Modelo de Cultura do PSDB – Artistas pró Aécio revivem ‘medo’ de Regina Duarte

Cantor Lobão

“Todos os dias vejo gente querendo se mudar pra Miami. Acho que todos nós devemos ficar aqui e dar a passagem pro Lula e pra Dilma”, diz o ator Fulvio Stefanini. A plateia ri. “Estamos vivendo num país em que há falta de liberdade, em que há medo, em que as pessoas não se abraçam na rua. É uma ditadura”, emenda Sérgio Dantino, dono do Teatro Frei Caneca, em São Paulo, antes de mostrar que tem em suas mãos a delação premiada de Paulo Roberto Costa, ex-diretor da Petrobras. “Se tivesse no segundo turno o partido do satanás e o PT, eu votaria no de satanás.”
Declarações como essa, que retomam o discurso do medo personificado por Regina Duarte em 2002, e críticas à política cultural atual e à corrupção deram o tom do evento de artistas pró-Aécio Neves (PSDB) na noite desta segunda (13), em São Paulo.
No palco do teatro Frei Caneca decorado com a bandeira do Brasil, Dantino e Stefanini tiveram a companhia do músico Lobão e dos deputados estaduais eleitos Coronel Telhada e Floriano Pesaro, de Andrea Matarazzo, do secretário estadual de Cultura, Marcelo Araújo, e de Roberto Corrêa de Mello, do Comitê Nacional de Cultura e Direitos Autorais. Na plateia com 600 lugares, nem 200 estavam ocupados.
A atriz Lucia Veríssimo também foi convidada a dar seu depoimento. Declarou primeiro sua paixão por Fernando Henrique Cardoso, por quem é “alucinada” e chama de “meu imperador”. Depois criticou a lei da meia-entrada e afirmou já ter sofrido “milhares de represálias”. E ficou “absolutamente quieta” sobre seu posicionamento político. Até agora.
“Me disseram que se eu votar no Aécio, vão privatizar meu c… . Mas meu c… sempre foi privado”, disse Lúcia, depois de fazer um gesto chulo fazendo um círculo com o polegar e o indicador para mostrar que está com medo de um próximo governo do PT.
Lobão, que não “quis” sair de casa para votar no primeiro turno, disse que no dia 26 estreará o voto no PSDB. Ele disse estar sendo ameaçado de morte por suas declarações contra o governo e que pensa em deixar o Brasil. “Não tenho medo, sou o Lobão. Mas tenho c…”
Para o roqueiro, o país vive uma ditadura de “atmosfera stalinista”. “Nas escolas, os professores são comunistas doutrinários.”
Voltando à cultura, dispara contra o primeiro ministro da pasta no governo do PT. O hoje marineiro Gilberto Gil teria valorizado ritmos de sua terra, a Bahia, como o axé. Já o rock ganhou a pecha de “coisa de reacionário branco”.
Coronel Telhada justificou sua presença no evento da classe artística dizendo que “PM também tem fanfarra”. Ele diz conhecer o meio por ter sido segurança de Gugu Liberato e Chitãozinho & Xororó. O próprio seria um artista: toca clarinete na orquestra da igreja e contrabaixo, além de ser autor de livros como “Quartel da Luz, Mansão da Rota”.
Para o ex-comandante da Rota, “Regina Duarte estava certa” e, 12 anos depois, “a resposta veio nas urnas”.
Fonte

    Author: Redação

    Share This Post On

    Enviar um comentário

    O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *