Curitiba – Em tom confessional, Carlos Careqa lança ‘Made In China’

Talvez estejamos vivendo um momento especial em relação ao mundo. Quase tudo que consumimos em nosso dia a dia, exceto alimentos e bebidas, foi fabricado ou montado na China. O novo álbum de Carlos Careqa, o oitavo de sua carreira, se inspira nisso e traz 14 canções inéditas produzidas, arranjadas, instrumentadas e mixadas por Marcio Nigro (violões, guitarras, baixo, samplers e teclados), acompanhado pela bateria de Thiago “Big” Rabello, com a co-produção e vozes de Carlos Careqa.

Made in China não é um trabalho político ou de paródias do mundo atual. Ao contrário, é um CD confessional onde o autor e compositor declara seu amor à palavra e às sutilezas provenientes da sua dedicação de quase 30 anos à canção brasileira.
O velho e bom I Ching nos mostra um caminho. O hexagrama número 24, FU / O Retorno (o ponto de transição), sugere “Para adiante e para trás segue o caminho. Ao sétimo dia vem o retorno. É favorável ter aonde ir”. “Formam-se associações de pessoas que tem os mesmos
ideais. Como tal grupo se une em público e está em harmonia com o tempo, os propósitos particulares e egoístas estão ausentes, e assim erros são evitados.
A ideia de retorno baseia-se no curso da natureza. O movimento é cíclico e o caminho se complete em si mesmo.”

Ao se juntar com Marcio Nigro para realizar este trabalho, Carlos Careqa escolheu um repertório quase confessional. Apenas duas parcerias constam neste CD, O q q cê tem na cabeça, com Marcelo Quintanilha, e Botão de futebol, com Adriano Sátiro. A ideia original era usar somente recursos eletrônicos que remetessem subtextualmente à ‘Chinalização’ que estamos vivendo. No decorrer do trabalho, falou mais alto o talento e a dedicação de Marcio Nigro nos arranjos e na execução das músicas, que preferiu um ar mais pop/rock para o CD, especialmente em músicas como Gohan de dois, Mídia e Passarinho quando pia.

Canções como 44 (quarenta e quarto), Crise de Identidade, Existir, Sou um moinho e Estrepolia mostram o talento de Careqa como cancionista e sua habilidade de mesclar influências, que vão de Elomar até Raul Seixas. Uma dedicatória muito especial acontece na canção Ladro, dedicada ao amigo Chico Buarque, que em seu CD lançado em 2011, confessa que a canção “Rubato” foi inspirada em sua participação em Alma Boa de Lugar Nenhum, o CD anterior de Careqa. Ladro sugere um diálogo de “Teresinha” (Chico Buarque) e “Rubato” (Jorge Helder/Chico Buarque).

Por fim, vale ressaltar que Made in China, oitavo disco de Carlos Careqa, não recebeu nenhum incentivo fiscal. Ou seja, foi financiado pelo próprio autor e lançado pelo seu selo fonográfico Barbearia Espiritual Discos, distribuído pela Tratore Distribuidora.

Made in China

Produzido por Marcio Nigro, Co-produzido por Carlos Careqa

Barbearia Espiritual Discos, Tratore Distribuidora

madeinchina@carloscareqa.com.br

Serviço:

Carlos Careqa lança Made in China

Teatro do Paiol

12 de setembro

21h00

R$ 20 meia

R$ 40 inteira
Assessoria de Imprensa Curitiba

Anaterra Viana

(41) 99065906

    Author: Redação

    Share This Post On

    Enviar um comentário

    O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *