“Como Preservar a Identidade Nacional”.

 

 

 

 

O ministro Gilberto Gil participou como conferencista da audiência pública do Conselho de Comunicação Social no Senado Federal, em Brasília, nesta segunda-feira, 9 de outubro. Ele falou sobre “Como Preservar a Identidade Nacional”. Compondo a mesa estavam Arnaldo Niskier, presidente do Conselho e Juca Ferreira, secretário executivo do MinC, entre outras autoridades.

 

No início do seu pronunciamento, o ministro ressaltou que “aproveitarei igualmente para anunciar alguns passos importantes que o governo brasileiro planeja para este fim de ano no campo da televisão pública brasileira, na perspectiva de que este seja um eixo importante da comunicação social no Brasil, entendida aqui como agenda estratégica e contemporânea da sociedade brasileira. Ações que pretendem vir como forma de apoiar o aprofundamento do debate e a geração de um novo ciclo de desenvolvimento para a televisão pública no Brasil”.

 

“O debate proposto pelo Conselho não poderia ser mais sensível aos anseios da vida brasileira. O contexto atual me parece ser de aprofundamento e exigência cada vez maior de um padrão republicano do Estado no trato da coisa pública, e também no trato e respeito do espaço público, em cujas ondas e infra-estruturas digitais transita hoje a comunicação social mundial. Esta exigência ocorre em todo mundo e no Brasil, hoje, se tornou ampla, irrestrita, envolvendo a pauta da população, dos partidos, desta Casa, das diversas identidades, das minorias, em suma, do País”, lembrou o ministro Gil.

 

Ainda em seu discurso, Gilberto Gil afirmou que o Ministério da Cultura está, de um lado, criando formas de registro dos saberes brasileiros que possam repercutir em todo o sistema de ensino para garantir a transmissão de saberes dentro de todo o ensino formal, e, de outro lado, flexibilizando formas de registro autoral rígidas demais e que limita o acesso das populações e dos artistas a seu direito de exercer o acesso e a difusão ampla a bens culturais industrializados.

 

Após a audiência pública, o ministro Gilberto Gil concedeu entrevista quando disse ser preciso atualizar a comunicação social no Brasil, especialmente por considerar as leis relativas a elas antigas. “O marco regulátorio é fragmentário, é insuficiente, os agentes todos sabem disso hoje. É preciso, portanto, uma participação ampla da sociedade brasileira. Aliás, não vem faltando nesses últimos dois/três anos, a partir de estímulos colocado pelo governo brasileiro e pelo próprio setor”, declarou.

 

Fonte: Comunicação Social / MinC

    Author: Redação

    Share This Post On