(Paraná) – Confira os vencedores do Prêmio Estadual de Cinema e Vídeo 2012

Originalidade, qualidade, currículos do diretor e da empresa produtora e a viabilidade de realização do orçamento proposto foram avaliados em cada um dos 23 projetos (10 longas-metragens e 13 telefilmes) inscritos na edição 2012 do Prêmio Estadual de Cinema e Vídeo. O longa-metragem vencedor foi “O homem que matou a minha amada morta” da Grafo Audiovisual. O diretor do filme é Aly Muritiba, que teve o curta-metragem “A Fábrica” na lista dos 11 semifinalistas ao Oscar 2013.

Na categoria telefilmes, os classificados são: “O
Amor de Catarina e a Caixa de Sapatos”, da WG7 Agenciamento e Produções;
“Blindagem – Não Quero Morrer De Frio, Eu Quero Morrer De Rock”, da Coelho
Produções Artísticas; e “Vladson”, da Citizencrane Produções Artísticas.

O prêmio está em sua quarta edição e vai distribuir
1.540 milhão de reais para a produção dos filmes, que já terá início no ano que
vem, sendo 1 milhão de reais para um longa-metragem e 540 mil reais para três
telefilmes, 180 mil para cada um. O resultado foi publicado hoje (05/12/12) no
Diário Oficial do Estado do Paraná. A comissão julgadora foi formada por quatro
profissionais de importante atuação na área.

Saiba quem foram os jurados:

Luiz Carlos Lacerda, o Bigode – Um dos nomes mais
significativos do audiovisual, o carioca realizou e roteirizou cerca de 30
curtas sobre personagens da cultura brasileira, como Nelson Pereira, Lucio
Cardoso, Leila Diniz, Cecilia Meireles e Angelo Agostini. Dirigiu filmes
publicitários, seriados e um sem número de longa-metragens. Produziu novelas
para a TV. Foi produtor executivo, professor e membro do Conselho de Direção da
Escola Internacional de Cinema, em Cuba, país que também ministrou, em 1995,
oficinas de realização em documentário para estudantes espanhóis e portugueses.

Luana Melgaço – integrante da Teia, centro de
produção audiovisual de Minas Gerais, trabalha desenvolvendo projetos e
produzido curtas, longas e instalações. Já produziu 14 filmes, todos laureados.

Carla Francine – A recifense de vasta experiência em
direção e produção cinematográfica é, desde 2007, Coordenadora de Audiovisual
da Fundarpe/Governo de Pernambuco.

Daniela Pfeiffer – Conselheira do Audiovisual na
Comissão Nacional de Incentivo à Cultura do Ministério da Cultura, já trabalhou
cinco anos no acompanhamento de projetos da Agência Nacional do Cinema
(Ancine).

Histórico

Instituído pela Lei n.º 14.279/04, o prêmio teve sua
primeira edição em 2004, quando foi selecionado o longa “Corpos Celestes”, de
Fernando Severo e Marcos Jorge, e os telefilmes “Caminho da Escola”, de Heloisa
Passos, “Made in Ucrânia – Os Ucranianos no Paraná”, de Guto Pasko, e “O Coro”,
de Werner Schumann. Na segunda edição, os selecionados foram “Mistéryos”, longa
dirigido por Beto Carminatti e Pedro Merege Filho, e os telefilmes “Belarmino e
Gabriela”, de Geraldo Pioli, “Guerra Dentro da Gente”, de Paulo Munhoz, e
“Amadores do Futebol”, de Eduardo Baggio.

A última edição do Prêmio Estadual de Cinema e Vídeo
foi realizada em 2008. O longa vencedor foi “Curitiba Zero Grau”, de
Eloi Pires Ferreira. Os três telefilmes classificados foram “Deserto
D’Água”, documentário de Heloisa Passos, “Geada Negra”,
documentário de Adriano Luís Andrade Justino, e “Gol a Gol”, ficção
de Adriano Esturilho e Fábio Allon.

Author: Redação

Share This Post On

Enviar um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

2 − um =