“Nazaré em todo canto” faz Belém fervilhar

Quando o mês de outubro chega, parece que Belém vive a sua mais completa efervescência cultural. A cidade se metamorfoseia e de todos os cantos transbordam programações e homenagens à padroeira dos paraenses, que atingem seu ápice no segundo domingo de outubro, com o Círio de Nazaré. Mas antes, a capital paraense recebe e se enche de atrações paralelas e totalmente inspiradas no período. É o caso da programação “Nazaré em todo canto”, existente há mais de dez anos e que retorna depois quatro anos de ausência do calendário local. A ideia é divulgar o trabalho dos artistas da terra e fortalecer a cultura paraense na época de maior movimentação turística. E tudo com entrada franca.

A partir de hoje vários pontos da cidade mergulham no universo do Círio de Nazaré e trazem para o público atividades gratuitas nas áreas da dança, música, cinema, teatro e moda. No Instituto de Artes do Pará (IAP), por exemplo, começa a exposição “Novos Mantos: Alinhavando Talento e Fé”. A mostra traz 22 trabalhos dos alunos do curso de Moda da Universidade da Amazônia. São mantos que tentam construir novos olhares e perspectivas para um dos principais ícones do Círio, proposta feita a partir da escolha de outros materiais na concepção dos mantos.

De acordo com Edila Porto, coordenadora do curso de Moda, a mostra é resultado de um concurso lançado pela universidade para situar os alunos no marco religioso e cultural do Círio e trabalhar a criatividade a partir da inspiração absorvida da festa. “Há mantos feitos com penas, pedras de calçada, sacos de café, com zíper, camisetas do círio, jeans”, completa Edila.

Ainda no IAP, haverá uma programação audiovisual dividida em duas sessões com exibições de documentários e curtas-metragens de ficção, que têm em comum as relações estabelecidas com o Círio de Nazaré. Hoje, a primeira sessão inicia às 15h com o curta “Quero ser Anjo”, de Marta Nassar. Em seguida, é a vez do documentário “Marias e Josés de Nazaré”, de Úrsula Vidal. A animação “Nossa Senhora dos Miritis”, de Andrei Miralha, será exibida na sequência. E logo depois, o Cineclube Alexandrino Moreira exibe o documentário “Círio de Nazaré”, de Alan Kardek e Januário Guedes. A segunda sessão, às 17h, terá os documentários “O rebanho”, de Márcio Barradas; e “Miriti-Miriti”, de Andrei Miralha.

O IAP promoverá ainda, em parceria com associações de moda e artesanato, uma feira temática, aberta ao público das 14h às 21h. No anfiteatro da instituição, atrações musicais se apresentam a partir das 18h30, entre elas, a Banda Sinfônica do Colégio Lauro Sodré e a Companhia dos Notáveis Clowns com a peça “Em busca de um lugar na corda”. André Cozzi, Antonio Juraci Siqueira, Sônia Santos e Rodrigo Grilo também levam poesia, trova e literatura de cordel para o anfiteatro do IAP. A dança fica por conta das companhias Ana Unger e Clara Pinto, que executam os espetáculos “Sublime e Sagrado” e “A Fé”, respectivamente.

O violonista Salomão Habib encerra a programação de hoje com uma bela homenagem à Nossa Senhora de Nazaré. O músico fará o concerto “Canções para Maria”, onde executará a peça instrumental “Suíte Outubro”, que passeia com acordes pelos vários momentos do Círio, retratando os cenários da alvorada, procissão, oração e cesta. Religioso e devoto de Nossa Senhora, Salomão tem dois trabalhos dedicados à padroeira: os discos “Corda e Fé” (2005) e “Santa Maria”. Para ele, em outubro, Belém se transforma culturalmente mais do que nunca.

“É um momento de união, de apertar os laços, além da inspiração nela [Nossa Senhora de Nazaré] e de recarga das baterias da alma da gente. A autoestima do povo paraense está em alta. E no mês de outubro, essa autoestima fica mais alta, e faz com o reflexo disso na arte seja elevado. Nada melhor do que a arte para mostrar a cultura de um povo”, avalia.

Na Estação das Docas, a atração de hoje é o grupo “Raiz de Cafezal”. Os integrantes vão fazer o carimbó ecoar no anfiteatro São Pedro Nolasco. Em outro canto de Belém, o Parque da Residência, as atividades começam já pela manhã, com apresentações musicais no coreto do espaço, às 11h30. No entardecer, o grupo “Frutos do Pará” é atração no anfiteatro do Parque. Logo mais, às 20h, o Teatro Estação Gasômetro vira palco dos shows de Joelma Klaudia e Lu Guedes. Joelma apresentará músicas de seu disco “Dias Assim”, cujo repertório mescla composições próprias e em parceria com Rogério Avelar, Guibson Landim e Josely Costa, além de canções de consagrados autores paraenses como Edir Gaya, Felipe Cordeiro, Marcelo Sirotheau, Renato Torres e Giselle Monteiro.

Em seguida, quem se apresenta no palco do Gasômetro é a cantora Lu Guedes. Lu traz sua musicalidade cheia de batidas eletrônicas recombinadas a toques regionais, dubs praieiros e cirandas eletrônicas do mais novo trabalho da artista, o CD “EletrOrquestra”.

“Será o mesmo show que circulou em São Paulo, Rio de Janeiro e em Belém”, diz Lu Guedes. A diferença é que Lu estará acompanhada por um número menor de músicos. Ela terá um quarteto de cordas, ao contrário dos onze músicos do show mostrado em Belém no último dia 2 de setembro. Católica, Lu conta que sua relação com Círio extrapola a esfera religiosa e adianta projetos além da área musical.

“A imagem do Círio me fascina. Não o aspecto das pessoas irem atrás de uma imagem, mas o objetivo que as leva. O que eu acho curioso é que até mesmo os ‘descrentes’ se emocionam quando a santa passa. É essa emoção que me fascina, sabe. E eu vou sair nesse Círio para fotografar, tentar fazer a preparação das pessoas, o preparo que elas têm para enfrentar o Círio”, conta a cantora, também conhecida por seus trabalhos como design gráfico e fotografia.

Author: Redação

Share This Post On

Enviar um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *