Ouça “História Hoje” 19/01: Cantora Nara Leão, musa da Bossa Nova, nascia há 75 anos

nara

Nara Leão lançou mais de 20 discos e interpretou canções consagradas da MPB. Ganhou o primeiro violão do pai, aos 12 anos. Nessa época estudava no mesmo colégio de Roberto Menescal. No apartamento de Nara, aconteciam as famosas reuniões de jovens músicos que participariam da Bossa Nova.

Apresentação Dilson Santa Fé

ANTES DE OUVIR O ÁUDIO DESLIGUE O SOM DA RÁDIO BRASIL CULTURA NO TOPO DA PAGINA

Biografia de Nara Leão

Filha do advogado Jairo Leão e da dona de casa Altina Leão, Nara Lofego Leão foi um dos ícones do movimento musical da década de 60 que ficou conhecido como bossa-nova. Nascida em Vitória (ES), Nara veio ainda criança para o Rio de Janeiro com a sua família, onde foi morar na zona sul, junto com a sua irmã, Danuza Leão, que mais tarde também se destacaria como modelo e jornalista.

Extremamente tímida em sua infância, Nara desistiu de aprender o acordeom, instrumento da moda na época, para se dedicar ao violão, que acabou se tornando o companheiro de toda a sua vida. Um de seus primeiros namorados foi Roberto Menescal, ao qual apresentou o ritmo que estava encantando os Estados Unidos, o jazz.

Entediados com as músicas que estavam sendo feitas no país, Nara e seus amigos começaram a se reunir em sua casa para buscar ritmos diferentes e fazer uma nova música. Estava então definido o ponto de encontro de artistas como Ronaldo Bôscoli e João Gilberto, que, juntamente com outros grandes nomes da música brasileira, criou a bossa-nova. Nara Leão tornou-se a musa daqueles rapazes que queriam fazer músicas com poesias.

Com o aumento do interesse pelo novo ritmo, as apresentações nos apartamentos ficaram pequenas para o crescente público e, assim, começaram as apresentações em universidades e boates. Em sua estréia em um desses grandes shows, Nara ficou tão nervosa que se apresentou de costas para o público.

Noiva do cantor e compositor Ronaldo Bôscoli, Nara rompeu com o músico após saber que o mesmo tivera um caso durante uma viagem pela América do Sul com a cantora Maysa. A sua estréia profissional aconteceu com o musical de Vinícius de Moraes e Carlos Lyra, ‘Pobre Menina Rica’. Apesar da superprodução, o espetáculo não fez o sucesso esperado.

O sucesso da garota da zona sul chegou com o lançamento do seu primeiro disco, em 1964, onde a cantora surpreendeu com o resgate de músicas de sambistas como Cartola e Nelson Cavaquinho, e de músicas engajadas, fugindo da temática da bossa-nova, que só tratava de temas como o sorriso, o amor e o mar.

A cantora foi a estrela do show Opinião, ao lado de João do Vale e Zé Kéti, um dos mais aclamados da MPB. Só teve que sair por problemas de saúde, escolhendo a cantora Maria Bethânia para ficar em seu lugar. Logo depois, estreou o espetáculo ‘Liberdade, Liberdade’, que foi censurado após pouco tempo em cartaz.

A menina tímida, que tinha medo do palco, tornou-se uma mulher com opiniões firmes e contestadoras, chegando a fazer ofensas aos militares em pleno regime militar. “Os militares podem entender de canhão ou de metralhadora, mas não ‘pescam’ nada de política”, disse a cantora em uma entrevista em 1966. Apesar de o então presidente, Arthur da Costa e Silva, querer enquadrá-la na Lei de Segurança Nacional, uma legião de intelectuais saiu em sua defesa, entre eles o poeta Carlos Drummond de Andrade.

Nara Leão foi uma das primeiras cantoras consagradas a apoiar a Tropicália, outro movimento musical que revelou grandes nomes como Caetano Veloso e Gilberto Gil. Foi também ao cantar ‘A Banda’, de Chico Buarque, que Nara ganhou o 2° Festival de Música Popular Brasileira.

Cantora com visão de produtora, Nara lançou vários compositores e inúmeras músicas ganharam fama em sua voz como “Pedro Pedreiro”, “Olê Olá” (ambas de Chico Buarque), “Maria Moita” (Carlos Lyra / Vinicius), “Corisco” (Sergio Ricardo/ Glauber Rocha), “Esse Mundo É Meu” (Sergio Ricardo), “Maria Joana”, “Pede Passagem” (Sidney Miller), “Recado” (Casquinha/ Paulinho da Viola), “Coisas do Mundo, Minha Nega” (Paulinho da Viola), “João e Maria” (Sivuca / Chico Buarque), “Com Açúcar, com Afeto” (Chico Buarque), “Apanhei-te Cavaquinho” (Ernesto Nazareth / Nara Leão), além de praticamente todos os clássicos da bossa nova.

Após um tempo no exílio na Itália e na França, onde permaneceu casada com o cineasta Cacá Diegues e teve sua primeira filha, Isabel, Nara retornou ao Brasil, onde teve o seu segundo filho, Francisco. Nesta fase, dedicou-se quase que exclusivamente à maternidade e foi estudar psicologia.

Nara Leão retomou aos poucos a sua carreira cantando com amigos e fazendo shows por todo mundo, principalmente no Japão, onde tinha um público cativo. Aos 47 anos, na manhã de 7 de junho de 1989, Nara morreu devido a um tumor inoperável no cérebro.

 

 

 

História Hoje: Programete sobre fatos históricos relacionados às datas do calendário. Vai ao ar pela Rádio Brasil Cultura de segunda a sexta-feira.

 

    Author: Claudio Ribeiro

    Share This Post On

    Enviar um comentário

    O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *