O que o samba tem a ver com a fria Curitiba

Brasil da Samba“O fato é que o samba existe e resiste há muito tempo. E se renova também sob o frio e a chuva deste outono curitibano. Em várias vertentes e interesses, do samba de raiz ao samba-rock.”

Esta semana serviu para nos lembrar que moramos em Curitiba. Frio e chuvisco interminável para pegar desprevenido quem havia se esquecido. Assim como a chuva, há um mantra interminável, porém inverídico, que afirma incansavelmente que em Curitiba não há samba e que o nosso carnaval deveria ser transformado em um festival de inverno (porque aqui chove e faz frio também no verão). Tudo bem como piada. No entanto, nem vale a pena entrar nessa discussão anacrônica. O fato é que o samba existe e resiste há muito tempo. E se renova também sob o frio e a chuva deste outono curitibano. Em várias vertentes e interesses, do samba de raiz ao samba-rock. Assim como na coluna da semana passada, vamos mostrar três evidências.

Os Milagrosos Decompositores

Poderia ser enquadrado na categoria samba-universitário, ou samba-festa, já que mistura tudo e faz um som para ser dançado e suado com junção de diversos estilos. Como a própria banda escreve em seu site (www.decompositores.com.br): “Pronta pra tocar em qualquer evento que demande alegria e energia, a banda Decompositores apresenta números que vão da MPB tradicional ao samba-funk, do baião ao blues, com nuances de rock-and-roll.” A banda formada por Ariel Mujica (gaita e voz), Luciano Gatto (violão e voz), Fábio Abu (guitarra), Fernando Schubert (baixo), Samir “Saman” (bateria) e Macarrão (percussão e coro), está lançando disco nesta sexta-feira, na Faustus Music Show (faustusms.com), que fica na Rua Mateus Leme, 3690.

Quem já viu show dos Decompositores sabe que eles fazem releituras de muita gente, no entanto, a proposta do disco é de um som autoral. Serão 11 músicas próprias compostas pelo vocalista Luciano Gatto (algumas em parceria com outros colegas de banda) e o cover “Não Vem Que Não Tem”, de Carlos Imperial, que ficou conhecido na voz de Wilson Simonal. O disco foi totalmente gravado às próprias custas e com produção deles mesmos. É essencialmente um som dançante, bom de pé e de cintura, que tem no samba a base e se expande por outros ritmos “prapular”. O grupo é dos mais requisistados na noite curitibana e toca como atração fixa em quatro bares da cidade: Em­­pório (toda terça-feira), Esvedra (quarta), Corcovado Bar (quinta-feira) e domingos (Bar Matriz e Filial).

Segunda evidência

No sábado, dia 10, das 15 às 19 horas, na Sociedade 13 de Maio (Rua Clotário Portugal, 247, São Francisco), o pesquisador João Carlos de Freitas lança o livro Colorado – A Primeira Escola de Samba de Curitiba.. Conta a história, lógico, dessa escola de samba fundada em 1946, por Ismael Cordeiro, também conhecido por Maé da Cuíca, e outros 15 sambistas e trabalhadores da antiga Rede Ferroviária (que também fundou o antigo time Ferroviário, hoje Paraná Clube). A história da escola fundada na Vila Tassi é contada, resgatando-se registros históricos e depoimentos de sambistas remanescentes. No lançamento do livro, haverá show de samba com Maé e seus Batuqueiros. Samba tradicional de primeira.

Terceira evidência

O projeto Samba do Compositor Paranaense, que assim como o livro acima é apoiado pela Lei de Incentivo à Cultura de Curitiba, está promovendo um concurso de composições de samba. Já começou em março e prossegue durante o ano até novembro. A cada mês, serão escolhidos os melhores e, no final, será gravado um disco com os 11 vencedores (os nove campeões de cada mês e mais dois escolhidos em uma “repescagem”). Para o projeto, foi criado um site (www.sambadocompositorpr.com.br), que contém as instruções de inscrição e o regulamento. Em cada etapa, os compositores inscritos serão acompanhados pelo Regional Paranapoeta, criado exclusivamente para o projeto e composto por músicos renomados do samba e do choro paranaense, como Daniel Miranda, Felipe Cubas, Julião Boêmio, Léo Fé, Ricardo Salmazo, Vinicius Chamorro e Xandi da Cuíca..

Mesmo que chova e faça frio, é samba o ano inteiro em Curitiba.

Publicado em 07/04/2010 | Luiz Claudio Oliveira – luizs@rpc.com.br

Fonte: Gazeta do Povo – http://www.gazetadopovo.com.br/colunistas/conteudo.phtml?tl=1&id=990174&tit=O-que-o-samba-tem-a-ver-com-a-fria-Curitiba

    Author: Redação

    Share This Post On

    54 Comentários

    1. Im grateful for the article.Really thank you!

    2. Im grateful for the post.Really looking forward to read more. Much obliged.

    3. pSWGXL Thanks a lot for the article post.Thanks Again. Great.

    Enviar um comentário

    O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *