O encanto das águas e queijos da Serra da Canastra

Localizada no Sudoeste de Minas Gerais, a Serra fica na margem do Rio Grande, próximo à divisa do estado de São Paulo

Localizada no Sudoeste de Minas Gerais, a Serra fica na margem do Rio Grande, próximo à divisa do estado de São Paulo

O formato de um “baú canastra” dá nome à Serra cheia de atrativos naturais, históricos, culturais e gastronômicos que oferece, a seus visitantes, opções de roteiros variados. Os visitantes interessados em desbravar o Parque Nacional da Serra da Canastra podem fazer o acesso em uma das quatro portarias: São Roque de Minas, São João da Canastra, Sacramento e São José do Barreiro. A área transformada em Parque Nacional em 1972 protege, além da fauna e flora da região – tamanduá-bandeira, lobo-guará, tatu-canastra e pato-mergulhão-, a nascente do rio São Francisco, um dos mais importantes do Brasil.

 

A Serra da Canastra está localizada nas proximidades de seis cidades: Sacramento, Delfinópolis, São João Batista do Glória, Capitólio, São Roque de Minas e Vargem Bonita, sendo as duas últimas as mais próximas. Elas ficam na parte Norte da Serra e perto das atrações mais procuradas: a nascente do rio São Francisco; a Cachoeira Casca D’Anta, com 186 metros de altura; e o primeiro grande salto do “Velho Chico”, localizado a 14 km da nascente.

 

Dentro do parque o acesso é feito por estradas de terra e trilhas. Muitos dos atrativos estão entre 900 e 1.496 metros, o ponto mais alto da Serra da Canastra.  Vale a pena descobrir a região e seus encantos:

 

 

28_07_2016_queijo

 

AVENTURA E GASTRONOMIA – Uma temporada na Serra da Canastra permite a realização de atividades como trilhas, canoagem, bóia-cross, rapel, cachoeiras, lagoas, rios, motocross, passeios de jeep, entre outras atividades ao ar livre. Outra paixão regional é o Queijo Canastra. Os produtores artesanais de queijo de leite cru, fabricam há mais de dois séculos essa iguaria, considerada Patrimônio Imaterial de Minas Gerais e do Brasil. A vida rural mantém, ainda, a tradição da arquitetura do século XIX, dos muros de pedra sem cimento e do carro de boi.

 

“O MAR DE MINAS” – A região tem 34 cidades banhadas pelo Lago de Furnas, no Rio Grande. O imenso reservatório de 1.440 km² (quatro vezes maior que a Baía de Guanabara), também é chamado de “Mar de Minas”. A área do lago tem grandes paredões de pedra, cachoeiras, piscinas naturais e uma praia artificial com área de lazer no município de Capitólio. O turismo gerado nas águas de Furnas, ao lado da Serra da Canastra, movimenta boa parte da economia regional.

 

 

 

28_07_2016_serra_canastra2

O ENCANTO – Em “Viagem às Nascentes do rio São Francisco”, Auguste de Saint-Hilaire (1779-1853) descreve uma vista paradisíaca da Serra da Canastra: “Enquanto tive diante dos meus olhos a Serra da Canastra, desfrutei de um panorama maravilhoso. À direita descortinava uma vasta extensão de campinas e à esquerda tinha a serra, do alto da qual jorravam quatro cascatas”. Esse roteiro privilegiado de esportes radicais e turismo ecológico abrange 200 mil hectares. A região é berço de muitos rios que formam as bacias do São Francisco e do Paraná, cheios de corredeiras e cachoeiras com diferentes destinos. Tudo forma um conjunto de rara beleza ainda preservado e fiel à descrição apaixonada do naturalista francês. Os turistas agradecem!

    Author: Redação

    Share This Post On

    Enviar um comentário

    O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *