Grupo Especial de São Paulo começa nesta sexta

sexta_sp_2017

Um ano inteiro de trabalho posto à prova em 65 minutos. Quando a sirene tocar e Mestre Sabú, locutor oficial do Anhembi, anunciar com sua potente voz “Carnaval 2017, Passarela do Samba” estará aberta a competição do carnaval de São Paulo. Tom Maior, Mocidade Alegre, Unidos de Vila Maria, Acadêmicos do Tatuapé, Gaviões da Fiel, Acadêmicos do Tucuruvi e Águia de Ouro entram na Avenida a partir das 23h15 desta sexta-feira, na primeira noite de desfiles das escolas de samba da elite do carnaval paulistano.

Ordem dos desfiles:

1 – Tom Maior (23h15)
2 – Mocidade Alegre (00h20)
3 – Unidos de Vila Maria (01h25)
4 – Acadêmicos do Tatuapé (02h30)
5 – Gaviões da Fiel (03h35)
6 – Tucuruvi (04h40)
7 – Águia de Ouro (05h45)

A expectativa de cada desfile desta noite:

tom-maior-43Tom Maior: De volta ao Grupo Especial como vice-campeã do Acesso, após um ano na segunda divisão do carnaval paulistano, a Vermelha e Amarela promete abrir o carnaval paulistano em grande estilo. Em comparação aos últimos anos, a Tom talvez seja a escola que chega para abrir o carnaval paulistano com mais condições de se manter no Grupo Especial até com certa tranquilidade. Sob a batuta do carnavalesco Cláudio Cavalcante, o Cebola, a agremiação irá levar para a Avenida o folclore nordestino sob o olhar – e a voz – da cantora paraibana Elba Ramalho. Com o enredo “Elba Ramalho canta em oração o folclore do nordeste. Toque sanfoneiro, forró, frevo e xaxado”, a escola aposta no forte apelo popular de Elba e na força de seus segmentos para o desfile desse ano. A Tom reforçou-se, contratando o intérprete Bruno Ribas, com passagens por Portela, Mocidade Independente e Império de Casa Verde, para o lugar deixado por Renê Sobral no ano passado.

ensaio_mocidade_17022017-8Mocidade Alegre: Comemorando seus 50 anos de história, a Mocidade Alegre se reforçou em pontos cruciais para o desfile de 2017. Após perder o intérprete Igor Sorriso, que se desligou da agremiação para concentrar o trabalho apenas no carnaval carioca, e o carnavalesco Sidnei França para a coirmã Vila Maria, a Morada do Samba apostou em nomes de peso para a realização do desfile de 2017. Ito Melodia, da União da Ilha do Governador, irá formar uma dupla com Tiganá, ex-Camisa Verde e Branco e Alegria da Zona Sul, no microfone principal da escola do bairro do Limão. O reforço na assinatura do desfile chega com a chancela de campeão do último carnaval no Rio de Janeiro. Leandro Vieira, carnavalesco da Mangueira, forma uma comissão de carnaval e foi o responsável pela concepção do enredo “A vitórias vem da luta, a luta vem da força e a força da união”, que comemora o Jubileu de Ouro da agremiação. Apesar da posição indigesta de desfile, segunda escola desta sexta-feira, a Mocidade Alegre é uma das cotadas para o título do Grupo Especial, que seria o décimo primeiro de sua história.

Vila MariaUnidos de Vila Maria: Prometendo o maior carnaval de sua história e contando com o inédito apoio da Igreja Católica, a Vila Maria irá transformar a pista do Sambódromo do Anhembi em um grande cortejo religioso, para comemorar os 300 anos do surgimento da imagem de Nossa Senhora Aparecida. Com o enredo “Aparecida, a Rainha do Brasil”, desenvolvido pelo carnavalesco Sidnei França, a Verde, Azul e Branca da Zona Norte investiu pesado na construção do seu carnaval, anunciando o tema ainda no desfile das campeãs de 2016. A grande novidade, aliás, é o novo carnavalesco. Após alguns anos na Mocidade Alegre, conquistando títulos e colecionando carnavais extremamente competitivos e elogiados, Sidnei chega com status de grande contratação na escola, para o lugar de Alexandre Louzada. O cantor Daniel, um dos mais famosos devotos da Padroeira do Brasil, já confirmou presença no desfile da agremiação. O padre Reginaldo Manzotti, que gravou a faixa da agremiação no CD oficial e participou de um dos ensaios técnicos no Anhembi, aguarda a liberação de seus superiores para participar da homenagem.

ensaio_tatuape_16022017-29Acadêmicos do Tatuapé: Vice-campeã no último carnaval, a Acadêmicos do Tatuapé aposta em uma nova identidade visual e na força de seus quesitos de chão para, enfim, conquistar o inédito título do Grupo Especial paulistano. Com o enredo “Mãe África conta a sua história: do berço sagrado da humanidade à terra abençoada do grande Zimbábue”, desenvolvido pelo carnavalesco Flávio Campello, a Azul e Branca promete levar o continente africano para a Avenida, sob uma nova proposta estética, diferente da apresentada pela agremiação até o ano passado. A escola se reforçou com Flávio Campello, campeão do carnaval de 2009 pela Mocidade Alegre e que até o ano passado estava na Dragões da Real, para o lugar de Mauro Xuxa, que foi para a Imperador do Ipiranga. Pelo que se vê na baia da concentração do Anhembi, as alegorias ganharam maior volume e detalhes no acabamento, que podem auxiliar na conquista de décimos importantes na briga pelo título. Mais uma vez, o Tatuapé conta com a qualidade do intérprete Celsinho Mody, um dos melhores do carnaval paulistano na atualidade e vencedor do Prêmio Estrela do Carnaval, promovido pelo Site CARNAVALESCO e pela SASP, em 2016.

ensaio_gavioes_da_fiel_1602201712Gaviões da Fiel: A escola da Fiel Torcida corinthiana tenta quebrar o jejum de títulos do Grupo Especial que já dura 14 anos. Homenageando os migrantes que construíram e formaram a capital paulistana, os Gaviões apostam na manutenção de seu elenco para o carnaval desse ano. A agremiação alvinegra manteve todos os segmentos, com exceção da comissão de frente, que neste ano será comandada pela coreógrafa Helena Figueira. Com o enredo “Com as mãos e a garra de um povo sonhador, surge o contraste de uma nova metrópole – Sampa, lugar de sonhos, oportunidade e esperança”, desenvolvido pelo carnavalesco Zilkson Reis, os Gaviões buscam o quinto título de sua história no Grupo Especial paulistano, após o sétimo lugar em 2016.

tucurivi_ensaiotecnico_15012017dsc01192-copyAcadêmicos do Tucuruvi: Mantendo seu elenco de 2016, mesmo após o 10º lugar no carnaval passado, a agremiação da zona norte paulistana promete mudanças referentes ao modelo de desfile adotado pela escola nos carnavais anteriores. Com alegorias maiores, o Zaca, apelido dado à escola pela sonoridade de “Os Acadêmicos do Tucuruvi”, levará para a Avenida o enredo “Meu palco é a rua”, desenvolvido pelo carnavalesco Wagner Santos. A proposta da escola é homenagear os artistas de rua e os movimentos culturais das ruas paulistanas, como o rap e o grafite. A escola da Cantareira jamais conquistou um título do Grupo Especial e busca o feito ainda inédito, que passou muito perto em 2011, quando foi vice-campeã do carnaval.

dsc00195-copyÁguia de Ouro: Encerrando a primeira parte dos desfiles do carnaval paulistano já na manhã deste sábado, a Águia de Ouro retorna ao estilo que lhe rendeu desfiles interessantes nos anos 2000 – como em 2001, quando fez críticas à classe política brasileira, e em 2006, quando alertou sobre os casos de abuso sexual infantil. Com o enredo “Amor com amor se paga – Uma história animal”, desenvolvido pelo carnavalesco Amarildo de Mello, a Azul e Branca da Pompeia levará para a Avenida a relação do homem com os bichinhos e fará um alerta sobre o crescente aumento de registros de maltrato aos animais, além de exaltar àqueles que fazem trabalhos em defesa aos animais. O time da Águia de Ouro, oitava colocada em 2016, foi pouco mexido com relação ao último ano. Destaque para a chegada de Fernandinho SP, que além de um dos compositores do samba da Azul e Branca, irá dividir o microfone principal da agremiação com Douglinhas Aguiar. O samba-enredo da agremiação, aliás, recebeu muitas críticas nas redes sociais desde antes de seu lançamento oficial. Porém, a comunidade abraçou a obra e nos ensaios técnicos mostrou que está fechada com o samba desse ano. A tendência é que o quesito harmonia, que avalia o canto da comunidade, seja um dos destaques do último desfile da noite no Anhembi.

Mudança no corpo de jurados e regulamento 2017

A principal mudança no julgamento do carnaval paulistano em 2017 foi, justamente, os julgadores. A Liga-SP promoveu uma alteração total dos 36 jurados responsáveis pelas notas às escolas de samba. Com todos os jurados considerados especialistas para a função e, ao mínimo, detentores de diploma no ensino superior, a Liga promete elevar ainda mais o nível de seu julgamento. Para evitar o que ocorreu no ano passado, quando jurados deixaram de atribuir notas às agremiações, a entidade deixou claro em seu regulamento que em caso de ausência de nota, o cachê do jurado será suspenso e o mesmo será excluído do corpo de julgadores. A entidade que controla o carnaval paulistano também se atentou às possíveis confusões com integrantes das agremiações. Caso haja ocorrência destes episódios, a escola será punida com a perda de 1,0 ponto na classificação final.

Segue abaixo, outros pontos do regulamento:

– Tempo de desfile: 55 minutos (mínimo) até 65 minutos (máximo) – caso a escola complete o desfile antes do tempo mínimo ou depois do tempo máximo, será punida com a perda de 1,0 ponto, mais 0,1 ponto por minuto, seja pelo tempo mínimo ou máximo.

– Comissão de frente: cada comissão poderá contar com o mínimo de 06 (seis) e o máximo de 15 (quinze) integrantes aparentes no quesito. Caso descumpra a determinação, a agremiação será punida com a perda de 1,0 ponto.

– Alegorias: todas as agremiações deverão apresentar 05 (cinco) alegorias em seus desfiles. Caso durante o desfile, alegorias acopladas se desacoplem, ultrapassando o limite de 05 (cinco) alegorias, a escola será punida com a perda de 1,0 ponto, além de 0,2 pontos por cada alegoria excedente. O mesmo vale para a falta de alegorias. É proibido o uso de tripés ou quadripés, de qualquer tamanho, com exceção da comissão de frente. Caso a agremiação faça uso destes elementos, também será punida com a perda de 1,0 ponto.

– Número de componentes: as escolas deverão apresentar o número minimo de 2000 (dois mil) componentes em seus desfiles, não havendo número máximo de componentes. Quem apresentar número inferior a esse, será punida com a perda de 1,0 ponto, mais 0,1 ponto para cada 05 (cinco) componentes faltantes.

– Notas e quesitos: As notas serão atribuídas de 8,0 a 10,0, fracionadas de forma decimal (8,0 – 8,1 – 8,2 – … – 9,8 – 9,9 – 10,0). São 09 (nove) quesitos: Comissão de frente, Mestre-sala e Porta-bandeira, Evolução, Harmonia, Bateria, Enredo, Samba-enredo, Alegorias e Fantasias. São quatro jurados distribuídos por nove das dez torres espalhadas pelo Sambódromo do Anhembi. A torre 01 é destinada ao locutor oficial e ao cronometrista.

Lembrando que as duas últimas colocadas no Grupo Especial serão rebaixadas para o Grupo de Acesso de 2018, e serão substituídas pela campeã e vice-campeã do Acesso de 2017. Estas duas, aliás, integram o desfile das campeãs, assim como as cinco primeiras colocadas do Grupo Especial. A festa das campeãs será na sexta-feira que vem, dia 3, no Sambódromo do Anhembi.

Transmissão:

A Sintonia SASP, rádio da Sociedade Amantes do Samba Paulista, parceira do site CARNAVALESCO em São Paulo, transmite os desfiles a partir de 22h45, com retransmissão no CARNAVALESCO. A apresentação será de Rodrigo Godoi e Julio César Castilho. O repórter Antonio Júnior, responsável pela editoria São Paulo no site CARNAVALESCO, pelo segundo ano seguido integra a equipe de comentaristas. Além de Antonio, o time de comentários conta com especialistas nos quesitos julgados no carnaval paulistano. São eles: Fábio Parra (enredo e comissão de frente), Danilo Dantas (fantasias e alegorias), Thiago de Xangô (samba e carro de som), Ricardo Leite (harmonia e evolução), Cacá Mascarenhas (harmonia e evolução) e Mestre Bola (bateria). As reportagens ficam por conta de Thiago Morganti, Ronny Potolski e Rodrigo Brito.

 

FONTE

    Author: Claudio Ribeiro

    Share This Post On

    Enviar um comentário

    O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *