Os 75 anos de Paulinho da Viola

Paulinho da Viola - especial dominical - exclusivo embargado - 15 de outubro de 2014 - O cantor, compositor e instrumentista, Paulinho da Viola, fotografado em sua casa no bairro da Barra da Tijuca, Rio de Janeiro. Foto: Eduardo Nicolau/Estadão

Paulinho da Viola – especial dominical – exclusivo embargado – 15 de outubro de 2014 – O cantor, compositor e instrumentista, Paulinho da Viola, fotografado em sua casa no bairro da Barra da Tijuca, Rio de Janeiro. Foto: Eduardo Nicolau/Estadão

Minha prima, a jornalista Roseli Abrão, apaixonada pelo trabalho de Paulinho da Viola, sabe que  hoje ele é visto como um elo entre diversas tradições populares como o samba, o carnaval e o choro, além de suas incursões em composições para violão e peças de vanguarda e, ela sacode minhas lembranças avisando que estamos na semana de comemorações dos  75 anos do compositor. Ele um dos maiores representantes do samba e herdeiro do legado de músicos como Cartola, Claudionor Cruz, Candeia e Nelson Cavaquinho mostra que está sempre se renovando e produzindo sem abandonar seus princípios e valores estéticos.

Desde maio desse ano, ele está em turnê com o show com a cantora Marisa Montes e tem apresentações agendadas no dia 17 e 18/11, no KM de Vantagens Hall, no Rio de Janeiro, e 24 e 25/11, no Citi Bank Hall, em São Paulo.

ANTES DE OUVIR O ÁUDIO DESLIGUE O SOM DA RÁDIO BRASIL CULTURA NO TOPO DA PAGINA

NOVA ILUSÃO – CLAUDIONOR CRUZ E PEDRO CAETANO

Filho do músico Cesar Faria, Paulinho da Viola cresceu num ambiente naturalmente musical. Na sua infância em Botafogo, bairro tradicional da zona sul do Rio de Janeiro onde nasceu em 12 de novembro de 1942, teve contado constante com a música através do pai, violonista integrante do conjunto Época de Ouro. Nos ensaios familiares do conjunto, Paulinho conheceu Jacob do Bandolim e Pixinguinha, entre muitos outros músicos que se reuniam para fazer choro e eventualmente cantar valsas e sambas de diferentes épocas.

 

Embora o pai não desejasse que o filho se tornasse músico, o convenceu a lhe dar um violão, instrumento que começou a aprender a tocar sozinho, aos 15 anos. Ao mesmo tempo, começou a se envolver com carnaval e organizou com um grupo de amigos o bloco carnavalesco Foliões da Rua Anália Franco, para representar a rua onde morava sua tia Trindade, no bairro de Vila Valqueire, na Zona Oeste do Rio, onde costumava visitar aos fins de semana e tinha mais liberdade para sair à noite.Por essa época, ingressou na ala de compositores da escola de samba União de Jacarepaguá.

 

Quando completou 19 anos, Paulinho conseguiu seu primeiro emprego como contador em uma agência bancária do centro do Rio e estudava economia. Em um dia de trabalho, viu Hermínio Bello de Carvalho, a quem conhecia de vista dos saraus musicais na casa de Jacob do Bandolim, entrar no banco para pagar uma conta e – depois de uma rápida conversa, lhe aconselhou a abandonar a carreira enquanto era jovem. Paulinho atendeu um convite para visitar o apartamento do poeta no Catete, que naquela época era bastante frequentado por músicos, intelectuais e artistas diversos. Lá, pôde ouvir pela primeira vez gravações de compositores como Anescar do Salgueiro, Carlos Cachaça,Cartola, Elton Medeiros, Nelson Cavaquinho e Zé Ketti e também a ensaiar composições originais com Hermínio, um de seu primeiros parceiros musicais e grande incentivador de sua carreira.

 

Em 1965, participou do musical “Rosa de Ouro”, montado por Kléber Santos e Hermínio Bello de Carvalho, que marcou o retorno de Araci Cortes e lançou Clementina de Jesus, e que culminaram na gravação do LP Rosa De Ouro Vol.1, pela Odeon. Ainda naquele ano, o nome de Paulinho da Viola apareceu no LP Roda de Samba, da Musidisc. Essa gravadora, a mesma onde Paulinho estava registrando seus sambas, pediu para Zé Ketti organizar o conjunto A Voz do Morro, composto por integrantes do conjunto Rosa de Ouro – Anescar do Salgueiro, Elton Medeiros, Jair do Cavaquinho, Nelson Sargento e Paulinho – e acrescidos de Oscar Bigode, Zé Cruz e o próprio Ketti. No processo de finalização desse álbum, um funcionário da Musidic não gostou do nome “Paulo César” e, tendo conhecimento da anedota, o jornalista Sérgio Cabral e Zé Ketti bolaram o nome artístico Paulinho da Viola. Nesse primeiro disco, aparecem as composições “Coração vulgar”, “Conversa de malandro” e “Jurar com lágrimas”.

 

Ao longo dos anos 70, Paulinho gravou em média um disco por ano, ganhou diversos prêmios e se apresentou por diversas cidades no Brasil e no mundo. Já nos anos 80, gravou mais quatros discos e manteve-se como um dos principais nomes do samba no país. Nos anos 90, entrou numa nova fase, onde a imprensa e os críticos passaram a vê-lo como um músico mais sofisticado e maduro. Mesmo sem perder seu apelo popular, Paulinho gravou um de seus mais importantes trabalhos, Bebadosamba e montou o espetáculo homônimo.

 

 

 

    Author: Claudio Ribeiro

    Share This Post On

    Enviar um comentário

    O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *