                    Bastante me protegeu;
                                    Eu juro que Jesus deu
                                    Sarvação a Filisberto.
 

                                    Depois que os dois livro eu li,
                                    Fiquei me sintindo bem,
                                    E ôtras coisinha aprendi
                                    Sem tê lição de ninguém.
                                    Na minha pobre linguage,
                                    A minha lira servage
                                    Canto o que minha arma sente
                                    E o meu coração incerra,
                                    As coisa de minha terra
                                    E a vida de minha gente.
 

                                    Poeta niversitaro,
                                    Poeta de cademia,
                                    De rico vocabularo
                                    Cheio de mitologia,
                                    Tarvez este meu livrinho
                                    Não vá recebê carinho,
                                    Nem lugio e nem istima,
                                    Mas garanto sê fié
                                    E não istruí papé
                                    Com poesia sem rima.
 

                                    Cheio de rima e sintindo
                                    Quero iscrevê meu volume,
                                    Pra não ficá parecido
                                    Com a fulô sem perfume;
                                    A poesia sem rima,
                                    Bastante me disanima
                                    E alegria não me dá;
                                    Não tem sabô a leitura,
                                    Parece uma noite iscura
                                    Sem istrela e sem luá.
 

                                    Se um dotô me perguntá
                                    Se o verso sem rima presta,
                                    Calado eu não vou ficá,
                                    A minha resposta é esta:
                                    — Sem a rima, a poesia
                                    Perde arguma simpatia
                                    E uma parte do primô;
                                    Não merece munta parma,
                                    É como o corpo sem arma
                                    E o coração sem amô.
 

                                    Meu caro amigo poeta,
                                    Qui faz poesia branca,
                                    Não me chame de pateta
                                    Por esta opinião franca.
                                    Nasci entre a natureza,
                                    Sempre adorando as beleza
                                    Das obra do Criadô,
                                    Uvindo o vento na serva
                                    E vendo no campo a reva
                                    Pintadinha de fulô.
 

                                    Sou um caboco rocêro,
                                    Sem letra e sem istrução;
                                    O meu verso tem o chêro
                                    Da poêra do sertão;
                                    Vivo nesta solidade
                                    Bem destante da cidade
                                    Onde a ciença guverna.
                                    Tudo meu é naturá,
                                    Não sou capaz de gostá
                                    Da poesia moderna.
 

                                    Dêste jeito Deus me quis
                                    E assim eu me sinto bem;
                                    Me considero feliz
                                    Sem nunca invejá quem tem
                                    Profundo conhecimento.
                                    Ou ligêro como o vento
                                    Ou divagá como a lêsma,
                                    Tudo sofre a mesma prova,
                                    Vai batê na fria cova;
                                    Esta vida é sempre a mesma.  

 

O Vaqueiro
PATATIVA DO ASSARÉ

 
 

                                    Eu venho dêrne menino,
                                    Dêrne munto pequenino,
                                    Cumprindo o belo destino
                                    Que me deu Nosso Senhô.
                                    Eu nasci pra sê vaquêro,
                                    Sou o mais feliz brasilêro,
                                    Eu não invejo dinhêro,
                                    Nem diproma de dotô.
 

                                    Sei que o dotô tem riquêza,
                                    É tratado com fineza,
                                    Faz figura de grandeza,
                                    Tem carta e tem anelão,
                                    Tem casa branca jeitosa
                                    E ôtas coisa preciosa;
                                    Mas não goza o quanto goza
                                    Um vaquêro do sertão.
 

                                    Da minha vida eu me orgúio,
                                    Levo a Jurema no embrúio
                                    Gosto de ver o barúio
                                    De barbatão a corrê,
                                    Pedra nos casco rolando,
                                    Gaios de pau estralando,
                                    E o vaquêro atrás gritando,
                                    Sem o perigo temê.
 

                                    Criei-me neste serviço,
                                    Gosto deste reboliço,
                                    Boi pra mim não tem feitiço,
                                    Mandinga nem catimbó.
                                    Meu cavalo Capuêro,
                                    Corredô, forte e ligêro,
                                    Nunca respeita barsêro
                                    De unha de gato ou cipó.
 

                                    Tenho na vida um tesôro
                                    Que vale mais de que ôro:
                                    O meu liforme de côro,
                                    Pernêra, chapéu, gibão.
                                    Sou vaquêro destemido,
                                    Dos fazendêro querido,
                                    O meu grito é conhecido
                                    Nos campo do meu sertão.
 

                                    O pulo do meu cavalo
                                    Nunca me causou abalo;
                                    Eu nunca sofri um galo,
                                    pois eu sei me desviá.
                                    Travesso a grossa chapada,
                                    Desço a medonha quebrada,
                                    Na mais doida disparada,
                                    Na pega do marruá.
 

                                    Se o bicho brabo se acoa,
                                    Não corro nem fico à tôa:
                                    Comigo ninguém caçoa,
                                    Não corro sem vê de quê.
                                    É mêrmo por desaforo
                                    Que eu dou de chapéu de côro
                                    Na testa de quarqué tôro
                                    Que não qué me obedecê.
 

                                    Não dou carrêra perdida,
                                    Conheço bem esta lida,
                                    Eu vivo gozando a vida
                                    Cheio de satisfação.
                                    Já tou tão acostumado
                                    Que trabaio e não me enfado,
                                    Faço com gosto os mandado
                                    Das fia do meu patrão.
 

                                    Vivo do currá pro mato,
                                    Sou correto e munto izato,
                                    Por farta de zelo e trato
                                    Nunca um bezerro morreu.
                                    Se arguém me vê trabaiando,
                                    A bezerrama curando,
                                    Dá pra ficá maginando
                                    Que o dono do gado é eu.
 

                                    Eu não invejo riqueza
                                    Nem posição, nem grandeza,
                                    Nem a vida de fineza
                                    Do povo da capitá.
                                    Pra minha vida sê bela
                                    Só basta não fartá nela
                                    Bom cavalo, boa sela
                                    E gado pr’eu campeá.
 

                                    Somente uma coisa iziste,
                                    Que ainda que teja triste
                                    Meu coração não resiste
                                    E pula de animação.
                                    É uma viola magoada,
                                    Bem chorosa e apaxonada,
                                    Acompanhando a toada
                                    Dum cantadô do sertão.
 

                                    Tenho sagrado direito
                                    De ficá bem satisfeito
                                    Vendo a viola no peito
                                    De quem toca e canta bem.
                                    Dessas coisa sou herdêro,
                                    Que o meu pai era vaquêro,
                                    Foi um fino violêro
                                    E era cantadô tombém.
 

                                    Eu não sei tocá viola,
                                    Mas seu toque me consola,
                                    Verso de minha cachola
                                    Nem que eu peleje não sai,
                                    Nunca cantei um repente
                                    Mas vivo munto contente,
                                    Pois herdei perfeitamente
                                    Um dos dote de meu pai.
 

                                    O dote de sê vaquêro,
                                    Resorvido marruêro,
                                    Querido dos fazendêro
                                    Do sertão do Ceará.
                                    Não perciso maió gozo,
                                    Sou sertanejo ditoso,
                                    O meu aboio sodoso
                                    Faz quem tem amô chorá.
 

Author: Redação

Share This Post On

Enviar um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *