Ouça “História Hoje”26/09 : Saiba mais sobre o índio guerreiro Ajuricaba, morto há 290 anos

guerreiro Ajuricaba

No dia 26 de Setembro de 1727, Lisboa era comunicada da morte do guerreiro Ajuricaba. Ele era considerado príncipe, líder da tribo dos Manaós, no Amazonas. Tornou-se símbolo da insubmissão dos índios à opressão colonial, e lutou incansavelmente contra a ocupação portuguesa.

 

Apresentação Adalto Gouveia

ANTES DE OUVIR O ÁUDIO DESLIGUE O SOM DA RÁDIO BRASIL CULTURA NO TOPO DA PAGINA

 

A tribo dos Manaós tinha um acordo com os portugueses, mas um desentendimento entre os líderes da tribo e o colonizador provocou a morte do cacique.

 

O acordo garantia que índios de outras tribos fossem comercializados como escravos e Ajuricaba, que era filho do cacique morto, não concordava com este comércio.

 

Ajuricaba, que morava longe da tribo, jurou vingar a morte do pai. Esse índio valente era disputado pelas filhas dos Maiapenas, Tucanos e Barés, mas ele escolheu uma bela cunhatã dos poderosos Titiás.

 

Seguindo o propósito de vingar a morte do pai, entrou em contato com os holandeses do Suriname, que eram inimigos de Portugal. Em 1723, foi iniciada uma luta de emboscada contra o invasor português, chamando então a atenção do governador do Pará, que pediu ao rei de Portugal apoio para combater a guerrilha.

 

O rei enviou armas e tropas para a luta contra os guerreiros de Ajuricaba. Mas os portugueses precisaram de reforço. Os colonizadores utilizaram um navio com canhões que dizimava os nativos, mas estes resistiam com suas flechas, zarabatanas e o orgulho de defender a região do julgo português.

 

Em 1729, o cronista Ribeiro Sampaio relatou que de 300 a 2 mil índios foram presos, inclusive o destemido Ajuricaba, que perdeu seu filho em uma das lutas sangrentas. Preso, ele seria conduzido a Belém para julgamento. Mas, mesmo acorrentado, lançou-se nas águas do Amazonas, para resistir à prisão, liderando outros guerreiros, que conseguiram escapar.

 

Diz uma antiga lenda indígena que as águas do rio Negro e do Solimões não se misturam até os dias atuais, para marcar onde o cacique Ajuricaba lançou-se para a morte, marcando no encontro dos rios a força da revolta do índio em libertar o seu povo.

 

Manaós significa Mãe de Deus e deu origem a atual capital do Amazonas, Manaus.

 

Pesquisa e redação: Beatriz Arcoverde

Sonoplastia: Messias Melo

 

História Hoje: Programete sobre fatos históricos relacionados às datas do calendário. Vai ao ar pela Rádio Brasil Cultura de segunda a sexta-feira

Author: Brasil Cultura

Share This Post On

Enviar um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *